Soninha Santos

Especial para o Jornal Opção

“Fruta no Ponto”, de Roseana Murray, ilustrado por Elvira Vigna, Editora FTD e agora Editora Abacatte, surpreende já pelo título. O que é e como é uma fruta no ponto? Uma fruta gostosa, nem verde nem madura demais, mas saborosa.

Falar de poesia em meio ao turbilhão de sentimentos, medos, barulhos e caos nesse nosso tempo provoca um certo desconforto e mal-estar. E quando o ouvinte/leitor é uma pessoa em fase de transição, que está deixando a infância e entrando na adolescência, mais complicado e desafiador se torna o trabalho.

Sabemos que o texto poético vai além da abordagem de um conteúdo escolar: provoca sentimentos, proporciona uma nova perspectiva de vida, novos jeitos de como olhar para ela. Quando, e isso de maneira aleatória, a escola inclui poesia no seu programa, ela costuma aparecer mais como enfeite, como tema de uma data comemorativa ou como suporte para algum conteúdo de outro gênero textual.

 “Fruta no Ponto” é um livro que resgata nosso papel diante do outro e do mundo, suas imagens remetem a um encontro com o leitor, com o desabrochar da adolescência. Em seus poemas, Roseana resgata o que de melhor possui o ser humano. Traduz em poesia os anseios e as preocupações adolescentes. As mudanças, físicas e psicológicas, dessa etapa na vida da criança são inconfundíveis e, muitas vezes a criança não consegue superar por si própria suas inseguranças, seu sofrimento.

É onde entram os poemas do livro, que, operam na forma mencionada por  Bachelard (1988): “É preciso embelezar para restituir”. E esse embelezamento, necessário porque também terapêutico, pode vir da arte, da poesia em especial, por que não?

Os poemas, trazendo delicadas sutilezas do cotidiano, fluem como esperança, como um deleite, reafirmando que atravessar a adolescência não é fácil, mas todo “tormento” passa; o vislumbre de uma passagem tranquila surge claro nos versos do livro.

Um dos poemas, “Quinze anos”, mostra perfeitamente o desejo de voar, de desprender-se do solo e atingir a plenitude do ser.

O desejo de voar é de todos, mas para os adolescentes, essa vontade vai além – é necessidade latente.

Roseana Murray: dada sua excelência literária, é escritora para todas as idades | Foto: Reprodução

O livro vai se ajeitando no imaginário do leitor como um caminho natural a se percorrer; ele não deve ser apenas lido, mas compartilhado e sentido para que o futuro das nossas crianças seja mais tranquilo, leve e bonito.

Uma leitura de tirar o fôlego e sossegar o coração. Vale a pena conferir.

Soninha Santos é crítica literária e professora de literatura infanto-juvenil.