Derek Chauvin, o ex-policial americano condenado pelo assassinato de George Floyd em maio de 2020, ficou gravemente ferido na sexta-feira, 24, depois que outro preso o esfaqueou dentro de uma prisão federal. O assassinato de George Floyd provocou uma onda de protestos contra o racismo e a brutalidade policial nos Estados Unidos.

O ataque contra Derek Chauvin ocorreu por volta das 12h30 na Instituição Correcional Federal, Arizona, de acordo com a Associated Press, que foi a primeira a relatar o incidente. O procurador-geral de Minnesota, Keith Ellison, confirmou que Chauvin, de 47 anos, foi esfaqueado, mas permanece em condição estável.

“Estou triste em saber que Derek Chauvin foi alvo de violência”, disse Ellison ao jornal The Star Tribune. “Ele foi devidamente condenado por seus crimes e, como qualquer indivíduo encarcerado, deveria poder cumprir sua pena sem medo de retaliação ou violência”.

O Bureau of Prisons (agência americana responsável pela segurança dos presídios) publicou que “medidas de salvamento” foram tomadas e que o preso foi levado a um hospital para avaliação e tratamento adicionais. Ainda não está claro o que motivou a agressão, segundo autoridades dos Estados Unidos, e o advogado de Chauvin se recusou a falar com a imprensa.

Em 2021, Chauvin foi condenado a 22 anos e meio de prisão estadual pelo assassinato de Floyd. Ele também recebeu uma sentença federal de 21 anos por violar os direitos civis de Floyd. Chauvin foi condenado a cumprir essas sentenças simultaneamente.

O ex-policial recorreu das condenações por homicídio na esperança de anular o veredicto do júri ou reduzir sua sentença. No início desta semana, esse recurso foi rejeitado pela Suprema Corte dos EUA. Chauvin também tem tentado anular sua condenação federal pelos direitos civis. No início deste mês, ele apresentou uma moção argumentando que havia novas evidências que sugeriam que ele não causou a morte de Floyd.

Floyd, que era negro, foi morto em 25 de maio de 2020, durante uma tentativa de prisão. Chauvin, que é branco, prendeu Floyd no chão e manteve o joelho no pescoço de Floyd por vários minutos. A morte de Floyd capturada em vídeo gerou protestos em todo o país. Três outros policiais de Minneapolis que ajudaram a conter Floyd foram condenados por privar Floyd de seu direito a cuidados médicos. J. Alexander Kueng foi condenado a três anos, Tou Thao a 3 anos e meio e Thomas Lane a 2 anos e meio.

George Floyd teve o pescoço pressionado pelo joelho de um polícia até a morte | Foto: reprodução
Derek Chauvin no momento da morte de George Floyd | Foto: reprodução