HQ faz história ao ser a primeira indicada para o Man Booker Prize

Sabrina, do norte-americano Nick Drnaso, é uma das 13 indicadas. Obra fala do desaparecimento de uma garota através de 24 horas de notícias

Drama em torno do desaparecimento de uma garota é o tema de “Sabrina” | Foto: Reprodução

Diferentemente do que ocorria em seus primórdios, quando eram encaradas como uma “arte menor” ou “subliteratura”, sendo demonizadas por pais e até mesmo educadores, as histórias em quadrinhos foram superando preconceitos e conseguiram extrapolar definitivamente esse estigma. A mais nova prova desse novo status das HQs se deu nesta terça-feira (24).

O Man Booker Prize, um dos mais prestigiados prêmios literários do mundo, anunciou sua lista de candidatos e, em uma decisão inédita, indicou uma história em quadrinhos para ser uma das finalistas.

Foto: Reprodução

Sabrina, do norte-americano Nick Drnaso, fala da repercussão do desaparecimento de uma garota através de 24 horas de notícias.

“As histórias em quadrinhos se tornaram proemimentes no que diz respeito à narrativa e nós sentimos que Sabrina faz exatamente o que uma boa ficção deveria fazer”, disse o escritor e membro do júrio Val McDermid ao The Guardian, citado pela Folha.

No entanto, alcançar a missão de faturar o prêmio não será um desafio nada fácil para Drnaso. Entre seus doze concorrentes (a lista traz um total de 13 indicações), estão nomes como o de Michael Ondaatje, autor de “O Paciente Inglês” (1992) que há apenas algumas semanas ganhou o Golden Booker e que agora concorre com “Warlight”.

O Man Booker Prize acontece desde 1969 e reconhece trabalhos de ficção escritos em língua inglesa. O vencedor leva um prêmio em dinheiro de 50 mil libras (R$ 246 mil). Entre os concorrentes estão autores dos Estados Unidos, Reino Unido, Canadá e Irlanda. Dos 13, sete são mulheres.

A premiação faz um percurso iniciado por outros prêmios literários, que passaram a considerar quadrinhos entre finalistas. Aqui no Brasil, o Jabuti, o mais tradicional do país, inclui desde o ano passado a categoria HQ. O Pulitzer também possui quadrinhos entre seus vencedores.

Ainda que HQs não sejam literatura, o reconhecimento se dá enquanto produto editorial de ficção, como são os romances e contos.

INDICADOS – Man Booker Prize 2018 :

“Snap”, de Belinda Bauer (Reino Unido)
“Sabrina”, de Nick Drnaso (EUA)
“Washington Black”, de Esi Edugyan (Canadá)
“In Our Mad And Furious City”, de Guy Gunaratne (Reino Unido)
“Everything Under”, de Daisy Johnson (Reino Unido)
“The Mars Room”, de Rachel Kushner (EUA)
“The Water Cure”, de Sophie Mackintosh (Reino Unido)
“The Overstory”, de Richard Powers (EUA)
“The Long Take”, de Robin Robertson (Reino Unido)
“Noemal People”, de Sally Rooney (Irlanda)
“From a Low and Quiet Sea”, de Donal Ryan (Irlanda)

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.