O prazo final para a entrega da declaração do Imposto de Renda (IRPF) é 31 de maio. Mas em 2023, o que vai custar o aumento na faixa do IRPF para os cofres públicos? Com as mudanças anunciadas no Imposto de Renda (IR), 13,7 milhões de brasileiros deixarão de pagar o que equivale a 42% dos declarantes de 2022. A medida vai custar R$ 3,2 bilhões aos cofres do governo neste ano e R$ 6 bilhões em 2024.

Congelada desde 2015, a tabela de Imposto de Renda da pessoa física teve correção anunciada em 2023, mudando apenas a faixa de isenção, que subiu de R$ 1.903,98 para R$ 2.112,00. Dessa forma, ficam isentos de IR todos aqueles que ganham até R$ 2.640,00 por mês.

De acordo com o advogado tributarista André Abrão, o modelo foi elaborado de modo que o contribuinte, especialmente o trabalhador com renda mais baixa, sinta o benefício imediatamente no bolso. Não haverá nenhuma retenção na fonte para quem ganha até R$ 2.640. “Na prática, o contribuinte não terá que esperar a declaração no ano seguinte para pedir a restituição do que foi retido”, avalia.

Segundo o especialista, quem ganha até 2.640 reais não precisará fazer nada para ser contemplado, somente deixará de ter imposto retido na fonte. “A tabela é progressiva, todos deixam de pagar sobre a faixa até 2.112 reais”, afirma André.

O advogado ressalta que a correção da tabela do Imposto de Renda na primeira faixa é uma das iniciativas já tomadas pelo governo, que pretende aumentar a faixa de isenção para quem ganha até R$ 5.000,00. “As mudanças do imposto sobre a renda é uma iniciativa que deve ser tratada na pauta da Reforma Tributária ainda no segundo semestre, pois será necessário repor essa queda na arrecadação”, conclui o advogado.

O tributarista ainda avalia que para evitar contratempos, é essencial que o contribuinte se organize antecipadamente e compreenda quem está obrigado a realizar a declaração.

“Vale lembrar que recibos de despesas com médicos, dentistas, profissionais de saúde (fisioterapia, psicologia) e planos de saúde estão suscetíveis à dedução. Se possível, recupere a declaração do ano anterior, isso vai te ajudar a preencher o documento deste ano”, avalia.