*Com informações de Nielton Soares

Mais de 1.500 trabalhadores das agências federais responsáveis pelo combate ao desmatamento no Brasil estão protestando por melhorias salariais e condições de trabalho. Os servidores do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) enviaram uma carta ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva na última quarta-feira, 6, conforme revelado pela agência Reuters.

Esses profissionais foram designados para implementar a abordagem mais rigorosa de Lula em relação ao desmatamento, um elemento crucial de sua campanha para posicionar o Brasil como líder nas questões climáticas. Suas responsabilidades incluem a aplicação de multas por infrações ambientais, entre outras medidas.

As taxas de desflorestação na floresta amazónica brasileira caíram 50% nos primeiros 10 meses da presidência de Lula, mas os trabalhadores dizem que continuam mal pagos e sobrecarregados de trabalho enquanto Lula apregoa o seu sucesso na cimeira climática COP28 da ONU, no Dubai.

“Apesar do evidente protagonismo dos trabalhadores do IBAMA e do ICMBio no cumprimento de suas missões, que envolvem desde o combate a grupos criminosos sofisticados até o licenciamento de empreendimentos estratégicos, a remuneração atual não condiz com as responsabilidades desenvolvidas pela Autarquia. A defasagem salarial resulta em preocupante rotatividade de servidores, que, desmotivados, veem o IBAMA como um “trampolim” para outras carreiras mais atraentes economicamente, agravando o quadro de esvaziamento de pessoal, especialmente diante da crescente aposentadoria”, diz trecho do documento.

Trecho do documento encaminhado ao presidente do Ibama. | Foto: Arquivo

No documento, os servidores pedem que a mensagem seja compreendida e amplamente difundida entre os dirigentes do IBAMA, ICMBio, Ministérios e ao Presidente da República.”É hora de ajustar o voluntarismo, engajamento e capacidade de combate para que a valorização da Carreira seja percebida como estratégica para o Brasil, não apenas uma demanda corporativista. Sem pressão, não haverá negociação ou resolução da crise latente”, continua o documento.

O Ministério do Meio Ambiente do Brasil disse que pretende contratar mais de 3.000 trabalhadores no Ibama e no ICMBio no próximo ano.

A assessoria de Lula encaminhou perguntas ao Ministério da Gestão, que não respondeu de imediato. O ICMBio não respondeu ao pedido de comentário.