O ex-presidente da República Jair Bolsonaro (PL), o governador afastado do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB) e o ex-secretário de Segurança Pública do DF, Anderson Torres, podem ter os bens bloqueados para arcar com os prejuízos causados pelo vandalismo aos prédios públicos, no domingo, 8.

O Ministério Público junto ao Tribunal de Contas de União (MPTCU) entrou com ação para que a corte responsabilize os políticos pela quebradeira nos prédios do Congresso Nacional, Palácio do Planalto e Supremo Tribunal Federal (STF), por extremistas.

O requerimento foi assinado pelo sub-procurador geral do MPTCU, Lucas Rocha Furtado. O ofício foi direcionado ao ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), Bruno Dantas. A justificativa é que os atos criminosos partiram de bolsonaristas, que foram incentivados e facilitado o acesso aos prédios públicos.

“Em razão de processo de Tomada de Contas e do vandalismo ocorrido no Distrito Federal no dia 8 de janeiro de 2023, que provocou inúmeros prejuízos ao erário federal, solicito seja decretada a indisponibilidade de bens”, escreveu na ação. Além dos três citados, o MPTCU requer punição “de outros responsáveis, sobretudo de financiadores de mencionados atos ilegais”.