Santo, da Guará Entretenimento, é um misto de clichês, mas ainda assim interessante

Personagem que trava batalha com o sobrenatural pode levantar comparações com John Constantine, mas é bem diferente

Em 2013, ao aproveitar as manifestações que tomaram as ruas do País, o quadrinista Luciano Cunha lançou o anti-herói Doutrinador. O personagem é, na prática, um vigilante caçador de políticos e empresários. O sucesso foi tão grande, que a criação foi parar no cinema e também na TV, pois virou série.

Além disso, Luciano aproveitou a boa fase para criar o selo Guará Entretenimento, que, além do Doutrinador, traz outras histórias no mesmo universo. Dentre elas, o “Santo”. Adquiri recentemente a edição #1.

A ideia é uma publicação periódica nos moldes Marvel/DC, mas com equipe, histórias e personagens brasileiros. O Santo acompanha a história do médium Salvador Sales, que, apesar de não ter nada a ver com o Hellblazer (o mago inglês John Constantine), logo de cara levanta comentários comparativos.

Sinopse

“Salvador Sales é um professor solitário que rejeita sua mediunidade, latente desde os quatro anos de idade. Mas ele presencia um brutal ataque a um centro de umbanda, perpetrado por uma sociedade secreta que revive o Círculo Vril, uma tenebrosa mistura de magia negra e arianismo. Ele então decide usar seus poderes paranormais para combater os lunáticos e descobre um influente político por trás do grupo. Enquanto forças espirituais poderosas se envolvem numa verdadeira guerra entre luz e sombras, Salvador encontra seu ideal de luta contra falsos profetas.”

Política, religião e nazismo. Um monte de clichês batidos no liquidificador. Apesar disso, é divertido e vale a sequência de leitura para ver onde isso vai dar.

A história não é sutil. Espíritos guias já deixam claro logo de cara que tudo está acontecendo, a batalha do bem e do mal é direta.

Ambientação

O protagonista é um homem negro que tem como uniforme terno branco e chapéu, que provavelmente tenta remeter aos pais de santo. Mas ele aparece em boa parte da história com trajes civis.

Ambientada no Rio, a história tem cenários de acordo e, sendo assim, bem diferente dos estilos de comics dos Estados Unidos. Ponto para arte de Mikhael RS e as cores de Alzir Alves. Já o roteiro é de Luciano Cunha e Gabriel Wainer.

Obras

A primeira edição do Santo, que foi publicada em maio deste ano, mas só chegou por aqui em julho, tem formato 17 x 26 cm e 48 páginas. A número #2 ainda não apareceu, mas quando vier, provavelmente comprarei movido pela curiosidade.

Além do Santo e do Doutrinador, a Guará Entretenimento também possui outras HQs impressas. São elas: “Os Desviantes” e “Pérola”.

“Os Desviantes” traz uma história mais voltada para o universo dos super-heróis. “Num país ainda mais dividido entre ricos e pobres, as castas privilegiadas — a chamada Fortaleza — tenta dominar as zonas periféricas autoproclamadas Resistência, onde vivem os desamparados, as cobaias para experimentos transumanos. É na luta entre essas duas forças que nossos heróis Fióti, Tom e Anita entram em cena. Uma guerra civil ideológica-tecnológica, onde voltar para casa será uma aventura épica”.

Já em “Pérola”, o leitor acompanha “uma dançarina que está juntando dinheiro para tirar ela e Belinha, sua irmã mais nova, dessa vida. Seu cafetão a manda para uma festa na casa de poderosos e Pérola experimenta uma droga que lhe dá habilidades sobre-humanas. Quando volta da festa, sua irmã Belinha é sequestrada por uma quadrilha de prostituição e sua saga para combater o crime só está começando”.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.