Euler de França Belém
Euler de França Belém

Hergé, criador de Tintin, foi “agente” dos comunistas chineses?

Livro de Roger Faligot mostra que o sistema de espionagem da China é poderoso. Georges “Hergé” Rémi pode ter sido um de seus “agentes” 

Publicado no Jornal Opção na edição de 9 a 15 de maio de 2010

Na edi­ção pas­sa­da, o di­plo­ma­ta brasileiro Guil­ler­mo Ri­ve­ra, tin­tó­fi­lo, co­men­tou uma no­ta a res­pei­to da su­pos­ta li­ga­ção do es­cri­tor e de­se­nhis­ta Her­gé (Ge­or­ges Ré­mi — 1907-1983) com os co­mu­nis­tas chi­nes­es. O re­la­ci­o­na­men­to é ex­pos­to no li­vro “O Ser­vi­ço Se­cre­to Chi­nês” (La­rous­se, 543 pá­gi­nas), do es­cri­tor e jor­na­lis­ta fran­cês Ro­ger Fa­li­got.

“O ca­so de ‘O Ló­tus Azul’ [de Her­gé] é um dos mais es­tra­nhos en­tre os que en­vol­ve­ram agen­tes do Ko­min­tern, os ser­vi­ços es­pe­ci­ais e re­des de in­flu­ên­cia de Zhou En­lai no do­mí­nio das ar­tes e da li­te­ra­tu­ra. É im­pres­sio­nan­te seu se­gre­do não ter si­do des­ven­da­do até ho­je”, re­la­ta Roger Fa­li­got. Por que o as­sun­to é pou­co in­ves­ti­ga­do? Su­ges­tões do es­pe­cia­lis­ta: “Is­so se de­ve à au­ra des­fru­ta­da por Her­gé na li­te­ra­tu­ra pa­ra cri­an­ças e nas his­tó­ri­as em qua­dri­nhos? Ou ao fa­to de que é di­fí­cil ima­gi­nar um au­tor de­se­nhis­ta, si­tu­a­do na ex­tre­ma di­rei­ta du­ran­te o en­tre­guer­ras, vol­tar-se pa­ra o ou­tro la­do, tal­vez até ser ma­ni­pu­la­do ou ins­tru­men­ta­li­za­do pe­los co­mu­nis­tas chi­nes­es? Por que não apro­fun­dar­mos pa­ra en­ten­der o con­tex­to no qual o sim­pá­ti­co Tchang [Tchong-jen] tor­nou-se ami­go de Her­gé e pas­sou a in­flu­en­ciá-lo?”

Tchang Tchong-jen e Hergé: amigos e supostos parceiros de espionagem? | Foto: Reprodução

Roger Fa­li­got diz que Tin­tin e Tchang são clo­nes de Her­gé e Tchang Tchong-jen. Ri­ve­ra apon­ta que, até “O Ló­tus Azul”, Her­gé não es­tu­da­va mui­to pa­ra es­cre­ver e de­se­nhar seus qua­dri­nhos. A in­for­ma­ção é con­fir­ma­da pe­la fran­cês: “Her­gé leu mui­to, an­tes de re­a­li­zar es­sa his­tó­ria em qua­dri­nhos, a mais do­cu­men­ta­da de to­da sua obra”. O au­tor res­sal­va: “Mas ele fi­cou fa­mo­so gra­ças ‘As Aven­tu­ras de Tin­tin no Pa­ís dos So­vi­e­tes’, no qual não es­con­de sua aver­são ao co­mu­nis­mo, sen­ti­men­to com­par­ti­lha­do com mei­os ca­tó­li­cos ex­tre­ma­men­te con­ser­va­do­res, pa­ra quem ele pu­bli­ca­va sua HQ em fo­lhe­tim, e com os es­pí­ri­tos li­vres da épo­ca” (Roger Fa­li­got re­fe­re-se aos não-sta­li­nis­tas).

Se a his­tó­ria so­bre os so­vi­é­ti­cos deu fa­ma ini­ci­al a Her­gé, “O Ló­tus Azul” ren­deu-lhe “a ce­le­bri­da­de”, por ter mais qua­li­da­de. “Ele con­ta a ba­ta­lha do cé­le­bre re­pór­ter con­tra os tra­fi­can­tes de dro­gas, em co­mum acor­do com o ser­vi­ço se­cre­to ja­po­nês, di­ri­gi­do pe­lo pér­fi­do Mit­su­hi­ra­to, e os im­pe­ri­a­lis­tas que rei­na­vam na con­ces­são in­ter­na­ci­o­nal (en­tre eles o po­li­ci­al Dawson, cal­ca­do em Pa­trick Gi­vens, o ir­lan­dês que che­fiou a Spe­ci­al Branch, bes­ta ne­gra dos co­mu­nis­tas de Xan­gai).”

Georges Rémi, o Hergé: grande criador de Tintin | Foto: Reprodução

Na ver­são de Roger Fa­li­got, “os ali­a­dos de Tin­tin na so­ci­e­da­de se­cre­ta ‘Fi­lhos do Céu’ e seu ami­go Tchang re­pre­sen­tam o po­vo chi­nês em seu con­jun­to, di­an­te dos ca­ta­clis­mos da guer­ra, no pa­pel de im­pe­ri­a­lis­tas oci­den­tais e ja­po­nes­es”.

“Por­tan­to”, afir­ma Roger Fa­li­got, “o li­vro” en­tu­si­as­mou “tan­to o Kuo­min­tang quan­to o Par­ti­do Co­mu­nis­ta [Chi­nês], so­bre­tu­do quan­do eles for­ja­ram uma no­va ali­an­ça. Os fa­tos fo­ram ti­ra­dos do no­ti­ci­á­rio: o fa­mo­so aten­ta­do de 18 de se­tem­bro de 1931 con­tra um trem, cau­sa da in­va­são ja­po­ne­sa na Man­chú­ria, é con­du­zi­do, na HQ, por Mit­su­hi­ra­to, mes­tre es­pi­ão (“Um ver­da­dei­ro ja­po­nês sem­pre sa­be de tu­do, se­nhor Tin­tin!”), có­pia do ver­da­dei­ro co­ro­nel Doi­ha­ra Ken­ji, che­fe da so­ci­e­da­de se­cre­ta cha­ma­da de Sei­ta do Dra­gão Ne­gro (o mes­mo dra­gão ne­gro que fi­gu­ra­va na ca­pa do li­vro)…”.

Roger Fa­li­got sus­ten­ta que as obras so­bre Her­gé não elu­ci­dam cer­tos enig­mas. “Pa­ra do­cu­men­tar-se so­bre ‘O Ló­tus Azul’, o ar­tis­ta bel­ga leu vá­ri­as obras, co­mo ‘Mi­nha Mãe’, do po­e­ta li­ber­tá­rio Tcheng Cheng. As­sim co­mo [André] Mal­raux, Her­gé pes­qui­sou o tes­te­mu­nho do ca­pi­tão Pick, ex-es­pi­ão do GRU [da Uni­ão So­vi­é­ti­ca] que pas­sa­ra pa­ra o la­do ini­mi­go e foi re­cru­ta­do por Gi­vens-Dawson, sem es­que­cer ‘Chi­na’, o li­vro-do­cu­men­tá­rio do es­cri­tor va­len­cia­no Vi­cen­te Blas­co-Iba­nez.”

Nas dé­ca­das de 1920 e 1930, os li­vros pu­bli­ca­dos na Eu­ro­pa eram, no ge­ral, hos­tis aos ja­po­nes­es. Al­guns con­ti­nham pro­pa­gan­da ha­bil­men­te ma­ni­pu­la­da pe­lo co­mu­nis­ta Wil­li Mün­zen­berg, do Ko­min­tern. Em 1927, em Bru­xe­las, Willi Mün­zen­berg cri­ou a Li­ga An­ti-Im­pe­ri­a­lis­ta, cu­jo pre­si­den­te era o fí­si­co Al­bert Eins­tein, com o apoio de Ho Chi Minh, An­dré Mal­raux e So­ong Ching-ling.

Roger Faligot: autor de livros que esmiuçam a espionagem da China | Foto: Reprodução

Ao per­der a mu­lher, o di­plo­ma­ta chi­nês Lou Tseng-Tsi­ang de­ci­diu ser mon­ge, na Bél­gi­ca, com o no­me de dom Pi­er­re-Cé­les­tin Lou. “Foi gra­ças a” dom Cé­les­tin, ami­go de Ching-ling, “que”, em 1º de agos­to de 1934, em Bru­xe­las, “Ge­or­ges Ré­mi, ou Her­gé, en­con­trou Tchang Tchong-jen, jo­vem es­tu­dan­te na Aca­de­mia Re­al de Be­las-Ar­tes. Pro­ce­den­te de Xan­gai três anos an­tes, ele aju­dou Her­gé a con­ce­ber ‘As Aven­tu­ras de Tin­tin no Ex­tre­mo Ori­en­te’ (tí­tu­lo ini­ci­al do ál­bum), lan­ça­do em fo­lhe­tim na­que­le ano na re­vis­ta ‘Le Pe­tit Ving­ti­è­me’. Pa­ra en­ri­que­cer a do­cu­men­ta­ção de Her­gé, dom Cé­les­tin em­pres­tou-lhe o li­vro que pu­bli­ca­ra no ano an­te­ri­or: ‘In­va­são e Ocu­pa­ção da Man­chú­ria’”.

Tchang, o ami­go de Her­gé, era de di­rei­ta ou co­mu­nis­ta? Roger Fa­li­got con­ta que seu me­lhor ami­go em Bru­xe­las, Tong Diz­hou, mais tar­de se tor­nou mem­bro do Par­ti­do Co­mu­nis­ta Chi­nês. O jor­na­lis­ta diz não ter cer­te­za se, na Bél­gi­ca, Tong já era fi­li­a­do ao PCC. “Ele po­de­ria mui­to bem ser um al­to dig­ni­tá­rio do re­gi­me no pla­no ci­en­tí­fi­co, as­sim co­mo Tchang [o ami­go de Her­gé] po­de­ria ser um for­te as­so­cia­do ao co­mu­nis­mo, con­tra­ri­a­men­te ao que se ten­tou fa­zer crer de­pois. Em 1934, an­tes mes­mo de es­ta­be­le­cer uma só­li­da ami­za­de com Her­gé, o jo­vem ar­tis­ta chi­nês in­di­cou-lhe os le­mas dos mu­ros de Xan­gai que de­ve­ri­am fi­gu­rar em chi­nês em seu li­vro, e até os es­cre­veu na ca­li­gra­fia chi­ne­sa. Be­noit Pe­e­ters, em sua bi­o­gra­fia ‘Her­gé, Fi­lho de Tin­tin’, tem ra­zão ao afir­mar: ‘O Ló­tus Azul’ ‘es­tá sal­pi­ca­do de ins­cri­ções tra­ça­das pe­lo pró­prio Tchang, que acen­tuam o tom po­lí­ti­co da nar­ra­ti­va’.”

As tra­du­ções das ins­cri­ções que “apa­re­cem com fre­quên­cia no li­vro” — “Abo­li­ção dos tra­ta­dos de­si­gua­is!”, “Abai­xo o im­pe­ri­a­lis­mo!” e “Boi­co­te às mer­ca­do­ri­as ja­po­ne­sas” — eram slo­gans co­mu­nis­tas. O que sig­ni­fi­cam? Re­fle­tem “o con­tex­to ge­ral no qual o ál­bum foi con­ce­bi­do”.

Com seu es­pí­ri­to de­te­ti­ves­co, Fa­li­got se pro­põe a exa­mi­nar o que cha­ma de ou­tro enig­ma: “Quan­do Tin­tin dei­xa Xan­gai, vai pa­ra o ‘ple­no ter­ri­tó­rio chi­nês’ (se­gun­do o li­vro). ‘En­quan­to es­ti­ver lá, não po­de­mos fa­zer na­da con­tra ele!’, de­cla­ra o ge­ne­ral ja­po­nês Ha­ra­nos­hi, que ten­ta cap­tu­rá-lo. Es­se ter­ri­tó­rio es­ta­va efe­ti­va­men­te li­be­ra­do de res­tri­ções hos­tis. Mas de quem? Dos ja­po­nes­es, dos im­pe­ri­a­lis­tas fran­co-in­gles­es e… do Kuo­min­tang! De fa­to, a al­deia inun­da­da on­de Tin­tin sal­vou o jo­vem Tchang das águas cha­ma­va-se Hou Kou. Ora, em 1931, tem­po da nar­ra­ti­va de Her­gé, es­se lu­gar de Ji­ang­xi era o cen­tro dos pri­mei­ros so­vi­e­tes ru­ra­is de Mao Ze­dong [Mao Tsé-tung], on­de o em­bri­ão do Exér­ci­to Ver­me­lho era di­ri­gi­do por (…) Chen Yi, (…) que fez par­te do cír­cu­lo clan­des­ti­no de Zhou En­lai [Chu En-Lai]. Sim­ples co­in­ci­dên­cia ou co­nhe­ci­men­to de cam­po ex­tre­ma­men­te re­fi­na­do da par­te de Tchang? Is­so nun­ca foi evo­ca­do”.

Um dos pon­tos ci­ta­dos pe­lo di­plo­ma­ta Ri­ve­ra é dis­cu­ti­do com cui­da­do por Roger Fa­li­got: “Te­ria si­do Her­gé ma­ni­pu­la­do? Cer­ta­men­te não, mas tal­vez ins­tru­men­ta­li­za­do pe­la pro­pa­gan­da do PCC e sua po­lí­ti­ca de ‘fren­te uni­da’ [am­pla]. O li­vro an­ti­ja­po­nês, que pro­vo­cou a ira dos pró-ni­pô­ni­cos em Bru­xe­las, era con­ve­nien­te tam­bém ao Kuo­min­tang. Mais tar­de, em 1939, So­ong May-ling, ou Ma­da­me Chi­ang Kai-shek, con­vi­da­ria Her­gé pa­ra vi­si­tar a Chi­na, pa­gan­do su­as des­pe­sas. O con­vi­te fi­cou sem res­pos­ta, por cau­sa da guer­ra na Eu­ro­pa. O pai de Tin­tin per­deu o ras­tro de Tchang, que vi­veu os tor­men­tos da ocu­pa­ção das tro­pas de Hi­ro­hi­to em Xan­gai. A re­a­li­da­de ul­tra­pas­sou a fic­ção”.

Georges Rémi, imortalizado como Hergé | Foto: Reprodução

Em 1949, quan­do os co­mu­nis­tas to­ma­ram o po­der, o ma­re­chal Chen Yi in­va­de Xan­gai e man­da exe­cu­tar 100 mil pes­so­as, “in­clu­in­do vá­rios mem­bros das so­ci­e­da­des se­cre­tas evo­ca­das em ‘O Ló­tus Azul’”. Se­gun­do Fa­li­got, “Tchang era ti­do em boa con­ta pe­las au­to­ri­da­des co­mu­nis­tas. Nos anos 50, Chen Yi, pre­fei­to de Xan­gai, or­ga­ni­zou um co­mi­tê pa­ra es­co­lher al­guns ar­tis­tas pa­ra aten­der o go­ver­no. Ele se as­so­ciou (…) a Pan Han­nian (…) e (…) Ma­da­me So­ong Ching-ling, vi­ce-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Po­pu­lar. Co­mo re­co­nhe­ce­ria o pró­prio Tchang, ele foi se­le­ci­o­na­do co­mo ar­tis­ta ofi­ci­al. En­co­men­da­vam-lhe obras, es­cul­tu­ras e pin­tu­ras”.

Tchang di­zia que os bu­ro­cra­tas afir­ma­vam que sua obra não con­ti­nha re­fle­xão po­lí­ti­ca, ou se­ja, não era en­ga­ja­da o su­fi­ci­en­te. Mes­mo as­sim, re­gis­tra Roger Fa­li­got, “o PCC o con­fir­mou no tra­ba­lho a fa­vor do ‘re­a­lis­mo so­ci­a­lis­ta’”. Em 1966, du­ran­te a Re­vo­lu­ção Cul­tu­ral (que na­da ti­nha de cul­tu­ral), com seu pro­te­tor Chen Yi em des­gra­ça jun­to à Gan­gue dos Qua­tro, Tchang sub­mer­giu. Vol­tou à to­na, em 1981, “com a gran­de mu­dan­ça re­a­li­za­da por Deng Xi­ao­ping. Foi nes­sa épo­ca que Her­gé ten­tou re­en­con­trar o ami­go Tchang, trans­for­ma­do por ele em he­rói de um no­vo li­vro, ‘Tin­tin no Ti­bete’”.

Hergé e Tchang Tchong-jen quando jovens: amizade antiga | Foto: Reprodução

A ro­man­cis­ta Han Suyin, ami­ga de Zhou En­lai, lo­ca­li­zou Tchang e, com o apoio de Deng Xi­ao­ping, e con­se­guiu per­mis­são pa­ra que vi­a­jas­se à Bél­gi­ca. O en­con­tro de Tchang e Her­gé “foi emo­cio­nan­te”, se­gun­do Roger Fa­li­got. “Os fãs de Tin­tin fi­ca­ram per­ple­xos. Ao fi­nal des­sa aven­tu­ra, po­de­rí­a­mos es­cre­ver a pa­la­vra ‘Fim’. O Par­ti­do Co­mu­nis­ta Chi­nês tam­bém es­ta­va per­ple­xo, pois, en­quan­to os li­vros de ‘Ding Ding’ era pu­bli­ca­dos na Chi­na, su­as aven­tu­ras co­in­ci­di­am com as pa­la­vras de or­dem sem­pre pre­co­ni­za­das pe­lo par­ti­do: ‘Uti­li­zar os es­tran­gei­ros pa­ra que sir­vam à Chi­na’ e ‘Uti­li­zar a for­ça es­tran­gei­ra pa­ra efe­tu­ar pro­pa­gan­da em fa­vor da Chi­na’.”

Quem qui­ser co­nhe­cer mais a his­tó­ria de Ge­or­ges Ré­mi de­ve ler a bi­o­gra­fia “Her­gé” (1966), de Pi­er­re As­sou­li­ne.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.