Jair Bolsonaro (PL) repudiou a ação armada do aliado e ex-deputado em prisão domiciliar Roberto Jefferson (PTB). No texto publicado em seu perfil no Twitter, o presidente e candidato a reeleição afirmou que encaminhou o ministro da Justiça, Anderson Torres, ao Rio de Janeiro para acompanhar o andamento do episódio.

Roberto Jefferson atirou em agentes da Polícia Federal (PF) que cumpririam um mandado de prisão. Jefferson seria reconduzido ao regime fechado por possuir um arsenal em casa um dia após xingar a ministra Cármen Lúcia, ministra do STF (Supremo Tribunal Federal), e a comparou a “prostitutas”, “arrombadas” e “vagabundas” em um vídeo publicado por sua filha Cristiane Brasil (PTB) nas redes sociais.

Na publicação, Bolsonaro também diz repudiar as falas contra a ministra, sem deixar de criticar a corte na condução de investigações. “Repudio as falas do Sr. Roberto Jefferson contra a Ministra Carmen Lúcia e sua ação armada contra agentes da PF, bem como a existência de inquéritos sem nenhum respaldo na Constituição e sem a atuação do MP [Ministério Público]”, publicou Bolsonaro em sua conta no Twitter.