Breaking Bad e A Poética de Aristóteles

A sofisticação dos programas de TV é um fenômeno relativamente novo; série tomando qualidade de cinema. Breaking Bad é a primeira grande peça desse novo caminho da indústria do entretenimento

Já estudei muito tragédia grega. Dois livros são essenciais neste tema: “A Origem da Tragédia”, do Nietzsche, onde há uma análise sob o ponto de vista filosófico e religioso; e “Poética”, do Aristóteles, onde se analisa os caracteres técnicos da construção do drama, principalmente na obra de Sófocles.

Os poetas trágicos não criavam argumento, que é o mote sobre o qual se desenvolve a ação. Faziam seus textos sempre a partir dos mesmos mitos tradicionais, e as competições eram sobre quem desenvolvia com mais habilidade as variações de ação sobre os argumentos já conhecidos do público.

Criar argumento é perigoso, pois há grande chance de ser artificial e, portanto, irrelevante. As boas narrativas em geral trabalham motes clássicos, como o amor, o ciúme, dilemas morais, as guerras, a vingança. Pra pegar um exemplo pop, Tarantino fez dois grandes filmes a partir de argumentos muito básicos: Kill Bill (vingança) e Bastardos Inglórios (II Guerra).

Breaking Bad conseguiu a façanha de um argumento modernoso e inovador na aparência, além de curioso (um professor de química que, ao se descobrir com câncer de pulmão, começa a fabricar metanfetamina), e, no fundo, clássico: um homem encarando a própria mortalidade.

Aqui entra também um dilema “dostoievskiano” sobre se, perante a mortalidade e a perspectiva de desaparecimento, vale a pena jogar pelas regras. Essa pergunta atormenta Walter White e os consequentes dramas de consciência, justificações e tentativas de redenção são muito bem trabalhados.

Quanto à estrutura narrativa, Aristóteles dizia que dois recursos são essenciais pra provocar a “catarse” no público: o reconhecimento e um desenlace inesperado. O “reconhecimento” se dá quando um personagem conhecido da trama revela sua verdadeira identidade, para a surpresa de todos. A identidade verdadeira deve ser relevante.

Um exemplo famoso na cultura pop é o “Luke, i`m your father”, do Star Wars. Em Breaking Bad há dois reconhecimentos. O primeiro no episódio “Mandala”, quando Walt senta na mesinha dos Pollos Hermanos com Gus Fring, que, até então fingindo não conhecê-lo e ser um mero dono de fast food, de repente muda a expressão e solta o “I don’t think we`re alike at all, Mr. White. Your partner was late. And he was high”.

O segundo é quando Hank acha o “Leaves of Grass” no banheiro de Walt e percebe que ele é, na verdade, Heinsenberg. Neste ponto há também o que Aristóteles chama de “desenlace”, o fato que desata o nó da trama, no caso, como Heinsenberg seria descoberto e pego pela DEA.

E Gilligan acha uma solução perfeita, verossímil, a partir de um elemento casual presente na trama, sem recorrer ao que chamamos de “Deus ex machina”, uma solução mirabolante vinda de fora dos fatos já fornecidos. Solução “ex machina” seria, por exemplo, se Hank sonhasse que Walt era Heisenberg e isso desencadeasse sua investigação e perseguição.

Enfim, isso é o básico, eu poderia escrever um livro sobre cada ponto do Breaking Bad. Não existe nenhuma série à altura ainda, apesar de eu nunca ter visto Família Soprano, que dizem ser do mesmo patamar. A sofisticação dos programas de TV é um fenômeno relativamente novo; série tomando qualidade de cinema. E, pra mim, Breaking Bad é a primeira grande peça desse novo caminho da indústria do entretenimento.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.