Euler de França Belém
Euler de França Belém

Motorista atropela e mata capivara perto do Clube Alphaville, em Goiânia

Fugindo do desmatamento e procurando alimentos, vários animais vivem nas matas de Goiânia. Mas eventualmente são atropelados

Capivara morta na GO-020, em Goiânia | Foto: Euler de França Belém/Jornal Opção

No Setor Jaó, há poucos dias, à noite, um repórter do Jornal Opção flagrou uma bela raposa, no asfalto mas ao lado de uma mata. Atentos, moradores do bairro estão adotando políticas de preservação. No Housing Flamboyant, a poucos metros do Autódromo Internacional de Goiás, um tamanduá e um ouriço costumam aparecer e os moradores chamam o Corpo de Bombeiros para recolhê-los. Nas proximidades dos condomínios Alphavilles Araguaia, Cruzeiro, Goiás e Ipê há matas e relativa abundância de água. Com certa frequência, é possível ver quatis, saruês e capivaras — além de várias espécies de pássaros. Não raro quatis e capivaras são atropelados por motoristas que, em alta velocidade, não conseguem desviar a tempo. Na terça-feira, 10, durante o dia, uma capivara adulta foi atropelada na GO-020, perto tanto do Clube do Alphaville quanto do Housing. Morreu rapidamente tal a força da pancada e ficou na pequena ilha durante toda a noite.

A fauna de Goiânia — sim, de Goiânia — precisa ser mais cuidada e protegida pelos órgãos públicos. Consta que está relativamente mapeada, mas permanece desprotegida. O desmatamento expulsa animais e alguns refugiam-se em determinadas áreas da capital, sobretudo onde ainda há matas que, além de protegê-los, fornecem algum tipo de alimento.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ELZE FILHO

Quem são os invasores, os animais ou os moradores dos condomínios? Se em Goiânia existisse um Plano Diretor para ser respeitado, locais como estes seriam preservados e os animais e vegetação estariam protegidos.