Tom Jobim teve inúmeros parceiros musicais. Vinícius de Moares é o mais conhecido. Os dois compuseram “Garota de Ipanema”, que se tornou a segunda música mais tocada no mundo depois de “Yesterday”, dos Beatles. Mas o parceiro que o maestro soberano mais gostava de dividir letra e música foi Newton Mendonça. Suas letras ajudaram a popularizar a Bossa Nova. Nascido em 14 de fevereiro de 1927, ele foi amigo de infância de Tom Jobim.

Newton Mendonça era visto pelos bares de Copacabana e gostava da vida noturna da zona sul carioca. Com certeza dividiu mesa com o amigo músico, com Vinícius e tantos outros companheiros de farra e de som. Era comum no Rio de Janeiro da segunda metade dos anos 1950 todo mundo do meio artístico dividir letra, música, copo ou cigarro (e, certamente, otras cositas más).

Newton Mendonça: o parceiro realmente esquecido | Foto: Reprodução

As músicas de Newton e Tom se tornaram clássicos da Bossa Nova como “Desafinado” e “Samba de uma nota só”. São músicas que depois fariam muito sucesso na Europa e nos Estados Unidos, mas Newton Mendonça não presenciaria a exportação daquele ritmo sossegado vindo de Ipanema. Em 22 de novembro de 1960, um infarto o mataria bem no período em que a Bossa Nova caía no gosto do público. Ele tinha apenas 33 anos.

Sua música “Canção do Pescador” ganhou o I Festival da TV Record onze dias depois de sua morte. Cirene, sua esposa, compareceu ao festival e recebeu o troféu do marido. A Bossa Nova tão admirada e conhecida por “Garota de Ipanema” só aconteceu porque Newton Mendonça abriu caminho para o som da bossa subir o morro e conquistar o mundo inteiro.

Newton Ferreira Mendonça era pianista, compositor, violinista e gaitista.