Euler de França Belém
Euler de França Belém

Quando visitou Jataí, Juscelino Kubitschek já havia decidido que Brasília seria construída em Goiás

Livro de Costa Couto transforma em “lenda” o pedido de Toniquinho para que o presidente JK construísse a nova capital do país em território goiano

O presidente Juscelino Kubitschek, que governou o Brasil entre 1956 e 1961, pretendia mudar a capital federal do Rio de Janeiro para outro lugar — inicialmente, planejava a construção no Triângulo Mineiro — desde 1946. A história é contada no livro “Brasília Kubitschek de Oliveira” (Record, 399 páginas, de 2001), do historiador Ronaldo Costa Couto, doutor em História pela Sorbonne.

O túmulo que virou Céu para Juscelino

Na época, Juscelino Kubitschek e Israel Pinheiro eram deputados federais e a defesa da transferência foi feita nos debates da Constituinte. O engenheiro Lucas Lopes fez os estudos mostrando que a mudança era viável. A bancada de Goiás, sobretudo Pedro Ludovico, João d’Abreu e Diógenes Magalhães, “admite Goiânia como opção temporária, mas luta tenazmente pela alternativa Cruls, a que prevalece na votação final. Cinco votos a mais que o Triângulo Mineiro”. “O artigo quarto das Disposições Transitórias da Constituição de 18 de setembro de 1946 determina expressamente a transferência, mas não define data para a conclusão dos trabalhos técnicos e início das obras.” Ao assumir a Presidência, Juscelino acrescentou a construção de Brasília, a meta-síntese, “de última hora”, assustando os planejadores Lucas Lopes e Roberto Campos. Este disse que JK “incluiu um coelho tirado da própria cartola: Brasília”. Costa Couto assinala que, “para o presidente, a oposição só não barrou o projeto em 1956 por considerá-lo seu túmulo político. Ninguém acreditava que pudesse construir Brasília em menos de quatro anos. Ainda mais em pleno sertão”.

Em livro lançado em 2013, “O Essencial de JK — Visão e Grandeza, Paixão e Tristeza” (Planeta, 301 páginas), Costa Couto revisa a história de que a ideia de construir Brasília no território goiano foi decidida num comício de sua candidatura a presidente da República realizado em Jataí, no Sudoeste de Goiás, em 4 de abril de 1955, às 10h da manhã. Antes de publicar a nova versão, citemos no parágrafo abaixo um depoimento de Antônio Soares Neto, o Toniquinho da Farmácia.

Costa Couto recolhe depoimento de Toniquinho, na época (do encontro com JK) com 28 anos: “Veio uma palpitação no meu coração e eu fiz a pergunta. Já que ele estava falando tanto em cumprir a Constituição, perguntei se caso eleito fosse mudaria a capital, conforme estava previsto no artigo 4º das Disposições Transitórias [Constituição de 1946]. Ah, ele tomou um baita susto! Sofreu um impacto grande, muito grande. Ficou quase um minuto olhando de um lado pra outro. Então respondeu que a pergunta era muito oportuna e feliz, que aquilo realmente estava consignado na Constituição e que a partir daquele momento faria daquela ideia o objetivo principal de sua campanha e de sua administração, se eleito fosse. Quer dizer: Brasília passou a ser a meta-síntese de seu futuro governo. Aí o povo ficou encantado, gostou demais! Aplaudiu, foi um delírio total. Mas um delírio mesmo! Todo mundo feliz, gritando, aplaudindo, pulando. Parece que aquilo entusiasmou muito o candidato. Eu não tinha nenhuma experiência política. Aquilo foi uma predestinação política. A gente chega a pensar que foi uma iluminação vinda lá do Alto. Porque eu nem estava pensando naquilo. Quando ele aterrissou, não tinha prenúncio de chuva não. Mas quando o cortejo chegou lá na praça e foi anunciada a presença do candidato, começou a chover. Tudo repentino! Quando fui lá pra oficina, não sabia que ia ter discurso nem nada. Depois do comício, teve um almoço e ele mandou me chamar. Fomos apresentados, tiramos retrato. Daqui ele voou para Anápolis e lá já falou no novo compromisso. Ele voltou a Jataí dois anos depois, como presidente. Tornei a tirar retratos com ele, fui chamado para o palanque. Ficamos amigos”.

Toniquinho pediu a Juscelino Kubitschek para construir Brasília em território goiano

Em nenhum momento Costa Couto diz que Toniquinho está mentindo, porque o que ele conta é um fato. O historiador apenas nuança a história, acrescentando informações. Começa sua revisão histórica com uma pergunta: “Por que o primeiro comício no quase vazio goiano, de complicado acesso e escassos eleitores?” Poderia ter sido em Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Recife, Salvador e Porto Alegre. Disseram que “que foi por ser Jataí o município proporcionalmente mais pessedista do país”. Há quem acredite “que Juscelino quis prestigiar o amigo Serafim de Carvalho, chefe pessedista local, seu colega no curso de medicina em Minas”.

Ronaldo Costa Couto, doutor em história pela Sorbonne, é um dos principais estudiosos da vida de Juscelino Kubitschek

Interiorização do progresso e integração nacional

Feita a apresentação dos mitos, o historiador faz a ressalva crucial: “Com boa vontade e ingenuidade, até poderia ser”. Acrescentando o que avalia como mais pertinente: “Juscelino quis começar no coração do Brasil porque era o ambiente e o palco adequados para anunciar a construção da nova capital e a interiorização do progresso, com ênfase em energia e transportes. A futura Brasília, centro irradiador de civilização, de desenvolvimento e da integração nacional, seria a meta-síntese de seu sonhado governo”.

Portanto, ao contrário do que pregam os que acreditam na fábula de Jataí — o seriíssimo Toniquinho fez parte da trama, mas sem o saber —, “a decisão já estava tomada. O que houve em Jataí foi o anúncio do histórico compromisso do candidato. Mais: político hábil e pragmático, consciente da forte resistência à mudança da capital, principalmente no Rio, preferiu não tomar a iniciativa de revelá-la. Melhor fazê-lo perto do local previsto, ‘surpreendido’ por justa e espontânea cobrança popular. Coisa fácil de combinar ou induzir. Solução brilhante, engenhosa, politicamente mais palatável. In­clusive junto ao poder militar, guardião da Carta Magna e tão influente durante a Guerra Fria. Como um democrata, poderia se negar a cumprir o que a Constitui­ção mandava e o que povo cobrava?”

Mauro Borges, Juscelino Kubitschek (que foi senador por Goiás) e Pedro Ludovico Teixeira

Costa Couto garante que Juscelino “chegou a Jataí sabendo de tudo. Desde o sonho mudancista dos Inconfidentes Mineiros, que queriam a capital em São João del-Rei, aos trabalhos finais da Comissão de Localização criada por decreto de [Getúlio] Vargas de junho de 1953. Que estava acabara de receber o relatório técnico contratado com a empresa norte-americana Donald J. Belcher, que mapeara, analisara e avaliara cinco sítios mutuamente excludentes para sediar a nova capital, desenhados em cores diferentes. Que os membros da comissão estavam prestes a indicar qual deles seria escolhido. Que o governo de Goiás iria ao seu limite pela causa. Cinco meses antes, em visita de pré-campanha, havia tratado do assunto com o governador goiano Juca Ludovico, como revela, em outubro de 2010, o lúcido, lépido e irrequieto coronel Affonso Heliodoro dos Santos, 93 anos, presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Distrito Federal, subchefe da Casa Civil do presidente”.

O relato de Affonso Heliodoro: “Juscelino escolheu começar a campanha presidencial em Jataí e lá assumir o compromisso da construção e inauguração de Brasília de caso pensado. Ia fazê-la de qualquer jeito”.

[Publicado na edição 1998 do Jornal Opção, de 20 a 26 de outubro de 2013]

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

jose carlos salles

Esse maldito Juscelino como uma ideia do tempo do império, do maçom José Bonifácio, pois em plano a construção de Brasilia, endividando o estado, com desperdício de dinheiro público que poderia ter sido aplicado ao povo brasileiro. Há quase 60 anos atras, com certeza, o dinheiro gasto, inclusive, com corrupção daria para ter investido em educação, tecnologia e ciência e saúde, e o povo estaria em melhores condições do hoje. Foi um desperdício dinheiro jogado fora, sem motivo relevante. Foi o mesmo caso do dinheiro gasto com as copa do mundo e Olimpíadas. O país em situação calamitosa, vem um… Leia mais