Cezar Santos
Cezar Santos

Pixulecão 13-171: o Brasil ri da corrupção

Boneco de Lula com roupa de presidiário traduz o sentimento e a esperança dos brasileiros honestos 

Boneco inflável de Lula durante manifestação em Brasília: o escárnio do povo pode ser bem-humorado

Boneco inflável de Lula durante manifestação em Brasília: o escárnio do povo pode ser bem-humorado

O homem é o único animal que ri e é rindo que ele mostra o animal que realmente é.

Millôr Fernandes (1923-2012)

A sentença milloriana na epígrafe explica muito da natureza humana, caraterizada pela capacidade de rir até mesmo dos próprios infortúnios. E nesse riso o ser humano expressa alegria, mas também menosprezo, escárnio. Ao expressar seu menosprezo, o ser humano pode ser cruel, muito cruel. É esse sentimento que o boneco chamado Pixulecão Lula 13-171 traduz para os brasileiros. O boneco foi exibido durante a manifestação contra o governo Dilma e contra o PT, de domingo passado, 16, em Brasília.

Lula, o presidente de honra do Partido dos Trabalhadores, é mostrado com roupa listrada de presidiário, com os números autoexplicativos 13 (do PT) e 171, o artigo do Código Penal que trata de estelionato e outras fraudes.

Muitos criminosos estão sendo presos nas investigações da Polícia Federal e do Ministério Público Federal, sobre os escândalos na Petrobrás. Antes, no processo do mensalão, algumas figuraças do PT, como o ex-ministro José Dirceu e o ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares foram condenados e presos.

Mais recentemente, outros petistas (de novo, José Dirceu), políticos de outras siglas, principalmente do PMDB e do PP, empresários e funcionários da Petrobrás estão sendo investigados e presos. E está mais do que comprovado que se formou na petroleira um monumental esquema de desvio de recursos públicos, obviamente capitaneado pelo partido que detém o governo, o PT.

Mas tanto no mensalão quanto agora, no chamado Petrolão, as pessoas sabem que falta uma pessoa respondendo pelos esquemas de corrupção montados nos últimos 13 anos. Os delatores da Lava Jato, aos poucos, vão entregando o chefe. José Dirceu não agiu sozinho. Falta Lula da Silva. Lembrando que no processo do mensalão, quando s dizia que Lula não sabia do esquema montado por Dirceu, o próprio ex-ministro disse que não fazia nada que Lula não soubesse.

Lula é o homem que colocou uma “amiga íntima”, a militante petista Rose Noronha, para fazer tráfico de influência, nomeando e demitindo pessoas em altos cargos no governo e auferindo vantagens de acordo com os interesses próprios e do partido. Lula é o homem que depois de sair do cargo passou a fazer lobby explícito para empreiteiras — e há investigações no Ministério Público que mostram que ele já fazia ainda na Presidência.

Lula é o ex-presidente que não concede entrevistas a veículos de comunicação independentes. Só fala a plateias que vão aplaudi-los, de preferência sindicalistas e filiados. Ou em palestras caríssimas, cercado por um monumental aparato de segurança. Lula é o homem que tem hoje um patrimônio inexplicável para seus ganhos.

Muito do que o ex-presidente fez se enquadra ali, no artigo 171 do Código Penal, o número no peito do bonecão. Muito mais do que Lula fez está em outros capítulos da legislação criminal brasileira.

Por essas e outras é que os brasileiros honestos, minimamente informados, têm certeza: falta Lula na cadeia. A certeza vem com a esperança que a Polícia Federal e o Ministério Público, depois a Justiça, continuem fazendo o seu trabalho.

Enquanto isso, como as investigações estão em curso, o povo trata de enquadrar o líder petista ao seu modo: pelo humor. O riso causado pela visão do boneco Pixulecão 13-171 enjaulou Lula.

Boneco vai “viajar” pelo Brasil 

Alexandrino de Salles, executivo da Odebrecht: Lula disse a ele que estava preocupado com “assuntos do BNDES”

Alexandrino de Salles, executivo da Odebrecht: Lula disse a ele que estava preocupado com “assuntos do BNDES”

O boneco inflável do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vestido de presidiário fez tanto sucesso após a manifestação de domingo, 16, que o Movimento Brasil Livre (MBL), idealizador do projeto, decidiu vender miniaturas para arrecadar dinheiro para as próximas manifestações. Miniaturas da peça também podem ser distribuídas aos apoiadores, a depender das doações financeiras que o MBL receber.

A peça de 12 metros de altura foi mostrada no protesto de Brasília, que reuniu 25 mil pessoas em frente ao Congresso Nacional. O coordenador do grupo em Brasília, Ricardo Ho­no­rato, disse que o boneco também irá fazer um tour pelo País. A próxima manifestação está marcada para o fe­riado de 7 de setembro, mas Ho­no­rato não revelou em qual cidade o bo­neco aparecerá. “Não posso dizer aonde vai estar porque é surpresa. O que eu posso dizer é que ele está in­do para São Paulo para fazer reparos.”

O boneco custou R$ 12 mil. Ho­ras depois da manifestação, a imagem do Lula 13-171 se tornou “meme” [informação disseminada massivamente pela internet] nas redes sociais. Diversas montagens foram feitas e espalhadas pela internet.

Em nota, o Instituto Lula afirmou que o ex-presidente foi preso na ditadura “porque defendia a liberdade de expressão e organização política”. Segundo o texto, Lula só pode ser acusado de ter “promovido a melhora das condições de vida e acabado com a fome de milhões de brasileiros”.

A mensagem é encerrada defendendo que Lula “jamais cometeu qualquer ilegalidade antes, durante ou depois de seus dois governos”.

Palestras milionárias

Na edição que veio a público no dia 14, a revista “Veja” mostrou mais descalabros revelados pela Lava Jato. A publicação revelou movimentação do caixa da empresa LILS, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, divulgou a lista de clientes do petista e indicou que o faturamento da sua empresa que leva a as iniciais de seu nome chegou a R$ 27 milhões em quatro anos.

Conforme a reportagem, deste total, R$ 9,8 milhões teriam sido de empreiteiras investigadas na Operação Lava Jato. A LILS é a empresa que o ex-presidente usa para receber recursos de palestras, uma das atividades às quais se dedicou após deixar o Palácio do Planalto. Como se sabe, Lula detém muitos conhecimentos e suas “palestras” são extremamente valiosas para empresas.

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, determinou à Polícia Federal abertura de investigação do vazamento de informações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) sobre movimentação do caixa da empresa do ex-presidente. Órgão de inteligência financeira do Ministério da Fazenda, o Coaf produziu o relatório ao qual a “Veja” teve acesso. Antes, Cardozo já tinha pedido à PF para investigar também um suposto ataque à sede do Instituto Lula, que resultou em um furo no portão.

O jornal “O Estado de S. Paulo” revelou na segunda-feira, 17, que o Coaf elaborou três relatórios que apontam movimentação atípica da empresa do ex-presidente Lula foram remetidos para Ministério Público no Distrito Federal, Rio de Janeiro e Paraná.

Em junho, o juiz Sérgio Moro, responsável pela Lava Jato no Paraná, afirmou em despacho que o ex-presidente não estava sendo investigado, mas, conforme investigadores ouvidos pelo jornal, isso não significa que movimentações de sua empresa não tenham sido alvo de apurações.

O “Estadão” já tinha publicado reportagem mostrando que a PF gravou conversa do executivo da Odebrecht Alexandrino de Salles Ramos Alencar com Lula, em 15 de junho, quatro dias antes de o empresário ser preso na Lava Jato. O alvo da interceptação era uma linha usada por Salles.

No diálogo, segundo relatório da PF, o ex-presidente se diz preocupado com “assuntos BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social)”. A instituição é alvo de uma CPI que visa investigar a política de financiamentos a grandes empresas nos governos petistas.
O Instituto Lula afirmou que “todas as palestras e atividades do ex-presidente fora­m legais com os impostos devidamente recolhidos”.

2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Valdir Stédile

Agora o boneco precisa de um nome, que tal “LulaLá 13-171”, com o “Lá” envolvido por uma grave? Ou seja, lula “Lá” atrás das grades. Ocorre que quando LULA foi lançado candidato o “LulaLá” compôs o single de sua campanha, quando o “Lá” sugeria na Presidência. Agora, depois de conhecermos a verdadeira biografia desse indivíduo, nada mais significativo para o nome do BONECO 13-171 senão “LulaLá”, onde “lá” passa a sugerir atrás das grades. O marcketing do nome nascerá bombando. Na campanha: “Lulalá, nasce uma estrela”. Agora: “Lulalá nasce o sol quadrado”.

Valdir Stédile

Sugiro o seguinte nome para o boneco: “LulaLá” a ser escrito/desenhado nas costas do boneco inflável (desenho de uma grave envolvendo o “Lá”). Ou seja, Lula “Lá” atrás das grades. Quando Lula foi lançado candidato o “LulaLá” compôs o single de sua campanha onde o “Lá” sugeria na Presidência. Agora, depois de o povo brasileiro conhecer a verdadeira biografia desse indivíduo, nada mais significativo para o nome do boneco senão LulaLá, “lá” sugerindo atrás das grades.