O Rio Vermelho, que corta o município de Goiás, no Centro-Norte do Estado, quase transbordou e deixou a cidade em alerta máximo nesta terça-feira, 20. Com isso, a Prefeitura de Goiás promoveu a retirada dos pacientes internados no Hospital São Pedro, que fica localizado às margens do Rio. A unidade de saúde é a principal da cidade e é usada pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Segundo a prefeitura, o Hospital possui quase 200 anos, e é referência em atendimento médico. As outras unidades de saúde são distantes do centro do município. Devido a previsão de fortes chuvas para os próximos dias, o prefeito Aderson Gouvea (PT) acertou com o secretário estadual de saúde, Rasivel dos Reis, a retirada dos pacientes internados no Hospital São Pedro.

“Com a água do Rio Vermelho quase ultrapassando sua calha, ficamos muito preocupados. Conseguimos vaga para todos os pacientes para distribuí-los em outras unidades do Estado. Estamos organizando os locais alternativos para atendimento dos pacientes em casos de emergências e no caso do rio subir e interditar o funcionamento do hospital”, explicou Rasível.

O Hospital São Pedro é uma entidade beneficente conveniada com SUS e prefeitura. É o mais antigo do estado e seu prédio histórico está situado às margens do Rio Vermelho. Os pacientes estão sendo levados para várias unidades, dentro do que a regulação consegue fazer. Estão sendo feitas transferências para Itaberaí, Nerópolis, São Luis dos montes Belos e Goiânia.

O trabalho integrado foi realizado com o apoio do Complexo Regulador Estadual e Unidades Centrais SAMU. O prefeito destacou ainda a grande cheia do Rio Vermelho que o município enfrentou em 2001. “O Rio Vermelho encheu, evacuamos alguns prédios e tivemos que transferir os pacientes do Hospital São Pedro, que é o único hospital que temos na cidade”.

De acordo com o Centro de Informações Meteorológicas e Hidrológicas de Goiás (Cimehgo) só nesta terça-feira, 20, choveu 92mm na Cidade de Goiás, o equivalente a nove dias de precipitação regular.