Se subestimar Bolsonaro, esquerda e centro vão patrocinar sua reeleição

Se lançar três candidatos a presidente, as esquerdas podem contribuir para a reeleição do outsider. O centro quer mas talvez não consiga romper a polarização

Políticos experimentados sabem que não se deve subestimar nem superestimar adversários. Os subestimados podem organizar uma frente política, para compensar uma relativa debilidade, e se tornarem fortes, surpreendendo o poderoso do momento. Superestimar é um problema, pois corre-se o risco, de alguma maneira, de “parar” a história pela via do conformismo. Adequado, portanto, é que os adversários sejam vistos na sua real dimensão.

Dada sua incultura e os excessos verbais, que sugerem falta de planejamento — mais provável é que seja um tipo de planejamento, ainda que desmedido e tosco —, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (sem partido), é frequentemente subestimado pelos bem-pensantes.

Fernando Haddad e Jair Bolsonaro: ambos apostam na polarização | Foto: Reprodução

De fato, na questão da pandemia e da vacinação, no combate ao novo coronavírus, a ação — ou inação — de Bolsonaro impressiona. Tanto pela falta de humanidade quanto pelas informações incorretas que vulgariza. Parece acreditar que o que diz são fatos e que os fatos são falsos. Dada sua linguagem popular, com laivos do machão latino-americano, cria-se uma certa identificação dele com parte da população. É como se ele se apropriasse de certo ressentimento da sociedade contra determinados setores da sociedade — aqueles que, na sugestão do general Eduardo Villas Bôas, defendem o “politicamente correto”. Curiosamente, o ataque à TV Globo — ao Grupo Globo — em nada difere das críticas que, anteriormente, eram feitas à empresa da família Marinho.

Por trás do Bolsonaro boquirroto, que desagrada até aliados, há, digamos, outro Bolsonaro — aquele que, quando precisa, articula com base no mais absoluto realismo. Ao perceber que poderia ter um Congresso hostil, inclusive abrindo uma discussão sobre impeachment — que, mesmo que não ocorresse, contribuiria para paralisar e desgastar o governo —, o presidente saiu do casulo, de uma suposta independência em relação aos políticos, e aliou-se ao Centrão.

João Doria e Jair Bolsonaro: campos opostos em 2022| Foto: Reprodução

A questão nem era conquistar o Congresso, hoje na mão do Centrão, mas evitar que seus opositores usassem a Câmara dos Deputados e o Senado para enfraquecer o governo, deixando-o “sangrar” até outubro de 2022, quando se terá a eleição.

Bolsonaro poderia ter tentado subordinar a realidade aos seus rompantes, ao discurso adequado para as redes sociais, mas não para a realidade. Acabou optando pela realpolitik. Agindo assim, além de se fortalecer, enfraqueceu os adversários, inclusive por dividi-los.

Um pé de apoio do governador de São Paulo, João Agripino da Costa Doria Junior, e do apresentador da TV Globo Luciano Grostein Huck, de 49 anos, para a disputa de 2022 era o partido Democratas. Pois, com o apoio do Centrão — que serve a e se serve de todos os governos —, Bolsonaro conquistou o DEM para a vitoriosa campanha de Arthur Lira para presidente da Câmara dos Deputados e, possivelmente, para sua campanha de reeleição, daqui a um ano e oito meses.

João Doria e Luciano Huck: dois políticos de centro, que vão precisar de parte da esquerda para enfrentar Jair Bolsonaro | Foto: Reprodução

A crise do Democratas tem a ver com a disputa na Câmara, mas também com a disputa de 2022 para presidente e governador dos Estados. A Bahia, onde está baseado o presidente nacional do Democratas, ACM Neto, já foi o reinado de Antônio Carlos Magalhães, o ACM original, e agora é um principado do PT há mais de uma década. Não é fácil vencer o petismo, porque os gestores locais do partido são bem avaliados pela população. São vistos como modernizadores e, ao mesmo tempo, preocupados com a rede de proteção social.

Derrotar os reds da terra de Jorge Amado e Maria Bethânia não será fácil. Portanto, ACM Neto, que pretende ser candidato a governador, vai precisar das forças internas e externas — por exemplo, Bolsonaro. O maior adversário do petismo é o bolsonarismo. Já que não terá o apoio do petismo, que será seu principal adversário local, o ex-prefeito de Salvador espera contar com as forças do bolsonarismo. Seu avô costumava dizer que só é forte na corte quem é forte na província.

Direita bolsonarista e as esquerdas

Há quem aposte que o centro terá espaço na disputa de 2022. Pode até ser. Mas há quem acredite, e possivelmente os líderes do Democratas estejam pensando nisto, que a disputa será, mais uma vez, polarizada entre a direita de Bolsonaro e a esquerda de Fernando Haddad (leia-se Lula da Silva e PT).

Flávio Dino, governador do Maranhão, e Ciro Gomes: a esquerda não petista está se movimentando | Foto: Reprodução

Numa polarização radicalizada, a tendência é que os eleitores prestem atenção tão-somente a dois candidatos — os antípodas. Ou seja, Bolsonaro e Fernando Haddad.

Há forças de esquerda tentando quebrar a polarização. O PSB, que pode se fundir com o PC do B, pode lançar um candidato — talvez Luciano Huck. O apresentador da TV Globo poderia agregar parte da esquerda e parte do centro — produzindo um candidato de centro-esquerda. Sua missão seria “retirar” do jogo exatamente o candidato mais forte da esquerda e impor o seu. Avalia-se que Fernando Haddad vai se aproximar de Bolsonaro, dada a força eleitoral da esquerda, mas que tende a não suplantar o postulante da direita — dado o desgaste moral do PT (também tido como responsável por uma grave crise econômica, sob o governo de Dilma Rousseff). Há quem postule que o bolsonarismo está “clamando” por uma disputa contra o lulopetismo. Porque teria um discurso “armado” para atacar e contra-atacar.

Há o indefectível Ciro Gomes, do PDT, que representa o centro e parte da esquerda. É visto no geral como o Bolsonaro da esquerda. Noutras palavras, o espaço que que planeja ocupar, o do “brabão” que sabe resolver tudo, já está ocupado, e exatamente por Bolsonaro. Os dois são parecidos — inclusive na falta de “classe”. O vocabulário difere um tantinho, pois o de Ciro Gomes, que não “alisa” ninguém, é um pouco mais sofisticado — é, quem sabe, a porção Bélgica da Belíndia amoral de Bolsonaro.

Jair Bolsonaro e ACM Neto: o líder baiano pode até não querer mas vai precisar do presidente se disputar o governo da Bahia contra o petismo| Foto: Reprodução

Ciro Gomes tem um discurso afiado e convence parte do eleitorado de esquerda, sobretudo aquele que não quer o retorno do PT ao poder. Entretanto, se a esquerda apresentar três candidatos, Ciro Gomes, Fernando Haddad e Luciano Huck (que, mesmo não sendo de esquerda, pode disputar pelo PSB ou pelo Cidadania), contra Bolsonaro — que talvez seja mais forte do que sugerem as pesquisas da circunstância — e um candidato de centro, pode acabar fora do segundo turno. Talvez duas chapas da esquerda sejam até razoáveis, mas não há eleitorado para um trio.

João Doria e a luta pelo centro

João Doria, quando fala com o povo, parece que toma um banho de loja, com suas roupas bem cortadas e, às vezes, muito justas. Quando, indo para as ruas, deveria tomar um banho de povão.

Entretanto, o governador de São Paulo mostrou força na questão da vacinação e ficou com a imagem — não se sabe se cristalizada — de anti-Bolsonaro. Porque o líder do PSDB quer exatamente ocupar o lugar do PT na disputa de 2022 — polarizando contra Bolsonaro. Seria o centro, no lugar esquerda, contra a direita.

João Doria e Eduardo Leite: o governador de São Paulo começa a ser contestado no PSDB | Foto: Reprodução

São Paulo pôde enfrentar Brasília, ou seja, Bolsonaro, porque o Estado é o terceiro “país” mais rico da América Latina, ficando atrás apenas do Brasil (líder) e México (segundo colocado) e na frente da Argentina, da Venezuela, da Colômbia e do Chile. Se fosse um país, ficaria entre os 30 mais ricos do mundo. Daí a força de João Doria.

Na questão do combate à pandemia do novo coronavírus, João Doria ganhou um papel relevante, ao se postar ao lado da ciência, pondo-se contra o negacionismo primário e irresponsável de Bolsonaro.

O problema de João Doria é que precisa se tornar mais “político”, no sentido de se aproximar do eleitor comum, e, ao mesmo tempo, deve se desespa26 ulistanizar ao menos um pouco. Assim como José Serra e Geraldo Alckmin, que foram derrotados por Lula da Silva e Dilma Rousseff, o tucano é demasiadamente paulista. Bolsonaro, ao contrário, é de todos os lugares, conectando-se, em termos de comunicação, com todo o Brasil.

Uma facção do PSDB quer bancar o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Figueiredo Cavalheiro Leite, de 35 anos, para presidente. É jovem, bonito e um quadro novo, que, com estrutura e discurso renovado, poderia chamar a atenção do país. Na quinta-feira, 11, num encontro com aliados tucanos, o líder gaúcho disse: “O Brasil não se resume a São Paulo”. Acrescentou que “Presidência é destino”. É um recado para João Doria — que, sem ouvir o partido, já se apresenta como “o” candidato, e não como “um” dos postulantes.

O tucanato, que parecia unido em torno de João Doria, demonstra que não está. Daí a fala de Eduardo Leite, que conta com apoio de políticos de outros Estados. O deputado federal Paulo Abi-Ackel, do PSDB de Minas Gerais, posicionou-se: “Eduardo Leite é aquele que mais agrada à bancada federal”.

Ao contrário de João Doria, que está se posicionando como o anti-Bolsonaro, por representar um Estado-quase-país, com um PIB fabuloso, os demais Estados precisam da caixa-forte do governo federal. Quebram sem os recursos e o apoio da União — ainda mais em tempos de pandemia, com a economia se recuperando aos trancos e barrancos. Daí Eduardo Leite afirmar, contra a ação política do governador de São Paulo, que é preciso postergar o debate sucessório.

A vitalidade do Centrão

Há um preconceito conta o Centrão — que, no fundo, representa a média da sociedade brasileira, senão seus deputados e senadores não estariam no Congresso. Por mais fisiológicos que possam ser, os membros do grupo são legalistas e democratas. Bolsonaro, ao se aproximar dele, criando uma relação de dependência mútua — na política ninguém engana ninguém; deixa-se, por vezes, se enganar —, demonstra que fez uma opção pela política, e não pelo golpismo. Então, o que parece um retrocesso, é um avanço.

Jair Bolsonaro, presidente da República, e Ciro Nogueira, presidente do PP | Foto: Reprodução

O Centrão não é adepto de fantasias. Seus integrantes são apóstolos radicais do realismo. Um de seus cérebros, o senador Ciro Nogueira, presidente nacional do Progressistas, disse, numa entrevista, que não está nada preocupado com os números das pesquisas atuais: a aprovação de Bolsonaro é de 31% e a rejeição é de 40%, segundo o instituto Datafolha. “Isso não me preocupa em nada. O presidente que vai ser eleito é o de 2022, ninguém vai votar lembrando como estava a situação em 2021. O presidente agora tem de aprovar as medidas para chegar bem em 2022. Eu, que sou um aliado e vou votar com ele de qualquer forma, não tenho essa preocupação. Quem elege o presidente da República é a economia”, afirma.

Ciro Nogueira frisa que é preciso observar que há “um paradigma do Brasil”: todos os presidentes que disputaram a reeleição ganharam.

Por mais que não se aprecie o que diz Ciro Nogueira, não se pode negar o realismo de suas palavras. O senador sugere que Bolsonaro também vai avançar no campo social, criando mais identidade entre a sociedade — os pobres — e a figura do presidente. Talvez como, noutra perspectiva ideológica, fez Lula da Silva. Por mais que provoque estranhamento, é possível sugerir que o modelo que está sendo desenvolvido pelo presidente não é tão diferente do da esquerda. Até a aproximação com o Centrão faz parte da mesma lógica. As ações políticas são parecidas — o que difere, isto sim, é o ideário ideológico.

De resto, vale sugerir que o futuro “não” existe, “é” uma ficção. O que existem, de fato, são o passado e o presente. Por isso, o futuro, se se pode dizer assim, já “chegou”. Daí as “brigas” dos grupos políticos, inclusive entre aliados. Porque quem não ocupar espaço agora, no presente, não terá espaço… no, digamos assim, futuro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.