Para quem ama História e pesquisa sobre História, a Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional é um presente valioso. Ali estão depositadas milhares de páginas de jornais e revistas que circularam pelo país desde os tempos coloniais até a era republicana. Por ali podemos conhecer a História da nossa imprensa e as transformações do nosso país ao longo do tempo. Até 1930, eram poucas as páginas dos principais jornais do Brasil que falavam sobre Goiás. Em uma rápida pesquisa pela Hemeroteca é possível perceber isso. A coisa muda de figura logo após a Revolução de 1930, quando Pedro Ludovico se torna interventor federal em Goiás. Ele decidiu mostrar ao Brasil onde era Goiás e atrair investimentos e investidores para a sua maior empreitada: a transferência da capital do Estado.

A construção de Goiânia se tornou o carro chefe da propaganda do Estado goiano. Em 1935, Pedro Ludovico convidou Joaquim Câmara Filho para ser o responsável pela divulgação de Goiás, da sua nova capital, apresentar aquele lugar que já foi o centro da riqueza do Brasil no século XVIII e que estava esquecido desde o fim do ciclo da mineração. As propagandas de Câmara Filho ganharam as páginas dos principais jornais como O Globo, O Estado de São Paulo, Correio da Manhã, e outras tantas publicações. As fotos em preto e branco do Palácio das Esmeraldas, do Grande Hotel, da Praça Cívica ocupavam as páginas da imprensa carioca e paulista.

Aparecer no Rio de Janeiro significava aparecer no país inteiro, já que era ali a capital federal. Quem pesquisar na hemeroteca durante os anos 1930 e 1940, verá inúmeras páginas de jornais e revistas noticiando tanto a construção e inauguração de Goiânia como as riquezas que Goiás tinha a oferecer. Câmara Filho conseguiu divulgar o que estava acontecendo por aqui para todos os brasileiros e ressaltar os feitos de Pedro Ludovico Teixeira.

Pode-se dizer que a imprensa descobriu Goiás, sua nova capital e a riqueza que, até 1930, estava escondida para os olhos paulistas e cariocas. Os brasileiros começaram a olhar para o seu interior através das páginas dos jornais e das revistas.