O mundo rende homenagens ao icônico compositor Johannes Brahms, no ano em que ele completaria 190 anos (1833-1897). Sua genialidade musical e influência no período romântico o tornaram um dos compositores mais notáveis de todos os tempos.

Nascido em Hamburgo, Alemanha, em  7 de maio de 1833,  Johannes Brahms deixou uma marca indelével na história da música. Sua extensa obra abrange uma variedade de gêneros, desde sinfonias e concertos até música de câmara, obras para piano, corais e canções. Sua habilidade técnica excepcional, uso complexo de estrutura musical e profunda expressão emocional são marcas registradas de suas composições.

Os “três B”: Beethoven; Bach e Brahms

Brahms é considerado como o herdeiro do legado deixado pelos grandes mestres alemães, como Beethoven e Bach, formando assim os famosos “três B” da história da música. Seu estilo musical combina elementos da tradição clássica com uma abordagem romântica, resultando em uma sonoridade única e inconfundível. Suas composições são caracterizadas por riqueza melódica, harmonias elaboradas e uma atenção cuidadosa à estrutura e ao desenvolvimento temático.

Joseph Joachim (1831-1907)

Ao longo da vida, Brahms desenvolveu estreitas amizades e colaborações com outros renomados músicos da época, como o virtuoso violinista Joseph Joachim (1831-1907) e o compositor Robert Schumann (1810-1856). Essas relações influenciaram sua música e moldaram seu crescimento como compositor.

Um dos aspectos mais intrigantes da vida de Brahms foi sua relação com Clara Schumann (1819-1896), esposa de Robert Schumann. Rumores de uma possível paixão entre eles nunca foram comprovados, mas a amizade e colaboração artística entre Brahms e Clara foram de extrema importância para o desenvolvimento de ambos. A correspondência entre os dois revela uma conexão intensa e ambígua em termos de emoções pessoais, deixando um legado duradouro e influenciando profundamente suas respectivas obras.

Entre as obras mais significativas e conhecidas de Brahms estão suas quatro sinfonias, cada uma representando uma conquista magistral por si só. Suas obras são profundas e complexas, explorando uma ampla gama de emoções e ideias musicais. Além disso, Brahms escreveu concertos para piano e violino, demonstrando sua maestria na composição para solista e orquestra.

Robert Schumann;  Johannes Brahms e Clara Schumann

A música de câmara também desempenha um papel significativo em sua obra. Seus quartetos de cordas, quintetos e sonatas para piano são altamente apreciados pela riqueza de expressão e complexidade contrapontística.

Anne-Sophie Mutter e Labert Okis

Celebrar seus 190 anos de nascimento, é uma oportunidade para apreciar sua genialidade musical e reconhecer Brahms como uma das figuras mais importantes e reverenciadas da música de concerto.

Ouviremos a Sonata n. 2 em lá Maior opus 100 para Violino e Piano com uma das violinistas mais celebres de nosso tempo, a alemã, Anne-Sophie Mutter (1963) e o pianista americano Labert Okis (1946).

 A Sonata para Violino e Piano, Op. 100 é a segunda das três que Brahms compôs. Foi escrita em 1886, no Lago Thun, na Suíça, onde o compositor passava os verões.

Observe o primeiro movimento, Allegro amabile, de caráter quase pastoral, a Sonata apresenta alguns momentos sombrios, especialmente no final.

https://www.youtube.com/watch?v=u62-h4su1aE