O presidente Jair Bolsonaro (PL) deixou o Palácio do Alvorada na manhã desta segunda-feira, 31, ainda sem se manifestar oficialmente sobre a derrota para Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mais de 13 horas após o resultado das urnas. Existe a expectativa de que ele fale nesta segunda-feira, mas a agenda oficial segue em aberto.

Hoje os aliados mais próximos começaram a chegar à residência oficial. O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), filho do presidente, entrou no Alvorada às 7h35. Cerca de meia hora antes, o tenente-coronel e ajudante de ordens Mauro Cid havia acessado o local.

Candidato a vice-presidente, o general Braga Netto (PL) chegou às 9h04. Como os antecessores, ele não parou para conversar com a imprensa. O comboio de carros saiu logo após Braga Netto se juntar aos demais.

O resultado foi confirmado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) às 19h57, quando 98,81% das urnas já tinham sido apuradas. Até aquele momento, Lula, tinha 50,83% dos votos válidos e não poderia mais ser alcançado por Bolsonaro, que contabilizava 49,17% de votos válidos.

Tradicionalmente, candidatos derrotados ligam para o adversário e fazem uma declaração pública reconhecendo a vitória do oponente. Em 2018, o então candidato do PT Fernando Haddad reconheceu a vitória de Bolsonaro ainda no domingo à noite.

Durante discurso a apoiadores na Avenida Paulista, em São Paulo, Lula contou que até as 23h45 não havia recebido telefonema de Jair Bolsonaro.

Assim que o TSE declarou a vitória de Lula sobre Bolsonaro, diversos líderes mundiais reconheceram a vitória do petista, entre os quais: Joe Biden (Estados Unidos), Rishi Sunak (Reino Unido), Alberto Fernández (Argentina), Vladimir Putin (Rússia), Marcelo Rebelo de Sousa (Portugal), Olaf Scholz (Alemanha) e Volodymyr Zelensky (Ucrânia).