Quem são os jovens com fortes chances de se elegerem pra vereador em Goiânia

Entre políticos conhecidos que disputam a reeleição ou tentam voltar à Câmara Municipal, algumas novidades são apontadas com chances reais de se eleger

Plenário | Foto: Larissa Quixabeira / Jornal Opção

Plenário | Foto: Larissa Quixabeira / Jornal Opção

Augusto Diniz

É claro que nada em disputas eleitorais se dá por cartas marcadas ou resultados certos. Inclusive, um dos entrevistados desta matéria resume bem isso: “Não há campanha vencida se você não tiver o primeiro voto”. Mesmo assim, o Jornal Opção conversou com políticos e levantou alguns nomes que foram citados mais de uma vez como candidatos a vereador em Goiânia e que são apostas dos ouvidos pela reportagem como nomes que têm chances reais de ocuparem cadeiras da Câmara Municipal.

Na lista de nomes levantados junto a lideranças partidárias, foram retirados aqueles que já ocupam o cargo de vereador e disputam a reeleição, além daqueles que têm mais de 42 anos. Com isso, 13 candidatos de um total de 21 foram retirados.

O entendimento do que vem a ser jovem varia de acordo com o parâmetro adotado. O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) classifica como jovem as pessoas com idade entre 15 e 24 anos. Já as Nações Unidas compreendem que fazem parte da juventude quem tem de 13 a 24 anos. Já o Estatuto da Juventude, sancionado em 2013, atribui aos jovens a faixa etária que vai dos 15 aos 29 anos no inciso 1º em seu artigo 1º.

Se fosse um desses critérios adotados para definir o que vem a ser o conceito de jovem, a lista ficaria ainda mais limitada. Por isso, a idade máxima escolhida foi a de 42 anos, 13 a mais do que a estabelecida pelo Estatuto da Juventude, em vigor no Brasil.

Quem são eles

Reprodução/Facebook

Tucano Cairo Salim | Reprodução/Facebook

Do PSDB, o advogado pós-graduado em Direito Administrativo e corretor de imóveis Cairo Salim, de 32 anos, aparece com um dos fortes candidatos jovens indicados pelos entrevistados ouvidos pelos Jornal Opção. “Desde muito cedo sempre fui muito interessado em discutir a necessidade que o povo tem de receber serviços de melhor qualidade por parte do poder público”, afirma Salim.

Para o tucano, o fator que o motiva a disputar uma vaga na Câmara Municipal é ver que muitas “pessoas de bem” se sentem desinteressadas pela situação em que se encontra a política nacional. “Isso é um motivo, eu quero contribuir para melhorar essa situação.”

Salim, que é um dos vice-presidentes da Associação Comercial, Industrial e de Serviços do Estado de Goiás Jovem (Acieg Jovem) e membro da Igreja Videira – Igreja em Células, diz contar com o apoio do segmento empresarial e do pastor Aluízio Silva, da Videira. Ele afirma que fará uma campanha “muito enxuta”, com foco nas redes sociais e no WhatsApp. “Conto com uma rede de voluntariado e pretendo adesivar o maior número possível de carros, reuniões em casas de amigos.”

O tucano diz defender a criação de subprefeituras com a alocação dos recursos já aplicados em regionais, como acontece com a Saúde e a Educação, com um “remanejamento inteligente” dos servidores para pontos de trabalho mais próximos às suas casas. Ele quer apresentar propostas para desburocratizar os serviços da prefeitura para o cidadão e a iniciativa privada.

“Mãe crecheira”

Presidente do PMB metropolitano, Sabrina Garcêz | Foto: Facebook

Presidente do PMB metropolitano, Sabrina Garcêz | Foto: Facebook

Sabrina Garcez tem 27 anos, é advogada e filha da vereadora Cida Garcêz e presidente metropolitana do PMB. Indicada por alguns entrevistados como o nome que pode figurar entre os mais bem votados para vereador em Goiânia, Sabrina tem o apoio da deputada estadual Eliane Pinheiro (PMN), lideranças comunitárias, movimento de mulheres, mulheres negras e aposta na campanha feita no corpo a corpo com o eleitor, além de reuniões e uso das mídias sociais.

A presidente metropolitana do PMB cita projetos como o da “mãe crecheira”, adotado em favelas do Rio de Janeiro, como uma solução para a falta de vagas em Centros Municipais de Educação Infantil (CMEI) e creches. “A Prefeitura capacita alguém da comunidade para receber crianças da região em sua casa, o que pode ser executado já a partir da qualificação dessa pessoa.”

Sabrina afirma que pretende realizar uma campanha baseada na rede de amigos, com muitos deles participando da divulgação de suas propostas e candidatura.

Base em projetos

Priscilla Tejota (PSD) | Facebook

Priscilla Tejota (PSD) | Facebook

Priscilla Tejota (PSD), de 32 anos, é formada em Relações Internacionais, Gestão de Órgãos Públicos e faz faculdade de Direito. Casada com o deputado estadual Lincoln Tejota (PSD), Priscilla diz que tem apoio do Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Asses­soramento, Perícias, Informação e Pesquisa no Estado de Goiás (Sescon-GO), conselheiros tutelares e pastores de igrejas evangélicas.

“Eu acredito em uma eleição baseada só em projetos.” Para Priscilla, é possível e preciso fiscalizar melhor o trabalho da Prefeitura, incentivar projetos sociais, projetos que atendam às mães em sua necessidade de colocar os filhos na escola, atuar na melhoria da mobilidade urbana e fortalecer o transporte coletivo, além de pensar na saúde, que ela considera em “situação desumana”. Uma das propostas de Priscilla é a criação da creche noturna para a mãe que estuda.

Facebook e WhatsApp são ferramentas que a candidata do PSD tem utilizado desde a pré-campanha para discutir as demandas da capital. “Minha campanha não é de rua”, observa. O trabalho nos bairros é feito, segundo Priscilla, com visitas e reuniões para discutir projetos. “Já fiz mais de 380 reuniões e conheci Goiânia inteira.”

Ela diz que pretende ser uma candidata que busca a renovação na Câmara, com trabalho parlamentar pautado na seriedade. “Mesmo com esse momento político muito difícil, eu sou sempre recebida com muito carinho. Eu tenho trabalhado muito para conseguir ser vereadora.”

Desconstruir o político

Elder Dias | Facebook

Elder Dias | Facebook

Elder Dias, de 42 anos, redator-chefe licenciado do Jornal Opção, é candidato pelo PTC. “Sem padrinhos políticos”, ele afirma que tem o apoio de lideranças comunitárias, entidades classistas, jornalistas e profissionais liberais. “A intenção é justamente fazer com que as pessoas se sintam representadas e ao mesmo tempo participantes do mandato.”

Com base no Conjunto Itatiaia, Elder diz que não vai desprezar a força das redes sociais, mas que vai buscar mesmo é o convencimento pessoal em reuniões, por meio de uma campanha sustentável, com plantio de árvores ao final dela. O candidato do PTC defende uma “política diferente”, que trate o político como uma pessoa da comunidade, não como alguém mais importante.

“É preciso desmistificar a figura do político. A política não acontece apenas de quatro em quatro anos. As pessoas têm que acompanhar sempre”, declara. Elder quer que o vereador não dependa tanto da Câmara, que tenha sua atuação mais próxima da comunidade, que seja um catalizador dos anseios da população.

Uma das propostas é a criação dos “agentes de cidadania”, que seriam pessoas que serviriam de informantes da população de um bairro ou região de seus direitos, opções de cultura, que saiba explicar aos moradores como ir atrás de um serviço ou ter acesso a informações. Elder afirma que esse projeto poderia ser realizado como piloto em parceria com uma universidade, por exemplo.

Passos do pai

José Lopes | Facebook

José Lopes | Facebook

José Lopes (PV) é o candidato mais novo entre os nomes que surgiram dos citados por líderes partidários ao Jornal Opção. Com 21 anos, ele é estudante de Direito e coordenador geral do Centro Acadêmico Clóvis Bevilácqua da PUC Goiás. “É uma campanha sem dinheiro, sem apadrinhamento político. É a volta do pedido de voto por meio das propostas.”

Filho do ex-prefeito Daniel Antônio de Oliveira (1979, 1986-1987, 1988), José Lopes quer buscar o diálogo com as pessoas. Nomeado para ocupar uma cadeira no Conselho Municipal de Juventude, o candidato do PV afirma ter o pai como grande referência.

Como bandeiras, José Lopes defende o incremento da economia por meio do uso de mais tecnologia e a busca da volta do respeito à figura da Câmara Municipal, além de trazer o jovem para as grandes discussões da cidade. “Queremos novas ideias para Goiânia.”

O pai quer que ele seja um grande jurista, mas apoia a candidatura do filho. “Por ter estagiado na Câmara e na Assembleia, eu acredito que posso ser o que falta para essa mudança acontecer no Legislativo”, declara.

Qualificar a Câmara

Tales de Castro | Facebook

Tales de Castro | Facebook

Tales de Castro (PT), de 30 anos, é historiador e mestrando em História. Defende o posicionamento do Supremo Tribunal Federal (STF) pelo fim do financiamento privado de campanha. Diz se apresentar como candidato para qualificar a Câmara Municipal. Com visitas aos bairros, contato com coletivos, movimentos sociais, escolas e universidade, o petista pretende apresentar “propostas reais” também por meio das redes sociais.

“Precisamos desenvolver economicamente e socialmente com a luta contra as opressões. Queremos que Goiânia tenha Cais pediátricos 24 horas.” Com sete anos de militância em movimentos estudantis, além de ter integrado a União Nacional dos Estudantes (Une), a secretaria estadual de juventude do PT, Tales trabalhou na Secretaria Municipal de Trânsito, Trans­porte e Mobilidade (SMT) e no Companhia Metropolitana de Transportes Coletivos (CMTC).

O petista, que participou da implantação dos corredores exclusivos de ônibus na capital, diz que é preciso ampliar a medida para outras vias da cidade. Também defende políticas para a juventude, a valorização de pedestres e ciclistas no trânsito, além da revisão dos contratos e concessão do transporte coletivo pela efetividade da qualidade do serviço.
“O PT sempre enfrentou muitos desafios. A elite sempre lutou contra as mudanças que apresentamos pela emancipação das pessoas. Quero ajudar a reposicionar o partido na sociedade nesse momento difícil.”

Muda

Valério Luiz Filho | Foto: Divulgação

Valério Luiz Filho | Foto: Divulgação

Valério Luiz Filho (PSD), de 28 anos, é advogado e sustenta sua candidatura em três pontos: no Movimento Urbanístico Diversidade e Arte (Muda), nas pessoas que o apoiam nos bairros e em outros eleitores que simpatizam com o seu projeto. Parte dessa proximidade com outros moradores vem do trabalho de combate à impunidade, com ajuda e orientação.

Outro ponto forte destacado por Valério é o trabalho nas redes sociais — ele cuida de duas páginas no Facebook. Com isso, o candidato do PSD quer alcançar todos lugares possíveis, seja pela internet ou no corpo a corpo com material que inclua as propostas e uso de carros de som. Os folders trarão informações sobre ele e também do avô, o deputado estadual Manoel de Oliveira (PSDB).

Mesmo que a segurança não seja uma atribuição do município, Valério afirma que a ocupação de espaços públicos pela população e para os moradores da cidade contribui para que esses locais não se tornem áreas perigosas. “Quando o espaço vai sendo negligenciado pelo poder público, ele começa a ser depredado.”

No movimento Muda, que realiza ações com artistas de Goiânia em parques e áreas públicas da cidade, a intenção é mudar a mentalidade para que haja apoio do poder público a essas atividades. “Se não tiver o evento, a única coisa que vai ficar é o tráfico, como no caso da Praça da Feira, no Parque Amazônia, e o Beco da Codorna, no Centro”, explica. Ginásios, praças, parques, com fomento ao comércio de rua, que pode ser fiscalizado. “Queremos mostrar qual é a nossa ideia de cidade.”

Região Leste

Igor Franco | Facebook

Igor Franco | Facebook

Do Jardim Mariliza, na Região Leste de Goiânia, vem o candidato Igor Franco (PTB), que tem 30 anos. Advogado que conta com um grupo de amigos e pessoas ligadas a conselhos tutelares, tem como padrinhos políticos o deputado estadual Henrique Arantes e o deputado federal Jovair Arantes, de seu partido.

Com reuniões em casa, na qual apresenta sua história e conversa com a população sobre as necessidade da cidade, Igor afirma que percebe que a “sociedade está cansada de votar em políticos que estão na Câmara há tanto tempo e não fizeram muita coisa”.

O candidato do PTB defende o incentivo ao primeiro emprego por meio de parcerias entre a prefeitura e a iniciativa privada para dar condições financeiras e de ter uma ocupação aos jovens da cidade, além da ampliação de vagas em creches e escolas.

Sobre a campanha, Igor Franco afirma que usará todos os meios permitidos. Seu escritório será instalado no Jardim Mariliza, mas ele afirma que sua atuação será, se eleito, para toda a cidade.

Pense Novo

Lucas Kitão | Facebook

Lucas Kitão | Facebook

Lucas Kitão (PSL), de 25 anos, tenta seguir os passos do deputado estadual Lucas Calil (PSL). Os dois são da corrente do PSL que criou o Movimento Pense Novo, que elegeu Calil à Assembleia Legislativa em 2014. Kitão também é advogado e tem atuado nas redes sociais para divulgar suas propostas. Sua visão partidária é “liberal adequada à realidade”.

Para Kitão, que pretende fazer uma campanha propositiva, sem ataques a outros candidatos, é preciso reconstruir a imagem do político e lutar pela indignação da população. Família e amigos têm ajudado o candidato no trabalho. “Quero propor uma mudança do cenário para que a política tome um rumo novo.”

Transparência nos gastos públicos e cobrar do prefeito uma administração responsável são bandeiras defendidas por Kitão. O candidato do PSL quer que a prefeitura assuma a responsabilidade de atuar na segurança pública sem jogar a conta toda nas costas do Estado. “O cidadão tem que ver o retorno dos impostos que paga”, declara.

Kitão disse estar interessado em ouvir as demandas da população, mas afirmou que quer trabalhar para que a demanda de vagas em CMEIs seja suprida. O candidato tem interesse em ver a economia criativa ser estimulada, com o uso de novas tecnologias por meio das start ups serem incentivadas pela prefeitura. Isso, na visão dele, colocaria o jovem como atuante no setor produtivo.

O nome do PSD defende as parcerias com o setor privado e o planejamento a longo prazo do trânsito. Ele diz que no santinho colocará seu número de telefone pessoal para receber sugestões e dialogar com a população. “Não quero fazer um mandato de grupo, quero pensar no coletivo”, pontua.

Seguindo os passos

Gustavo

Gustavo Cruvinel durante reunião com moradores de Goiânia

Gustavo Cruvinel (PV), 36 anos, tenta seguir os passos do pai, Honor Cruvinel, que é ex-vereador, ex-deputado estadual e atual presidente do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM). Formado em Engenharia Elétrica, atua como empresário no setor automotivo e agora decidiu disputar mandato de vereador em Goiânia.

“Como cidadão comum, empresário e pai de família tinha a opção de ficar em casa cuidando das minhas coisas e torcendo para tudo melhorar. Mas não. Este mesmo cidadão comum resolveu ir à rua, em busca da confiança das pessoas. Também para discutir ideias para melhorar a cidade. Vamos lembrar momentos e personagens importantes da nossa Goiânia. Podemos construir um mundo melhor, a partir de nossa cidade. É nisso que acredito”, diz.

Ele diz que se apresenta para dar sequência ao trabalho da família na área de saúde — Valquíria, sua mãe, é pediatra; Honor, seu pai, é urologista. Ele diz ser um dos muitos jovens que foi às ruas da cidade, a partir de 2013, para manifestar o desejo de ver uma sociedade mais justa e sem os vícios da corrupção. Em seu plano de trabalho, estão a defesa prioritária de três áreas: saúde, trânsito e transporte, e meio ambiente.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Fabiano Oliveira

kkkkkkkk….Jornal Opção esta bem enganado… já não basta ser parente ou protegido de alguém pra ser eleito…ainda mais quando o sobrenome remete a escândalos!!! Tem uns aí que não ganham nem pra síndico de prédio !!!

Fabrício Rosa

Amigos e amigas do Jornal Opção (que respeito e leio com frequência). Sejamos democráticos! É preciso dar voz para jovens dos mais diferentes matizes políticos quando optamos por fazer uma matéria como essa… Existem outras juventudes livres, pensantes e libertadoras. Por que não colocar representantes delas na matéria? Vocês escolheram colocar na matéria “os filhos da política hereditária”, “os filhos do grande empresariado” ou os candidatos ligados ao próprio jornal Opção e à grande mídia… Cadê o jovem da periferia? Cadê o/a candidato/a negro/a ou LGBT? Cadê o/a candidata fora do eixo “do mais do mesmo”? Sugestão: promovam um debate… Leia mais