Mirandês é a segunda língua de Portugal

Cerca de 10 mil pessoas da terra de Camões, Eça de Queiroz e Fernando Pessoa falam a língua

José Amadeu Ferreira: poeta português que cultivou o Mirandês | Foto: Reprodução

Portugal sempre nos surpreende com um fato histórico ou cultural. Fico sabendo que existe uma segunda língua oficial em terras lusas: o Mirandês.

Não é propriamente uma língua; seria mais um dialeto, falado por um número restrito de pessoas na localidade de Miranda do Douro, distrito de Bragança, na fronteira com a Espanha, não muito longe de Valladolid. Tem correspondente espanhol: o dialeto astúro-leonês, falado do outro lado da fronteira.

Embora falado por apenas cerca de 10.000 pessoas em Portugal, o Mirandês tem todo o tratamento de língua oficial, e no concelho de Miranda do Douro existe o ensino da língua nas escolas, fazem-se saraus literários, publicam-se livros e as placas da cidade ostentam as duas línguas, o Português e o Mirandês.

Na Europa Latina, ao contrário do que acontece nas Américas, existe uma diversidade linguística de base romana. São pegadas da passagem do Império Romano pelo continente europeu afora. Na Itália contam-se cerca de trinta dialetos, como o Veneziano, o Sardo, o Piemontês e outros; na Espanha são conhecidos vários, como o Basco e o Catalão; na França, o Occitano, o Provençal e muitos mais. O mesmo acontece na Romênia. Em Portugal surge o Mirandês, com seus cultores, como Francisco Niebro, pseudônimo do poeta Amadeu José Ferreira (1950-2015), também professor, que, entre outras façanhas, traduziu para o Mirandês “Os Lusíadas”, partes da Bíblia, poetas gregos e até a revista em quadrinhos francesa Asterix. Ou como outra poeta, Adelaide Monteiro Alves, nascida em 1949, e em plena atividade.

Portugal sempre foi terra de poetas. Eles também existem em Mirandês. E são bons.

Seguem algumas amostras, no original e em tradução livre, como esta, de Adelaide Monteiro:

Um Mirar                                                                                  Um Olhar

Era fin de tarde ne l miu mirar                                             Era fim de tarde em meu olhar

Mirar de ouserbaçon i spera.                                               Olhar de contemplação e espera

Fin de tarde de dias largos,                                                   Fim de tarde de dias longos

De sol abatido,                                                                        De sol lânguido

De çponer debagaroso i atiradiço.                                      De pôr de sol lento e sedutor

Bundare um liebe piçtanhar                                                 Bastaria um leve pestanejar

Para que las fuolhas se alborotassem nel miu mirar.      Para que as folhas se agitassem em meu olhar

Spreito la medorra i entro nielha.                                       Espreito a quietude e entro nela

L antardecer abraça ls mius pensares,                               O entardecer abraça meus pensamentos

La nuite a deixarse cair a pouco                                          A noite deixa-se cair lentamente

Beisa las mias chocheiras.                                                    Beija minhas loucuras

Era fin de tarde ne l miu mirar                                            Era fim de tarde no meu olhar

E fui nel que me ambaí                                                         E foi assim que em ti me detive

Abaixei del debagarico cumu quien quiere ber               Desci lentamente como quem quer ver

De mais acerca, suberti, i,                                                    De mais perto, planei e

Assi que bi cun clareza ls lhemitis,                                     Assim que vi com nitidez os contornos

De l tuo corpo, cumo an bollo relistro,                              De seu corpo, como em voo picado

I águila certeira a la caça,                                                     A águia, com golpe certeiro à caça

Botei-me subre ls tuos cheiros,                                           Lancei-me sobre teus perfumes,

I, cun un stremeçon,                                                             E, com um estremecimento,

Ls pensares adonde m´habie ambarado spertaron,       Os pensamentos em que me tinha detido

acordaram,

I alhá staba you ancandillada a mirar-te,                         E ali estava eu a olhar-te com enlevo,

a sorber sfregante a sfregante.                                          A sorver cada momento

Fui assi que bi em l miu mirar                                             Até sentir que no meu olhar

Ya num moraba el fin de tarde.                                          Já não morava o fim da tarde

Cumo huorta regada, era manhana.                                  Como horta regada, era manhã

Ou estes versos, também de Adelaide Monteiro, numa homenagem a Amadeu Ferreira.

Tirei-os de um opúsculo, cujo titalo (título) é “Cadernico de Poemas na Mirandês” (Caderninho de Poemas em Mirandês), no qual aparecem poemas traduzidos do Português para Mirandês, e cujo outor (autor) é o grande poeta luso Antonio Salvado:

Hei-de poner le tou nome a um jardin,               Hei de dar teu nome a um jardim,

Manuel Ferreira                                                       Manuel Ferreira

Bi la tue risa                                                              Vi o teu riso

Quien sticará l die madrugada afuora,                Quem prolongará o dia madrugada afora,

Quando l silêncio mora na cidade?                      Quando o silêncio mora na cidade?

Quien será farol na aldê                                         Quem será farol na aldeia

Apuis que las bumbielhas de la ruga                    Depois que as lâmpadas da rua

S´apáguen?                                                                Se apaguem?

Quien será cumpanha                                             Quem será companhia

Apuis que ls delores apérten?                                Depois que as dores chegarem?

…                                                                                  …

Hoije a la pormanhica                                           Hoje de manhãzinha

Quando bi ua flor acabada d´abrir                        Quando vi uma flor recém-aberta

I a mirar para mi cun ua risa aberta,                     E a me olhar com um riso aberto,

Bi nessa flor la tue risa.                                          Vi nessa flor o teu riso.

E para terminar, uns versinhos de Antonio Salvado:

Enquanto houver lua

Dormirei sossegado

Nas meninas de teus olhos

Que em mirandês seriam:

Anquanto houbir lhuna

Drumirei assossegado

Nas meninas de ls tous uolhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.