Um homem de 36 anos foi preso nesta segunda-feira, 22, após atear fogo na própria companheira, de 17 anos, em Santo Antônio do Descoberto, no Entorno do Distrito Federal. A menor recebeu os primeiros socorros na unidade de saúde da cidade, mas precisou ser encaminhada ao Hospital Regional da Asa Norte (Hran) devido à gravidade dos ferimentos. Ela teve 40% do corpo queimado.

LEIA TAMBÉM

Vídeo: mulher é presa suspeita de atear fogo em camionete de ex por ser ignorada por ele

Juiz nega liberdade a aluna que ateou fogo em colega dentro da escola

Segundo a delegada Silzane Bicalho, em um primeiro momento, a vítima teria dito à equipe médica que havia se queimado durante um acidente doméstico. Na primeiro depoimento, a adolescente afirmou que estava sem gás em casa, momento em que resolveu cozinhar usando álcool. O tubo teria explodido, provocando as queimaduras.

Vítima teve queimaduras por todo o corpo | Foto: divulgação/PC

Porém, após o companheiro identificado como Devid Freitas Duarth deixar a unidade de saúde, a adolescente mudou a versão dos fatos e disse que teria sido vítima de uma tentativa de feminicídio. Por ciúmes, o homem teria a agredido e, em seguida, ateado fogo no corpo dela.

“A vítima informou que ele pegou uma chave de fenda e começou a cutucá-la e, em seguida, começou a jogar álcool e depois ateou fogo. Foi neste momento que a Polícia Militar foi novamente acionada e localizou o autor. Ele foi conduzido pela PM, já a vítima foi direto para o hospital. Ele negou que ateou fogo, dando a mesma versão que a vítima na primeira vez que foi ouvida”, explicou Silzane. 

Depois de deixar o hospital, Devid chegou a fugir, mas foi encontrado pela PM enquanto se escondia em uma casa próxima ao local do crime. Ele foi preso e conduzido à Central de Flagrantes da Polícia Civil (PCGO), em Águas Lindas de Goiás.

O Jornal Opção tentou contato com a defesa de Devid, mas não conseguiu localizá-la até a publicação desta reportagem.

Devid Freitas Duarth, de 36 anos | Foto: divulgação/PC

Leia mais: Massacre: por hora, quatro mulheres são vítimas de violência em Goiás