Euler de França Belém
Euler de França Belém

Morte do coronel Paulo Malhães comprova que mídia às vezes age como barata tonta

imprensa 6O jornalismo é a barata tonta da realidade. O coronel reformado do Exército Paulo Malhães (a cara de Saddam Hussein), depois de ter admitido que ele e alguns companheiros de caserna torturaram, mataram e deram fim aos corpos de guerrilheiros, foi “assassinado”. Na imprensa, em depoimentos, saíram várias versões. A esquerda prontamente apresentou a versão de “queima de arquivo”. A direita silenciou-se, mas, nos bastidores, não faltou quem dissesse que o militar poderia ter sido morto pela esquerda (haveria, entre os médicos cubanos, até agentes do G2 cubano no Brasil). Os jornais acolheram as várias versões — dando ênfase, é claro, à teoria da “queima de arquivo”, ancorada por várias “autoridades”. Em seguida, saiu a notícia de que o coronel morreu durante um assalto do qual participou o caseiro de seu sítio. O caseiro estaria participando de alguma conspiração? Aguardam-se os lances das baratas tontas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.