Policiais penais lotados na Penitenciária Coronel Odenir Guimarães (POG), em Aparecida de Goiânia, deram voz de prisão para um detento suspeito de oferecer R$ 50 mil para um dos servidores. O acusado tentava receber um papel da droga sintética conhecida como K4 (supermaconha), por meio de facilitação no procedimento de revista. A ação aconteceu na tarde desta terça-feira, 7.

O flagrante aconteceu enquanto um dos policiais organizava a retirada de presos, que estavam no banho de sol, para o atendimento jurídico na POG. Neste momento, o detento envolvido questionou o policial se o aparelho de Bodyscan estava funcionando normalmente. O preso não foi respondido e insistiu com a oferta do dinheiro (R$ 50 mil) em troca de acesso à droga.

Outros dois policiais que estavam próximos presenciaram o fato e, de imediato, deram voz de prisão ao custodiado. Em seguida, o preso foi encaminhado à Delegacia de Polícia Civil de Aparecida de Goiânia. O suspeito cumpria pena pelos crimes de homicídio e tentativa de homicídio – condenado a 23 anos de prisão. Agora, ele passa também a responder pelo crime de corrupção ativa.

“Assim como todas as unidades prisionais geridas pela DGAP, temos uma inspeção minuciosa durante os procedimentos de revista na POG. Inclusive, recentemente, adquirimos três novas esteiras de scanner para a inspeção de cargas e produtos que são deixados por familiares de custodiados nas unidades prisionais (Cobal) e fornecedores do sistema prisional”, revela o diretor da POG, Erivaldo Alves.