Euler de França Belém
Euler de França Belém

O escritor Lobo Antunes postula que Clarice Lispector pode ter plagiado Virginia Woolf

“‘Per­to do Co­ra­ção Sel­va­gem’ é um pri­mei­ro li­vro mag­ní­fi­co, mas to­do o fi­nal é igual ao da Vir­gi­nia Wo­olf”, diz autor português

A li­te­ra­tu­ra por­tu­gue­sa atu­al é as­sim: de um la­do, Caim (Jo­sé Sa­ra­ma­go, o “mau” es­cri­tor) e, do ou­tro, Abel (An­tó­nio Lo­bo An­tu­nes, o “bom” es­cri­tor). Na prática, quem não adora ser ma­ni­queís­ta e pre­con­cei­tu­o­so? Em ter­mos es­tri­ta­men­te li­te­rá­rios, Lo­bo An­tu­nes é mais bri­lhan­te do que Sa­ra­ma­go (o Harry Pot­ter da clas­se mé­dia). O au­tor de “Caim” é mais re­no­ma­do do que o au­tor de “Me­mó­ria de Ele­fan­te” por­que ga­nhou o No­bel de Li­te­ra­tu­ra. O li­vro “Uma Lon­ga Vi­a­gem Com An­tó­nio Lo­bo An­tu­nes” (Por­to Edi­to­ra, 494 pá­gi­nas), de Jo­ão Céu e Sil­va, re­ve­la ou­tra fa­ce­ta do es­cri­tor: a de lei­tor ex­tre­ma­men­te pers­pi­caz, qua­se crí­ti­co li­te­rá­rio (e tão idiossincrático quanto qualquer outro leitor). A obra re­sul­ta de uma lon­ga en­tre­vis­ta.

Lo­bo An­tu­nes diz que gos­ta “mui­to” do es­cri­tor ame­ri­ca­no Wil­li­am Gad­dis (mor­reu em 1998, aos 76 anos), “que es­cre­veu só qua­tro li­vros”. Pes­qui­sei no si­te das li­vra­ri­as Tra­ves­sa (www.li­vra­ri­a­tra­ves­sa.com.br) e Cul­tu­ra (www.li­vra­ri­a­cul­tu­ra.com.br) e en­con­trei ape­nas li­vros em in­glês, es­pa­nhol, ita­li­a­no e ale­mão. O si­te Es­tan­te Vir­tu­al (www.es­tan­te­vir­tu­al.com.br), que reú­ne os me­lho­res se­bos do Bra­sil, re­gis­tra so­men­te um li­vro de Gad­dis em por­tu­guês: “Al­guém Lá Fo­ra Pa­ra­do” (Edi­to­ra Best Sel­ler, 289 pá­gi­nas).

O escritor tam­bém apre­cia “os pri­mei­ros li­vros” de Var­gas Llo­as; “Três Tris­tes Ti­gres”, de Guil­ler­mo Ca­bre­ra In­fan­te; al­guns li­vros de John Le Car­ré e os “dois úl­ti­mos li­vros” de Phi­lip Roth (as en­tre­vis­tas do li­vro fo­ram fei­tas em se­tem­bro de 2008). Sen­te in­ve­ja de Li­ev Tols­tói, Joseph Con­rad e Emily Bron­të, “por­que são es­cri­to­res que de fa­to es­pan­tam, que têm coi­sas mag­ní­fi­cas”. De “Sap­ho”, de Dau­det, Lo­bo An­tu­nes diz que “é a his­tó­ria de amor mais ex­tra­or­di­ná­ria. Aqui­lo é tão bem-fei­to, sem­pre es­cri­to à bei­ra do mau gos­to mas sem nun­ca ca­ir ne­le. (…) ‘Sap­ho’ é a his­tó­ria de amor que mais me emo­cio­nou”.

A uma per­gun­ta tra­di­cio­nal, “que li­vro le­va­ria pa­ra uma ilha de­ser­ta”, res­pon­deu de mo­do es­pi­ri­tuo­so: “Se fos­se pa­ra uma ilha de­ser­ta, le­va­va li­vros so­bre co­mo cons­tru­ir bar­cos!”.

Da ge­ra­ção de es­cri­to­res de sua ge­ra­ção, Lo­bo An­tu­nes ci­ta ape­nas dois que considera re­le­van­tes: Má­rio Cláu­dio e Lí­dia Jor­ge. “O mais do­ta­do pa­re­ce-me o Má­rio Cláu­dio, que é um es­cri­tor des­pre­ten­si­o­so, (…) um ho­mem sé­rio.”

As far­pas mais afi­a­das fi­cam pa­ra o es­cri­tor e jor­na­lis­ta Mi­guel Sou­sa Ta­va­res, au­tor do ce­le­bra­do “Equa­dor”. “Aque­le, o Sou­sa Ta­va­res, dis­se: ‘Tor­nei-me num es­cri­tor, sou um es­cri­tor’. Não é es­cri­tor ne­nhum! Nun­ca se­rá!”, ata­ca Lo­bo An­tu­nes.

O es­cri­tor pi­sa na literatura ao di­zer que Bukowski “é um ex­ce­len­te es­cri­tor”. Di­zê-lo me­di­a­no é mais do que ra­zo­á­vel.

Virginia Woolf e Clarice Lispector: literaturas parecidas, segundo escritor português

Clarice Lispector e Virginia Woolf

So­bre Cla­ri­ce Lis­pec­tor: “‘Per­to do Co­ra­ção Sel­va­gem’ é um pri­mei­ro li­vro mag­ní­fi­co, mas to­do o fi­nal é igual ao da Vir­gi­nia Wo­olf”. Lo­bo An­tu­nes ga­ran­te que no li­vro de Lis­pec­tor “há fra­ses in­tei­ras se­me­lhan­tes” ao ro­man­ce da au­to­ra in­gle­sa (de­ve­ria ter apre­sen­ta­do pe­lo me­nos al­gu­mas). Po­de-se fa­lar em plá­gio? Não. Por­que Lo­bo An­tu­nes não de­sen­vol­ve sua “te­se” de que a pro­sa de Lis­pec­tor de­ri­va mes­mo da pro­sa de Wo­olf. O que ve­ri­fi­ca co­mo “se­me­lhan­ças” po­dem ser in­flu­ên­cia e ins­pi­ra­ção. O fa­to é que dei­xou de ser “fã” da es­cri­to­ra bra­si­lei­ra.

Dos bra­si­lei­ros, Lo­bo An­tu­nes pre­fe­re os po­e­tas, so­bre­tu­do Car­los Drum­mond de An­dra­de e Jo­ão Ca­bral de Me­lo Ne­to.

[Texto de novembro de 2009]

 

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.