A eleição de Tancredo em 15 de janeiro de 1985 foi transmitida ao vivo e em cores. As guitarras do Rock in Rio também

Primeira página do “Jornal do Brasil” de 12 de janeiro de 1985. Depois de vinte e um anos de militares no poder, o Brasil estava prestes a eleger um civil. Não da forma como se esperava, com o voto popular, mas havia a certeza de que era a última vez que um Colégio Eleitoral escolheria o novo Presidente da República. Tancredo Neves, pela oposição, Paulo Maluf, pela situação, eram os candidatos que circulavam pelos corredores do Congresso em Brasília buscando os votos dos parlamentares. A democracia ressurgia na Pátria Mãe Gentil.

Enquanto Brasília vivia a sucessão presencial, o Rio de Janeiro era sacudido pelo Rock in Rio. Como mostra a foto da capa do JB, Ney Matogrosso foi uma das atrações do festival. O rock tão questionado, tão criticado nos tempos que os militares chegaram ao poder no Brasil alcançava a sua consagração no momento que eles voltavam para os quartéis. Em pensar que em 1967 teve uma passeata em São Paulo contra as guitarras elétricas…

Na época se dizia que a revolução não seria televisionada. No caso do Brasil, a redemocratização sim. A eleição de Tancredo em 15 de janeiro de 1985 foi transmitida ao vivo e em cores. As guitarras do Rock in Rio também. Só não eram a cores as páginas dos nossos jornais.