Euler de França Belém
Euler de França Belém

Hergé, criador de Tintin, foi “agente” dos comunistas chineses?

Livro de Roger Faligot mostra que o sistema de espionagem da China é poderoso. Georges “Hergé” Rémi pode ter sido um de seus “agentes” 

Publicado no Jornal Opção na edição de 9 a 15 de maio de 2010

Na edi­ção pas­sa­da, o di­plo­ma­ta brasileiro Guil­ler­mo Ri­ve­ra, tin­tó­fi­lo, co­men­tou uma no­ta a res­pei­to da su­pos­ta li­ga­ção do es­cri­tor e de­se­nhis­ta Her­gé (Ge­or­ges Ré­mi — 1907-1983) com os co­mu­nis­tas chi­nes­es. O re­la­ci­o­na­men­to é ex­pos­to no li­vro “O Ser­vi­ço Se­cre­to Chi­nês” (La­rous­se, 543 pá­gi­nas), do es­cri­tor e jor­na­lis­ta fran­cês Ro­ger Fa­li­got.

“O ca­so de ‘O Ló­tus Azul’ [de Her­gé] é um dos mais es­tra­nhos en­tre os que en­vol­ve­ram agen­tes do Ko­min­tern, os ser­vi­ços es­pe­ci­ais e re­des de in­flu­ên­cia de Zhou En­lai no do­mí­nio das ar­tes e da li­te­ra­tu­ra. É im­pres­sio­nan­te seu se­gre­do não ter si­do des­ven­da­do até ho­je”, re­la­ta Roger Fa­li­got. Por que o as­sun­to é pou­co in­ves­ti­ga­do? Su­ges­tões do es­pe­cia­lis­ta: “Is­so se de­ve à au­ra des­fru­ta­da por Her­gé na li­te­ra­tu­ra pa­ra cri­an­ças e nas his­tó­ri­as em qua­dri­nhos? Ou ao fa­to de que é di­fí­cil ima­gi­nar um au­tor de­se­nhis­ta, si­tu­a­do na ex­tre­ma di­rei­ta du­ran­te o en­tre­guer­ras, vol­tar-se pa­ra o ou­tro la­do, tal­vez até ser ma­ni­pu­la­do ou ins­tru­men­ta­li­za­do pe­los co­mu­nis­tas chi­nes­es? Por que não apro­fun­dar­mos pa­ra en­ten­der o con­tex­to no qual o sim­pá­ti­co Tchang [Tchong-jen] tor­nou-se ami­go de Her­gé e pas­sou a in­flu­en­ciá-lo?”

Tchang Tchong-jen e Hergé: amigos e supostos parceiros de espionagem? | Foto: Reprodução

Roger Fa­li­got diz que Tin­tin e Tchang são clo­nes de Her­gé e Tchang Tchong-jen. Ri­ve­ra apon­ta que, até “O Ló­tus Azul”, Her­gé não es­tu­da­va mui­to pa­ra es­cre­ver e de­se­nhar seus qua­dri­nhos. A in­for­ma­ção é con­fir­ma­da pe­la fran­cês: “Her­gé leu mui­to, an­tes de re­a­li­zar es­sa his­tó­ria em qua­dri­nhos, a mais do­cu­men­ta­da de to­da sua obra”. O au­tor res­sal­va: “Mas ele fi­cou fa­mo­so gra­ças ‘As Aven­tu­ras de Tin­tin no Pa­ís dos So­vi­e­tes’, no qual não es­con­de sua aver­são ao co­mu­nis­mo, sen­ti­men­to com­par­ti­lha­do com mei­os ca­tó­li­cos ex­tre­ma­men­te con­ser­va­do­res, pa­ra quem ele pu­bli­ca­va sua HQ em fo­lhe­tim, e com os es­pí­ri­tos li­vres da épo­ca” (Roger Fa­li­got re­fe­re-se aos não-sta­li­nis­tas).

Se a his­tó­ria so­bre os so­vi­é­ti­cos deu fa­ma ini­ci­al a Her­gé, “O Ló­tus Azul” ren­deu-lhe “a ce­le­bri­da­de”, por ter mais qua­li­da­de. “Ele con­ta a ba­ta­lha do cé­le­bre re­pór­ter con­tra os tra­fi­can­tes de dro­gas, em co­mum acor­do com o ser­vi­ço se­cre­to ja­po­nês, di­ri­gi­do pe­lo pér­fi­do Mit­su­hi­ra­to, e os im­pe­ri­a­lis­tas que rei­na­vam na con­ces­são in­ter­na­ci­o­nal (en­tre eles o po­li­ci­al Dawson, cal­ca­do em Pa­trick Gi­vens, o ir­lan­dês que che­fiou a Spe­ci­al Branch, bes­ta ne­gra dos co­mu­nis­tas de Xan­gai).”

Georges Rémi, o Hergé: grande criador de Tintin | Foto: Reprodução

Na ver­são de Roger Fa­li­got, “os ali­a­dos de Tin­tin na so­ci­e­da­de se­cre­ta ‘Fi­lhos do Céu’ e seu ami­go Tchang re­pre­sen­tam o po­vo chi­nês em seu con­jun­to, di­an­te dos ca­ta­clis­mos da guer­ra, no pa­pel de im­pe­ri­a­lis­tas oci­den­tais e ja­po­nes­es”.

“Por­tan­to”, afir­ma Roger Fa­li­got, “o li­vro” en­tu­si­as­mou “tan­to o Kuo­min­tang quan­to o Par­ti­do Co­mu­nis­ta [Chi­nês], so­bre­tu­do quan­do eles for­ja­ram uma no­va ali­an­ça. Os fa­tos fo­ram ti­ra­dos do no­ti­ci­á­rio: o fa­mo­so aten­ta­do de 18 de se­tem­bro de 1931 con­tra um trem, cau­sa da in­va­são ja­po­ne­sa na Man­chú­ria, é con­du­zi­do, na HQ, por Mit­su­hi­ra­to, mes­tre es­pi­ão (“Um ver­da­dei­ro ja­po­nês sem­pre sa­be de tu­do, se­nhor Tin­tin!”), có­pia do ver­da­dei­ro co­ro­nel Doi­ha­ra Ken­ji, che­fe da so­ci­e­da­de se­cre­ta cha­ma­da de Sei­ta do Dra­gão Ne­gro (o mes­mo dra­gão ne­gro que fi­gu­ra­va na ca­pa do li­vro)…”.

Roger Fa­li­got sus­ten­ta que as obras so­bre Her­gé não elu­ci­dam cer­tos enig­mas. “Pa­ra do­cu­men­tar-se so­bre ‘O Ló­tus Azul’, o ar­tis­ta bel­ga leu vá­ri­as obras, co­mo ‘Mi­nha Mãe’, do po­e­ta li­ber­tá­rio Tcheng Cheng. As­sim co­mo [André] Mal­raux, Her­gé pes­qui­sou o tes­te­mu­nho do ca­pi­tão Pick, ex-es­pi­ão do GRU [da Uni­ão So­vi­é­ti­ca] que pas­sa­ra pa­ra o la­do ini­mi­go e foi re­cru­ta­do por Gi­vens-Dawson, sem es­que­cer ‘Chi­na’, o li­vro-do­cu­men­tá­rio do es­cri­tor va­len­cia­no Vi­cen­te Blas­co-Iba­nez.”

Nas dé­ca­das de 1920 e 1930, os li­vros pu­bli­ca­dos na Eu­ro­pa eram, no ge­ral, hos­tis aos ja­po­nes­es. Al­guns con­ti­nham pro­pa­gan­da ha­bil­men­te ma­ni­pu­la­da pe­lo co­mu­nis­ta Wil­li Mün­zen­berg, do Ko­min­tern. Em 1927, em Bru­xe­las, Willi Mün­zen­berg cri­ou a Li­ga An­ti-Im­pe­ri­a­lis­ta, cu­jo pre­si­den­te era o fí­si­co Al­bert Eins­tein, com o apoio de Ho Chi Minh, An­dré Mal­raux e So­ong Ching-ling.

Roger Faligot: autor de livros que esmiuçam a espionagem da China | Foto: Reprodução

Ao per­der a mu­lher, o di­plo­ma­ta chi­nês Lou Tseng-Tsi­ang de­ci­diu ser mon­ge, na Bél­gi­ca, com o no­me de dom Pi­er­re-Cé­les­tin Lou. “Foi gra­ças a” dom Cé­les­tin, ami­go de Ching-ling, “que”, em 1º de agos­to de 1934, em Bru­xe­las, “Ge­or­ges Ré­mi, ou Her­gé, en­con­trou Tchang Tchong-jen, jo­vem es­tu­dan­te na Aca­de­mia Re­al de Be­las-Ar­tes. Pro­ce­den­te de Xan­gai três anos an­tes, ele aju­dou Her­gé a con­ce­ber ‘As Aven­tu­ras de Tin­tin no Ex­tre­mo Ori­en­te’ (tí­tu­lo ini­ci­al do ál­bum), lan­ça­do em fo­lhe­tim na­que­le ano na re­vis­ta ‘Le Pe­tit Ving­ti­è­me’. Pa­ra en­ri­que­cer a do­cu­men­ta­ção de Her­gé, dom Cé­les­tin em­pres­tou-lhe o li­vro que pu­bli­ca­ra no ano an­te­ri­or: ‘In­va­são e Ocu­pa­ção da Man­chú­ria’”.

Tchang, o ami­go de Her­gé, era de di­rei­ta ou co­mu­nis­ta? Roger Fa­li­got con­ta que seu me­lhor ami­go em Bru­xe­las, Tong Diz­hou, mais tar­de se tor­nou mem­bro do Par­ti­do Co­mu­nis­ta Chi­nês. O jor­na­lis­ta diz não ter cer­te­za se, na Bél­gi­ca, Tong já era fi­li­a­do ao PCC. “Ele po­de­ria mui­to bem ser um al­to dig­ni­tá­rio do re­gi­me no pla­no ci­en­tí­fi­co, as­sim co­mo Tchang [o ami­go de Her­gé] po­de­ria ser um for­te as­so­cia­do ao co­mu­nis­mo, con­tra­ri­a­men­te ao que se ten­tou fa­zer crer de­pois. Em 1934, an­tes mes­mo de es­ta­be­le­cer uma só­li­da ami­za­de com Her­gé, o jo­vem ar­tis­ta chi­nês in­di­cou-lhe os le­mas dos mu­ros de Xan­gai que de­ve­ri­am fi­gu­rar em chi­nês em seu li­vro, e até os es­cre­veu na ca­li­gra­fia chi­ne­sa. Be­noit Pe­e­ters, em sua bi­o­gra­fia ‘Her­gé, Fi­lho de Tin­tin’, tem ra­zão ao afir­mar: ‘O Ló­tus Azul’ ‘es­tá sal­pi­ca­do de ins­cri­ções tra­ça­das pe­lo pró­prio Tchang, que acen­tuam o tom po­lí­ti­co da nar­ra­ti­va’.”

As tra­du­ções das ins­cri­ções que “apa­re­cem com fre­quên­cia no li­vro” — “Abo­li­ção dos tra­ta­dos de­si­gua­is!”, “Abai­xo o im­pe­ri­a­lis­mo!” e “Boi­co­te às mer­ca­do­ri­as ja­po­ne­sas” — eram slo­gans co­mu­nis­tas. O que sig­ni­fi­cam? Re­fle­tem “o con­tex­to ge­ral no qual o ál­bum foi con­ce­bi­do”.

Com seu es­pí­ri­to de­te­ti­ves­co, Fa­li­got se pro­põe a exa­mi­nar o que cha­ma de ou­tro enig­ma: “Quan­do Tin­tin dei­xa Xan­gai, vai pa­ra o ‘ple­no ter­ri­tó­rio chi­nês’ (se­gun­do o li­vro). ‘En­quan­to es­ti­ver lá, não po­de­mos fa­zer na­da con­tra ele!’, de­cla­ra o ge­ne­ral ja­po­nês Ha­ra­nos­hi, que ten­ta cap­tu­rá-lo. Es­se ter­ri­tó­rio es­ta­va efe­ti­va­men­te li­be­ra­do de res­tri­ções hos­tis. Mas de quem? Dos ja­po­nes­es, dos im­pe­ri­a­lis­tas fran­co-in­gles­es e… do Kuo­min­tang! De fa­to, a al­deia inun­da­da on­de Tin­tin sal­vou o jo­vem Tchang das águas cha­ma­va-se Hou Kou. Ora, em 1931, tem­po da nar­ra­ti­va de Her­gé, es­se lu­gar de Ji­ang­xi era o cen­tro dos pri­mei­ros so­vi­e­tes ru­ra­is de Mao Ze­dong [Mao Tsé-tung], on­de o em­bri­ão do Exér­ci­to Ver­me­lho era di­ri­gi­do por (…) Chen Yi, (…) que fez par­te do cír­cu­lo clan­des­ti­no de Zhou En­lai [Chu En-Lai]. Sim­ples co­in­ci­dên­cia ou co­nhe­ci­men­to de cam­po ex­tre­ma­men­te re­fi­na­do da par­te de Tchang? Is­so nun­ca foi evo­ca­do”.

Um dos pon­tos ci­ta­dos pe­lo di­plo­ma­ta Ri­ve­ra é dis­cu­ti­do com cui­da­do por Roger Fa­li­got: “Te­ria si­do Her­gé ma­ni­pu­la­do? Cer­ta­men­te não, mas tal­vez ins­tru­men­ta­li­za­do pe­la pro­pa­gan­da do PCC e sua po­lí­ti­ca de ‘fren­te uni­da’ [am­pla]. O li­vro an­ti­ja­po­nês, que pro­vo­cou a ira dos pró-ni­pô­ni­cos em Bru­xe­las, era con­ve­nien­te tam­bém ao Kuo­min­tang. Mais tar­de, em 1939, So­ong May-ling, ou Ma­da­me Chi­ang Kai-shek, con­vi­da­ria Her­gé pa­ra vi­si­tar a Chi­na, pa­gan­do su­as des­pe­sas. O con­vi­te fi­cou sem res­pos­ta, por cau­sa da guer­ra na Eu­ro­pa. O pai de Tin­tin per­deu o ras­tro de Tchang, que vi­veu os tor­men­tos da ocu­pa­ção das tro­pas de Hi­ro­hi­to em Xan­gai. A re­a­li­da­de ul­tra­pas­sou a fic­ção”.

Georges Rémi, imortalizado como Hergé | Foto: Reprodução

Em 1949, quan­do os co­mu­nis­tas to­ma­ram o po­der, o ma­re­chal Chen Yi in­va­de Xan­gai e man­da exe­cu­tar 100 mil pes­so­as, “in­clu­in­do vá­rios mem­bros das so­ci­e­da­des se­cre­tas evo­ca­das em ‘O Ló­tus Azul’”. Se­gun­do Fa­li­got, “Tchang era ti­do em boa con­ta pe­las au­to­ri­da­des co­mu­nis­tas. Nos anos 50, Chen Yi, pre­fei­to de Xan­gai, or­ga­ni­zou um co­mi­tê pa­ra es­co­lher al­guns ar­tis­tas pa­ra aten­der o go­ver­no. Ele se as­so­ciou (…) a Pan Han­nian (…) e (…) Ma­da­me So­ong Ching-ling, vi­ce-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Po­pu­lar. Co­mo re­co­nhe­ce­ria o pró­prio Tchang, ele foi se­le­ci­o­na­do co­mo ar­tis­ta ofi­ci­al. En­co­men­da­vam-lhe obras, es­cul­tu­ras e pin­tu­ras”.

Tchang di­zia que os bu­ro­cra­tas afir­ma­vam que sua obra não con­ti­nha re­fle­xão po­lí­ti­ca, ou se­ja, não era en­ga­ja­da o su­fi­ci­en­te. Mes­mo as­sim, re­gis­tra Roger Fa­li­got, “o PCC o con­fir­mou no tra­ba­lho a fa­vor do ‘re­a­lis­mo so­ci­a­lis­ta’”. Em 1966, du­ran­te a Re­vo­lu­ção Cul­tu­ral (que na­da ti­nha de cul­tu­ral), com seu pro­te­tor Chen Yi em des­gra­ça jun­to à Gan­gue dos Qua­tro, Tchang sub­mer­giu. Vol­tou à to­na, em 1981, “com a gran­de mu­dan­ça re­a­li­za­da por Deng Xi­ao­ping. Foi nes­sa épo­ca que Her­gé ten­tou re­en­con­trar o ami­go Tchang, trans­for­ma­do por ele em he­rói de um no­vo li­vro, ‘Tin­tin no Ti­bete’”.

Hergé e Tchang Tchong-jen quando jovens: amizade antiga | Foto: Reprodução

A ro­man­cis­ta Han Suyin, ami­ga de Zhou En­lai, lo­ca­li­zou Tchang e, com o apoio de Deng Xi­ao­ping, e con­se­guiu per­mis­são pa­ra que vi­a­jas­se à Bél­gi­ca. O en­con­tro de Tchang e Her­gé “foi emo­cio­nan­te”, se­gun­do Roger Fa­li­got. “Os fãs de Tin­tin fi­ca­ram per­ple­xos. Ao fi­nal des­sa aven­tu­ra, po­de­rí­a­mos es­cre­ver a pa­la­vra ‘Fim’. O Par­ti­do Co­mu­nis­ta Chi­nês tam­bém es­ta­va per­ple­xo, pois, en­quan­to os li­vros de ‘Ding Ding’ era pu­bli­ca­dos na Chi­na, su­as aven­tu­ras co­in­ci­di­am com as pa­la­vras de or­dem sem­pre pre­co­ni­za­das pe­lo par­ti­do: ‘Uti­li­zar os es­tran­gei­ros pa­ra que sir­vam à Chi­na’ e ‘Uti­li­zar a for­ça es­tran­gei­ra pa­ra efe­tu­ar pro­pa­gan­da em fa­vor da Chi­na’.”

Quem qui­ser co­nhe­cer mais a his­tó­ria de Ge­or­ges Ré­mi de­ve ler a bi­o­gra­fia “Her­gé” (1966), de Pi­er­re As­sou­li­ne.

Uma resposta para “Hergé, criador de Tintin, foi “agente” dos comunistas chineses?”

  1. Qualquer um que pretenda atingir rapidamente os seus 15 minutos de fama só tem mesmo de proferir as palavras “racista”, “colaboracionista” e/ou “misógino” a propósito de Hergé. Agora inventaram o de espião chinês. O nome do pai de Tintin é tão grande que o crítico sempre consegue alguma atenção.
    Porém, como neste caso, sem fundamento. Hergé foi um cronista do séc. XX. Pelas aventuras de Tintin conseguimos traçar um retrato político e social do planeta Terra do século passado. Pretextar intenções ao incluir de factos históricos em Tintin é simplesmente abusivo. Será necessário um pouco mais de espaço que o destes comentários para explanar a relação de Hergé com Tchang, como ela sucedeu e se desenvolveu. Ao não referir o nome dos Padres Gosset e Neut cai por terra a teoria da espionagem. Mas vendeu o livro, que era o que interessava ao autor. Basta ler Benoît Peeters, Phillipe Goddin, Thierry Smolderen e Pierre Sterckx ou Numa Sadoul para ficar a ter uma ideia . Assouline é outro dos que verga os factos às “narrativas” que entende vender.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.