Euler de França Belém
Euler de França Belém

Rádio Jovem Pan inova e cria a PanFlix, plataforma online para suas atrações

A rádio contou com o apoio do YouTube para instalar sua Netflix, que vai contribuir para aumentar a audiência e o faturamento

O jornalismo mudou, está mudando e vai mudar muito mais. Jornais, revistas e emissoras de rádio e televisão estão descobrindo novos nichos. Para não ficarem trabalhando — de graça — para o Google e para o Facebook. A rádio Jovem Pan é um exemplo de percepção de uso adequado das novas (e, às vezes, nem tão novas) tecnologias. No lugar de mover guerras contra as redes sociais, ao contrário da “Folha de S. Paulo”, tornou-se uma insider — trocando o apocalipse pela integração. Os resultados são mais audiência e dinheiro na conta bancária — inclusive dos colaboradores.

Antônio Augusto Amaral de Carvalho Filho, o Tutinha: ampliando o raio de ação da Rádio Jovem Pan | Foto: Reprodução

Na edição da revista “Exame” que está nas bancas, a repórter Denyse Godoy, na matéria “Do rádio ao YouTube”, relata o sucesso da Jovem Pan — que se recusa a ser a Velha Pan. Tudo começou assim: o dono da rádio, Antônio Augusto Amaral de Carvalho Filho, o Tutinha, comprou uma câmera de vídeo…. e logo começou a colocar programas em vídeo na internet. “Com 1,6 milhão de assinantes, a emissora tornou-se a maior empresa brasileira de jornalismo ao vivo no YouTube.” O Google aponta-a “como um exemplo de reinvenção de veículo da mídia tradicional”.

Plataforma online

Radicalizando, a Jovem Pan se prepara para lançar a PanFlix, “uma plataforma online própria para suas atrações”, em maio deste ano.

Consciente de que o mundo é cada mais digital e que a esquerda não pode tudo, Tutinha levou para a Jovem Pan comentaristas que são ou estão mais próximos da direita, como o historiador Marco Antônio Villa e os jornalistas Rachel Sheherazade e Reinaldo Azevedo. Com um jornalismo qualificado e posicionado, sem enrolação, a audiência da emissora subiu e os vídeos começaram a ser compartilhados no Facebook e no WhatsApp. “A grande sacada da Jovem Pan foi olhar o perfil da audiência e moldar o conteúdo para esse público”, assinala o gerente de parcerias estratégicas de conteúdo do YouTube, Phillipe Carrasco. Quando o ex-presidente Lula da Silva foi preso, há um ano, “mais de 12 milhões de espectadores acompanharam a transmissão online dos programas da Jovem Pan mesmo com recursos visuais que não passavam de uma câmera no canto do estúdio”, relata a revista.

Rachel Sheherazade e Reinaldo Azevedo: suas polêmicas rendem audiência para a Jovem Pan

Tutinha frisa que “ideia era fazer uma TV Digital filmando o rádio. O sucesso de audiência nos encorajou a investir em vídeo”.

O grupo dirigido por Tutinha fatura 300 milhões de reais por ano. A participação da Jovem Pan é de 30%. “Com suas 82 afiliadas, a Jovem Pan atinge cerca de 2300 municípios. Em São Paulo, é a nona maior emissora, com um público médio de 61.286 ouvintes por minuto entre julho e setembro de 2018”, informa a “Exame”. Os dados são da Kantar Ibope Media. A produtora de filmes Vetor Zero, a organizadora de campeonatos esportivos BBL, a montadora de eventos Live e a empresa de animação Lobo têm participação de Tutinha-Jovem Pan. “A PanFlix é a nova aposta do grupo.”

Marco Antônio Villa: o historiador se tornou um comentarista polêmico | Foto: Reprodução

A prova de que o projeto da Jovem Pan é consistente é o apoio que obteve para articular a PanFlix. “Parte dos 20 milhões de reais que a Jovem Pan vai gastar para colocar a PanFlix no ar veio de uma iniciativa global do YouTube e está sendo usada principalmente na construção de novos estúdios na região da Avenida Paulista, onde fica a rádio”, registra a “Exame”. “A PanFlix vai funcionar como a Netflix do grupo Jovem Pan, com vídeos para o espectador assistir na hora que quiser. Poderá ser baixada em celulares, computadores, tablets e smartTVs. Vai oferecer tempo extra dos shows já exibidos no rádio e atrações criadas especialmente para a plataforma, como mesas-redondas. Enquanto a aceitação é testada, não cobrará assinatura. A remuneração de quem apresentar ou participar da programação deve ser uma porcentagem da receita auferida com anúncios.”

Em Goiás

A Rádio Jovem Pan em Goiás, sob a batuta do publicitário Marcos Vinicius Queiroz, ocupa cada vez mais espaço. O jornalista e publicitário Rosenwal Ferreira — sempre polêmico — é um dos colaboradores da emissora.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

roberta lima

com certeza será um sucesso!