Márcio M. Cunha
Márcio M. Cunha

Quem será o próximo desembargador do TJ?

No último dia 21, o Conselho Nacional de Justiça – CNJ, decidiu que a vaga destinada ao quinto constitucional do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, deverá ser preenchida por um membro da advocacia, diferentemente do que tinha decidido o TJGO.

O quinto constitucional, previsto no artigo 94 da Constituição brasileira de 1988, é um dispositivo jurídico que determina que um quinto das vagas de determinados tribunais brasileiros seja preenchido por advogados e membros do Ministério Público (Federal, do Trabalho ou do respectivo Estado, caso se trate da justiça federal, do trabalho ou estadual), e não por juízes de carreira.

A regra do quinto constitucional aplica-se aos Tribunais Regionais Federais (TRFs), aos Tribunais de Justiça (TJs) de cada Estado e do Distrito Federal, e, a partir da emenda constitucional n.º 45, de 2004 (conhecida como “a reforma do Poder Judiciário”), ao Tribunal Superior do Trabalho (TST) e aos Tribunais Regionais do Trabalho (TRTs), conforme arts. 111-A e 115 da própria Constituição Federal, apesar de o art. 94 não ter sofrido qualquer modificação pela referida emenda.

Para se candidatar a uma vaga destinada ao quinto, os integrantes do Ministério Público precisam ter, no mínimo, dez anos de carreira. Os advogados, além de mais de dez anos de efetivo exercício profissional, devem também possuir notório saber jurídico e reputação ilibada.

A CORRIDA JÁ COMEÇOU…

Bastou o anúncio da decisão do CNJ que os ânimos dos candidatos à vaga de desembargador ficaram inflamados, chegando ao ponto de alguns Blogs anunciarem pretendentes ao posto.

Dessemelhante ao que aconteceu nos anos anteriores, o eixo político mudou e a curva e as possibilidades de acesso à vaga de desembargador se moveu e isso viabilizará novos pretendentes.

No último certame, tivemos uma disputa acirrada, mas nesse, com certeza a concorrência será ainda maior, considerando que temos um novo Governador e a tendência é que se repitam os nomes dos candidatos que se candidataram anteriormente, sendo eles:

LISTA DE CANDIDATOS

Agnaldo Fernandes
Alexandre de Morais Kafuri
Alexandre Eduardo Felipe Tocantins
Antônia de Lourdes Batista Chaveiro Martins
Arlete Mesquita
Augusto César Rocha Ventura
Aurelino Ivo Dias
Cassius Fernando de Oliveira
Danilo Santos de Freitas
Eliezer de Jesus Dias
Ezequiel Morais Silva
Gilmar de Oliveira Mota
José Fernando Navarrete Pena
Juberto Ramos Jube
Luiz Inácio Medeiros Barbosa
Maurício de Melo Cardoso
Orimar de Bastos Filho
Paulo Roberto Balduino Nascimento
Ricardo Baiocchi Carneiro
Rosângela Magalhães de Almeida
Sonia Maria Carneiro Caetano Fernandes
Vicente Lopes da Rocha

Por certo, alguns dos Advogados citados não tentaram a vaga, mas a tendência é que se repita a grande maioria dos profissionais, considerando a experiência adquirida no pretérito pleito, principalmente porque colocaram seus nomes à disposição para servir a esse múnus público na condição de magistrado em segundo grau, com certeza teremos novos nome de peso na disputa.

Nomes lembrados que não participaram do pleito anterior podem tentar a vaga, como por exemplo os Advogados Anderson Máximo que deixaria a Casa Civil do Governo para se dedicar à campanha, bem como, o Ex-Ouvidor Geral da OAB-GO Eduardo Scartezini, o sempre lembrado Renaldo Limiro, Luiz Antônio de Paiva, Carlos Márcio Rissi Macedo e ainda a possiblidade de voltar a concorrer a Advogada Maria Thereza Alencastro Veiga.

O certo é que, independente de quem seja indicado ao Tribunal de Justiça, nosso desejo, é no sentido de que atenda os anseios da advocacia, sendo capaz de oxigenar o judiciário goiano, levando novo olhar a respeito das perspectivas da sociedade e principalmente da categoria que representará, sendo de forma indispensável que seja um cientista e pesquisador do direito, capaz de debater em alto nível com seus futuros pares, características estas, indispensáveis ao jurista e pós-positivista que representará a advocacia goiana no Tribunal de justiça, e acima de tudo, seja ético, transparente, humilde e honesto!

Leia mais … Bibliografia resumida de alguns dos ex-candidatos que postularam a última vaga de desembargador que foi preenchida pelo Desembargador Guilherme Gutemberg Isac Pinto.

AGNALDO FERNANDES
(OAB-GO 16600),
46 anos

Advogado desde 1997, Agnaldo Fernandes militaprincipalmente nas áreas Tributária, Civil e Trabalhista.Sua atuação profissional envolve ainda o Direito doConsumidor, Bancário, Empresarial, Mediação eArbitragem. Fernandes possui especialização em Direitodo Trabalho e foi docente na Pontifícia UniversidadeCatólica de Goiás (PUC-GO) e é sócio-proprietárioda Fernandes Advocacia Tributária e Empresarial.

Informações obtidas por meio da internet

ALEXANDRE DE MORAIS KAFURI
(OAB-GO 18.064)
49 anos

Alexandre de MoraisKafuri é graduado emDireito pela PUC-GO eem Ciências Econômicaspelo Centro Universitário Newton Paiva (MG).Em 2016, Kafuri concluiu mestrado em DireitoTributário pela Universidade Federal de Minas Gerais(UFMG). Possui pós-graduação em Processo Civil eatuou como professor convidado da PUC-GO. Em20 anos de advocacia, tem experiência na área deDireito Tributário e Previdenciário, com ênfase emPlanejamento Tributário. Também é sócio do escritóriojurídico Kafuri Advogados Associados.

Informações obtidas por meio da internet

ALEXANDRE EDUARDO FELIPE TOCANTINS
(OAB-GO 14800),
52 anos

O advogadoAlexandre EduardoFelipe Tocantins atuoucomo procuradorgeral

do Estado deGoiás por quase seisanos, deixando o cargono início deste ano

para concorrer à vagade desembargador.Tocantins foihomenageado, em2015, pelo governadorde Goiás MarconiPerillo com a Ordemdo Mérito Anhanguera, em Grau Grande Oficial. Aalta condecoração é concedida a personalidades que

se destacaram na vida pública, por ações, méritosexcepcionais e relevantes serviços prestados.

Informações obtidas por meio da internet

ARLETE MESQUITA
(OAB/GO 13680),
48 anos

Em 25 anos deatuação na advocacia,com ênfase nas áreasTrabalhista, Civil e

Família, ArleteMesquita ressaltasua participação nasentidades voltadaspara os interessesda classe, presidindopor três mandatos aAssociação Goianados AdvogadosTrabalhistas (Agatra)e, desde 1999, marcando presença na diretoria

Associação Brasileira de Advogados Trabalhistas(Abrat). A ex-conselheira da OAB Goiásacredita que o trabalho em prol dos advogadosenriquece a busca de um Judiciário fortalecido.”Tenho como compromisso o respeito àsinstituições, passando pela busca da efetividadeda providência jurisdicional, a partir do cuidadodo princípio constitucional da razoável duraçãodo processo, manter gabinetes de portas abertasa todos os advogados e estar todos os dias noTribunal, para acompanhar as dinâmicas queregem a instituição”, profere.

Informações obtidas por meio de entrevista

ANTONIA DE LOURDES BATISTA CHAVEIRO MARTINS
(OAB-GO 12712),
55 anos

Advogada e mestraem Direito pelaUniversidade Federal deGoiás (UFG), Antoniade Lourdes BatistaChaveiro Martinsiniciou sua atuação naadvocacia em 1993, atuana docência há mais de20 anos, militando naárea de Direito de Famíliae Sucessões. Antoniaauxiliou na criação docurso de Direito daUniversidade Salgado deOliveira (Universo), na qual é gestora. Com o apoio da

família e colegas, a Advogada e professora justifica suacandidatura por sua experiência e perfil que atendem osrequisitos do cargo. “O olhar do magistrado que veio daadvocacia e vivenciou de perto o sofrimento e a ansiedadede alguém que clama por justiça é uma vantagem paraquem chega ao cargo de desembargador. A formade avaliar é diferente, pois estivemos do outro lado e

vivenciamos de perto a expectativa por justiça”, declara.

Informações obtidas por meio de entrevista

ANDERSON MÁXIMO

O secretário da Casa Civil Anderson Máximo, que é procurador do Estado, vai deixar a pasta nos próximos dias para concorrer à lista sêxtupla que a OAB-GO irá elaborar para o preenchimentoda vaga aberta no Tribunal de Justiça correspondente ao quinto constitucional.

AUGUSTO CÉSAR ROCHA VENTURA
(OAB-GO 12539),
49 anos

Mestre em Direitoe Políticas Públicas peloCentro Universitáriode Brasília (UniCeub)e professor titular deDireito Tributário daUniversidade Estadualde Goiás (UEG), oadvogado Augusto CésarRocha Ventura pretendecontribuir com o PoderJudiciário a partir de suaexperiência adquiridaao longo dos 27 anosde atuação jurídica.Em primeiro plano,o candidato esperapromover a solução de conflitos de forma eficientee célere. “Quero auxiliar para dar efetividade atantas iniciativas necessárias e prementes alusivasa operacionalidade da máquina judiciário, sempreprimando pelo bom e íntegro relacionamento comos pares e com os demais operadores do direito, alémdos serventuários da justiça, ciente de que na ponta háo jurisdicionado que espera por seu direito”, enfatiza.

Informações obtidas por meio de entrevista

AURELINO IVO DIAS
(OAB-GO 10734),
62 anos

Dedicando-seexclusivamente à advocaciadesde 1987, o advogadoAurelino Ivo Dias, pós-graduadoem ProcessoCivil, atua principalmenteno Direito Público, comtrabalhos em DireitoEleitoral e na Justiça doTrabalho. Dias candidatou-se

à vaga de desembargadorpois acredita que a justiça necessita de maior celeridade e deve abrir novoshorizontes, estimulando a convivência entre a classede advogados e o TJ-GO. O candidato destaca quejá foram apresentados bons resultados nos últimosanos, com a informatização dos processos, queacelerou muitos procedimentos. No entanto, isso nãosignifica a aproximação do judicionado com o PoderJudiciário. “O papel do magistrado é fundamental para

a constituição de uma prestação jurisdicional correta.Nós precisamos de uma justiça célere, que atenda ojudicionado de uma forma geral”, certifica.

Informações obtidas por meio de entrevista

CASSIUS FERNANDO DE OLIVEIRA
(OAB-GO 18978),
43 anos

Cassius Fernandode Oliveira é ex-gerentede banco e milita naadvocacia de formaexclusiva desde 1999,quando formou-se emDireito pela UniversidadeCatólica de Goiás(UCG). Pós-graduado emDireito Constitucionale Administrativo, o advogado tem atuaçãovoltada principalmente para as áreas Cível, Condominial, Bancária, Consumidor,Empresarial, Imobiliária e Trabalhista. Para ele, a práticadiária da advocacia, sua história de vida e experiênciagarantem sensibilidade e segurança para os desafios docargo de desembargador. Caso conquiste a vaga, umdos objetivos de Oliveira é julgar as causas com retidão eimparcialidade, respeitando e cumprindo o Código de Ética

da Magistratura. “Pretendo dedicar-me inteiramente e comafinco a este trabalho, para que seja um instrumento dejustiça e, assim, possa contribuir para uma sociedade maisusta e equilibrada”, diz.

Informações obtidas por meio de entrevista

DANILO SANTOS DE FREITAS
(OAB-GO 13800),
46 anos

Formado em Direitopela UCG, DaniloSantos de Freitas exerceuplenamente a advocaciapor 20 anos, além de tersido professor de graduaçãona PUC-GO e da Fasam,e de pós-graduação naUFG. Danilo de Freitastambém foi conselheirotitular da OAB-GO entre2010 e 2012, quandorenunciou o mandato para Secretário de Estado,retomando à advocacia em meados de 2016. Uma

de suas motivações para a candidatura, além de bemrepresentar a advocacia no Tribunal, é o desejo de buscar a conexão entre Direito e Justiça, exercendo

o papel de justo. “Num sentido figurado, é podervestir sobre a beca uma toga e poder melhor aplicara experiência adquirida como advogado e professorna entrega da Justiça”. O advogado ressaltou aindaa experiência adquirida na advocacia. “Entendoque, caso venha a ser escolhido, posso levar parao Tribunal o fruto da pluralidade das experiênciasprofissionais que vivi, haurida em situações outrasque a do juiz de carreira, revigorando o Tribunal edinamizando o Direito”. Garante ainda, caso escolhido, que não perderá suas origens, “Não esquecerei opapel de representação da classe da advocacia e me

coloco, com humildade, à disposição para melhordesempenhar o novo ofício, sendo mais um operáriodas transformações e do aperfeiçoamento do Tribunal

como instituição jurídica, que merece o respeito detodos nós, oxigenando-o, mas sempre agindo comética, moral, integridade e probidade”.

Informações obtidas por meio de entrevista

ELIÉZER DE JESUS DIAS
(OAB-GO 16030),
48 anos

Mestrando em Direito,Relações Internacionais eDesenvolvimento pela PUCGO,Eliézer de Jesus Dias épós-graduado no preparatóriopara Juiz de Direito pela EscolaSuperior da Magistratura(Esmeg), especialização emDireito Constitucional e emDireito Administrativo pelaAcademia de Polícia Civil deGoiás.° advogado atua há duasdécadas na OAB-GO, sendodiretor da Caixa de Assistênciaos Advogados de Goiás(Casag), como Conselheiro da OABPrev e nas Comissões deDireitos Humanos e na Comissão de Segurança Pública. Diascredita que poderá contribuir, ainda mais com o Judiciário a partir de sua experiência na plena atividade desenvolvida na advocacia. “Buscarei implementar uma proposta que venhaoxigenar o Tribunal com objetivo que concebam a melhore a mais justa decisão para cada julgamento, defendereia valorização contínua do advogado e o respeito às suasprerrogativas, para que se cumpra de direito e de fato aurbanidade e o respeito à isonomia na tríade jurídica: a tese,a antítese e a síntese do juiz, promotor e advogado”, assegura.

Informações obtidas por meio de entrevista

EZEQUIEL MORAIS SILVA
(OAB-GO 18051),
44 anos.

Mestre em DireitoCivil pela Faculdadede Direito do LargoSão Francisco, daUniversidade deSão Paulo (USP),Ezequiel Morais Silvaé especialista emDireito Civil e DireitoProcessual Civilpela UniversidadeCândido Mendes, eDireito Agrário pelaUFG. Autor de 11livros, Dias leciona emdiferentes instituiçõesde pós-graduação.Na OAB-GO, atuoucomo conselheiro estadual, entre 2007 e 2009, além deintegrar a Comissão de Direito Imobiliário e Urbanístico,Comissão de Seleção e das Sociedades dos Advogados eComissão de Ensino Jurídico. Foi eleito o advogado maisadmirado do Estado de Goiás na área Cível em 2011,2012, 2013 e 2015.

Informações obtidas por meio da internet

GILMAR DE OLIVEIRA MOTA
(OAB-GO 7002),
59 anos

Gilmar de Oliveira Motaé bacharel em Direito pelaUFG com pós-graduação em

Direito Eleitoral pela mesmainstituição e em Direito público pela FESURV. Atua

na advocacia desde 1984 epassou por diversos órgãospúblicos, como a AssembleiaLegislativa do Estado deGoiás (Alego), Câmara dosDeputados em Brasília,Prefeituras Municipais deMinaçu, Uruaçu e SenadorCanedo e CâmarasMunicipais de Goiânia, Rio Verde, Senador Canedo eMinaçu. Foi participante ativo das ações da OAB-GO de998 a 2000, relatando processos, e, em 2016, integrou aCAPUB, a CDPE e a CPCP. Em 2018, é sócio-fundador daota& Oliveira Advogados e Consultores Associados S/S.”Os objetivos da minha candidatura ao cargo no 11-GO sãobalizar a atuação do magistrado no mais absoluto respeitoàs prerrogativas da advocacia e abrir canais de permanentecomunicação e diálogo com todas as categorias sociaispor meio de suas entidades representativas”, afirma Mota.

Informações obtidas por meio de entrevista

GUILHERME GUTEMBERG ISAC PINTO
(OAB-GO 7551),
57 anos

Atuandoexclusivamente naadvocacia por mais de30 anos, GuilhermeGutemberg Isac Pintoexerceu função de juiz do Tribunal de Ética daOAB-GO por 13 anosconsecutivos, entre 1999e 2012. O advogado,que renunciou a vice-presidênciado Tribunalde Ética para concorrer aocargo, afirma que sua maior

motivação é servir ao Judiciário e aos judicionadosoianos enquanto desembargador. Seu principal objetivoé que eventuais colegas, magistrados, advogados eas partes tenham satisfação com a qualidade de seusserviços nesta função a ser desempenhada. “Tenhomuita vontade e, estando lá, poderei fazer com issoseja um fato, de ter uma gabinete extremamente célere,produtivo e tecnicamente bom”, firma.

Informações obtidas por meio de entrevista

JUBERTO RAMOS JUBÉ
(OAB-GO 14710),
45 anos

O advogado JubertoRamos Jubé completa nopresente ano 23 anos desua formação e inscriçãona OAB Goiás. Sua áreade atuação profissionalé o Direito ProcessualCivil, Administrativo,Eleitoral e Empresarial.Iniciou seus trabalhos

como advogado-júniorno escritório da Dra.Manuela GonçalvesSilva. Há 16 anos é sócio-proprietárioda Jubé Advogados. O profissional contaque se candidatou à vaga por ter paixão por operar Direito. “Há aproximadamente 8 anos, foquei aatuação do meu escritório justamente no contenciosojudicial em segundo grau de jurisdição perante oTJ-GO, o que despertou em mim um fascínio aotrabalho dos desembargadores. Vi na vaga, então,uma oportunidade para representar a advocaciagoiana neste órgão”, explica Jubé.

Informações obtidas por meio de entrevista

JOSÉ FERNANDO NAVARRETE PEN
(OAB-GO 20114),
54 anos

O economista eadvogado José FernandoNavarrete Pena possuiatuação como vice-presidentedo Conselhode Administração e diretorpresidente da CompanhiaCelg de Participações,sendo o diretor da CelgDistribuição S.A. Formadoem Direito pela UFG eEconomia pela UCG, hojePUC-GO, (área na qualfez pós-graduação, em Madri e Bruxelas), atuoucomo Procurador Geral de Auditoria do Tribunalde Contas do Estado de Goiás (TJ-G0). Alémdisso, foi titular da Secretaria da Fazenda deGoiás (Sefaz-GO) e diretor executivo e acionistada Amparo Construções EmpreendimentosImobiliários Ltda. Pena também já ocupou oargo de diretor comercial da Eresa – Empresa deRestauração S.A.

Informações obtidas por meio da internet

LUIZ INÁCIO MEDEIROS BARBOSA
(OAB-GO 12172),
59 anos

Luiz Inácio MedeirosBarbosa é advogado sóciodo escritório Wanderleye Medeiros Advocacia,atuante em AdvocaciaCriminal e DireitoCivil, Penal Tributário,Eleitoral, Ambiental e deFamília. O profissional jáintegrou, em 2013, listatríplice de candidatos queconcorreram a cargo dedesembargador em vaga

do quinto constitucional destinada à OAB/GO.

Informações obtidas por meio da internet

PAULO ROBERTO BALDUINO NASCIMENTO
(OAB-GO 8336),
58 anos

Universidade Anhanguera. O advogado atua háaproximadamente 27 anos. Dentre seus trabalhos,foi conselheiro seccional na OAB/GO de 2009 a2012 e reconhecido pela Assembléia Legislativa doEstado de Goiás (Alego) quando esta lhe concedeua honraria máxima por meio da Comenda PedroLudovico Teixeira. Seu labor se deu majoritariamentena representação de diversas instituições financeirase bancárias.

Informações obtidas por meio da internet

MAURÍCIO DE MELO CARDOSO
(OAB-GO 21852),
53 anos

Advogado, especialistaem Direito Públicoe professor da PUCGoiás nas disciplinas deDireito Constitucional,Administrativo, Penal ePrática Jurídica, Mauríciode Melo Cardoso esperarepresentar com louvor aOAB e a PUC com decisõesjustas, acadêmicas e técnicas,caso eleito desembargador.Entre os objetivos deCardoso estão a luta pela distribuição da justiça ea busca por discussão de temas jurídicos relevantescom a participação das academias de Direito, MP,Judiciário e OAB, além de incentivar a implantação desúmulas para uniformização de jurisprudência no TJGO.”Desejo colocar à disposição do Tribunal minhaexperiência como professor e advogado, permeandominhas decisões sob a perspectiva da prática forenseda advocacia”, assevera.

Informações obtidas por meio de entrevista

RICARDO BAIOCCHI CARNEIRO
(OAB-GO 16639),
49 anos

Ricardo Baiocchi Carneiroé formado em Direito pelaPUC Goiás e especializado

em Direito Administrativopela mesma instituição, emLL.M Direito Corporativo

pelo IBMEC e em Família eSucessões pela UniversidadeCândido Mendes. Advogadodesde 1997, em 2010 tomousesócio e gestor da BaiocchiFerreira & Gomes Sociedadede Advogados, voltadapara assessoria consultiva econtenciosa corporativa, comatuação em todo Brasil. Atuou em colegiado na Câmarada Junta de Recursos Fiscais da Secretaria Municipal deFinanças. Na OAB/GO, fundou a CAJ e integrou a CDH,CSA e GEACORP. Em 2014 foi indicado para lista trípliceao cargo de Juiz Substituto — Classe Jurista do TRE/GO.Segundo Baiocchi, sua decisão de concorrer ao cargoresulta de sua “extrema admiração e respeito à funçãode julgador e o que ela representa, em especial seu papeltransformador e sua capacidade de realizar o ideal dejustiça”. E acrescenta que, “caso a vaga de desembargadorseja por mim preenchida assumo o compromisso dehonrar a indicação, ciente da devoção que a atividade

jurisdicional exige, exercendo a função com celeridade erespeito com o jurisdicionado, lembrando de minha origemprofissional e de que atrás de cada processo há advogadosque esperam de mim muita dedicação, imparcialidade

e, principalmente, estrita observância às prerrogativas”.

Informações obtidas por meio de entrevista

ORIMAR DE BASTOS FILHO
(OAB-GO 8144),
55 anos

Giânia-GO. Orimar decandidatou à vaga deDesembargador por amorà magistratura, pois o seupai corno Magistrado lhe atribuiu um sentimento da”Nobreza da Magistratura”, que aprendeu a amar e respeitar desde criança. “Se eleito for, defenderei deforma intransigível o Estado Democrático de Direito,

honrarei os princípios éticos e morais que devemnortear a magistratura, sem olvidar jamais a valorização da advocacia. Serei ferrenho defensor das prerrogativasdos advogados no Areópago Goiano e vou postularum diálogo franco e aberto com a OAB, para assegurarurna prestação da tutela jurisdicional célere, eficaz esatisfatória a advocacia”, adianta.

Informações obtidas por meio de entrevista

ROSÂNGELA MAGALHÃES DE ALMEIDA
(OAB-GO 10.590),
50 anos

Para a advogada eprofessora universitáriaRosângela Magalhães deAlmeida, os 28 anos decarreira na advocacia e naAcademia sustentam umaexperiência que atende osrequisitos fundamentaisque correspondem osanseios da advocacia juntoao TJ-GO. Ex-presidenteda Comissão de DireitosHumanos da OAB-GO,a candidata afirma-se motivada em contribuircom o judiciário do País. Com a candidatura aocargo, a ideia é contribuir com o Judiciário Goiano,com a celeridade da justiça e com o equilíbrionos julgamentos, proporcionar melhorias a todoo judicionado. “Uma vez que foi aberta a vaga,eu entendi que com a experiência que eu tenhona advocacia, sala de aula, política classista emovimentos sociais tenho muito a contribuirpara o aperfeiçoamento da justiça”, ressalta.

Informações obtidas por meio de entrevista

SÔNIA MARIA CARNEIRO CAETANO FERNANDES
(OAB-GO 14248),
47 anos

Atuante na advocaciacível desde 1995 e professorade Direito Processual Civil

e Prática Jurídica, SôniaCaetano Fernandes desejacontribuir com o Poder

Judiciário por meio de novasinterpretações do mundojurídico, adquiridas por suaexperiência e estudo dastransformações constantesdo Direito. A advogada

levanta a bandeira dapacificação social, razão pelaqual colaborou para a criação da Medialle CâmaraPrivada de Mediação e Conciliação, da qual ocupa ocargo de diretora Jurídica. “Para mim, a implantaçãode políticas públicas de resolução pacífica de conflitos,favorecendo a desjudicialização de questões passíveisde Mediação, por meio da união de esforços entreparticulares e órgãos estatais, é a melhor maneirade se atender a hodierna concepção de celeridade,efetividade e justiça”, diz.

Informações obtidas por meio de entrevista

VICENTE LOPES DA ROCHA JÚNIOR
(OAB-GO 20 658),
39 anos

Vicente Lopes da Rocha Júnior é advogado há mais de 16 anos nas áreas deDireitoAdministrativo, Cível e Eleitoral. Ao se candidatar à vaga de desembargador,RochaJúnior destaca sua experiência na advocacia e enquanto juiz substituto do TribunalRegional Eleitoral (TRE) de Goiás como fundamental. Sua proposta inicial e lutarpara aproximar o Judiciário do advogado e do cidadão. “Penso queo desembargador,notadamente oriundo da advocacia, guarda todas as condições para promover essaaproximação. A gente faz isso quebrando um pouco o excesso de formalismo,permitindo o acesso do advogado aos juízes da forma mais ampla possível, ouvindoa classe e os pleitos da advocacia que, em última análise, correspondem também aos

interesses da Justiça e do Judiciário”, pondera.

Informações obtidas por meio de entrevista

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.