O economista e professor da UEG Júlio Paschoal alerta que a reforma tributária em tramitação na Câmara dos Deputados representa risco fiscal para Goiás. “Querem mudar o sistema de tributação, passando de origem da produção para o destino, ou seja para o consumo. Com isso, nós em Goiás, que temos cerca de 7 milhões de habitantes, ou 7 milhões de consumidores, não vamos dar conta de concorrer com 50 ou 60 milhões do Estado de São Paulo e de outros Estados”, exemplifica.

“Vai reconcentrar riqueza nos Estados mais ricos da federação”, alerta. “Tudo que nós conseguimos nos últimos 50 anos, nós vamos perder”, lamenta. De acordo com ele, ao alterar a tributação da produção para o consumo, isso retira a condição do Estado de conceder benefícios fiscais para as empresas se instalarem no Estado. “A economia de Goiás é centrada em benefícios fiscais”, salienta.

Acerca da atuação do deputado federal Glaustin da Fokus no grupo de trabalho da Câmara dos Deputados que discute a reforma, ele afirma que ficou surpreso com a falta de conhecimento do parlamentar, em uma entrevista à imprensa. “Ele esquece que cresceu empresarialmente usando os benefícios fiscais, crédito outorgado e redução da base de cálculo”, cita.

“Não vejo ele [Glaustin] preparado neste momento para travar os debates que precisam ter dentro do grupo de trabalho para mostrar para aqueles que querem a reforma da forma que ela está, que alterando no sentido que está, irá favorecer não só os Estados mais ricos, mas prejudicar os Estados considerados mais pobres, dentre os quais todos das regiões do Centro-Oeste, Norte e Nordeste”, frisa. O economista e professor acrescenta que o próprio deputado, como empresário, está “dando um tiro no pé”.