Com a aprovação do projeto de lei que cria a Região Metropolitana do Entorno do Distrito Federal (RME), lideranças locais acreditam que a proposta vai trazer benefícios, principalmente no transporte coletivo intermunicipal. A matéria ainda prevê a instituição do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Entorno do Distrito Federal (Coderme).

O projeto contou com 23 votos favoráveis de deputados estaduais e segue para sanção do governador Ronaldo Caiado (União Brasil). Redigida pela Secretaria-Geral de Governo, o texto prevê a cooperação interfederativa entre os governos de Goiás, do Distrito Federal e União. O objetivo é buscar soluções definitivas para problemas históricos que afetam a região, como transporte coletivo, saúde, saneamento e destinação de resíduos sólidos.

Ao Jornal Opção, o presidente da Associação dos Municípios Adjacentes a Brasília (Amab) e prefeito de Valparaíso de Goiás, Pábio Mossoró (MDB), comemorou a aprovação da criação da RME e destaca os investimentos para a região. “Esperamos que esse projeto venha para resolver diversos problemas da região, principalmente o transporte. Mas também queremos mais investimentos em saúde, educação, infraestrutura”, explica.

Apesar de o projeto permitir a promoção de avanços em uma das áreas prioritárias para a população do Entorno, o transporte coletivo intermunicipal, o titular da Secretaria-Geral da Governadoria (SGG), Adriano da Rocha Lima, não garante que a tarifa vai baixar. “Não podemos falar antecipadamente se a tarifa vai baixar ou não, porque essa discussão não foi iniciada e envolve uma decisão colegiada, mas certamente, vamos implementar isso. O quanto vai ser, dependerá da discussão que acontecerá”, ressalta.

Os municípios que fazem parte da RME são: Águas Lindas de Goiás, Alexânia, Cidade Ocidental, Cocalzinho de Goiás, Cristalina, Formosa e Luziânia. Além de Novo Gama, Padre Bernardo, Planaltina de Goiás, Santo Antônio do Descoberto e Valparaíso de Goiás.