A Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) aprovou, nesta terça-feira, 7, em primeiro votação, a gratificação por resultados de desempenho para servidores da Educação. Pelo texto, o governo de Goiás poderá pagar até 95% do salário do beneficiário.

O projeto de lei n° 5998/23, de autoria da governadoria, é semelhante ao do ano passado, quando 29,8 mil professores e 17 mil servidores administrativos receberam a gratificação. “Este é o reconhecimento ao trabalho de vocês, que oferecem uma educação de qualidade aos mais de 500 mil alunos da rede estadual”, disse o governador Ronaldo Caiado (UB), na ocasião.

Ligada a sindicatos da Educação, a deputada estadual Bia de Lima (PT), embora tenha votado favorável. “Porque eu não sou contra, mas eu luto para que tenha um salário digno o ano inteiro”, defende. “A questão do bônus foge de outro aspecto muito importante de não pagar os aposentados. Nós precisamos também olhar para os aposentados”, completa.

Confira quais critérios para recebimento do bônus

Servidores com efetivo exercício de funções na Seduc:

  • Profissionais da Educação Básica (professores);
  • Profissionais efetivos da área administrativa; e
  • Servidores comissionados, empregados públicos e contratados temporariamente.

Não terão direito:

  • Servidores com desvio de função;
  • Servidores cedidos, colocados à disposição de outro órgão; e
  • Servidores afastados para mandato classista.

Leia também: Salário inicial de professores das universidades federais é menor que o piso nacional da educação básica
Leia também: Greve na educação: administrativos seguem acampados em frente ao Paço Municipal