Garcia-Roza é um poderoso mestre do gênero policial

Suas personagens são tão de carne e osso que lhes sentimos o cheiro e suas tramas são tão intricadas como as da vida real

Ray Cunha

Todo leitor inveterado elege um time de escritores dos quais gostaria de ter sido, ou de ser amigo, conviver com eles, enfim, de fazer parte de suas vidas, por uma razão fundamental: as muitas coisas que têm em comum, além das experiências que ambos viveram juntos. Às vezes, temos a sorte de termos alguém assim, como é meu caso com Fernando Canto, contista e ensaísta amapaense.

Luiz Alfredo Garcia-Roza: escritor, ensaísta e psicanalista | Foto: Reprodução

E há os escritores favoritos de quem gostaríamos de ser amigos, mas que não há a menor possibilidade de nos aproximarmos deles, ou de o acompanharmos, ou já morreram. Por exemplo: eu gostaria de conviver, mesmo que fosse só por algum tempo, com Paulo Coelho. Acho que ele me ensinaria uma pá de coisas, mas, além de não haver nenhuma ponte que me leve a ele, eu não teria recursos para acompanhá-lo, por mais que surgisse oportunidade para isso.

Dos que já morreram, há dois, principalmente, com quem gostaria de ter convivido: Ernest Hemingway e Gabriel García Márquez. Com Hemingway, provavelmente eu teria morrido de tanto beber, ou de cansaço durante uma pescaria longa ao marlim azul. Mas, até lá, teria batido muito papo com ele na Finca Vigia, em Havana, Cuba, ou em Paris, ou na África. Papo de dias, conversando sobre tudo, inclusive literatura, escritores, bebida, é claro, boxe, peixes e, certamente, mulheres.

Com Gabriel García Márquez, ele teria desvendado, para mim, o Caribe, teria comentado sobre suas bruxarias literárias, contado algum segredo sobre as mulheres, que me iluminasse ao me relacionar com elas, e teríamos ouvido o silêncio das madrugadas e do Caribe, como fizemos Fernando Canto e eu, em Belém (PA).

Rubem Fonseca e Garcia-Roza redescobriram o Rio

Outro com quem eu gostaria de ter convivido é com Rubem Fonseca, que morreu recentemente. Rubem criou o conto e o romance brasileiro das megalópoles. Eu ainda não o lera quando criei também o conto e o romance que se movem nas metrópoles da Amazônia: Belém/PA e Manaus/AM, e Macapá/AP também. Quem sabe, se nos conhecêssemos, não teríamos batido muito papo e batido perna no Rio de Janeiro, cidade que Rubem elegeu como sua.

Vivi em Copacabana, Rio de Janeiro e de todos os meses, há muito tempo, mas o suficiente para um renascimento. Nasci em Macapá; minhas raízes cabocas são a fibra do que sou feito. Mas o DNA de todos nós é como um laboratório alquímico que nos vai modificando, ampliando nossa mente, ao longo das sucessivas encarnações, de modo que Copacabana, o Rio, mudou o curso da minha vida. Em vez de só pensar em Macapá, entrou mais uma cidade na minha perspectiva. E foi com esse espírito que conheci Luiz Alfredo Garcia-Roza.

Desde que o li pela primeira vez, em 2002, em “Uma Janela em Copacabana”, que me apaixonei por ele. E de tanto o ler é que comecei a imaginar uma amizade entre nós dois, no Rio, ele repartindo comigo um pouquinho da sua imensa sabedoria, do seu intelecto descomunal, da sua rica experiência de vida, me falando sobre o Rio, sobre literatura, sobre a alma, sobre mulheres.

Tenho plena consciência de que essas amizades impossíveis são meras fantasias, a que me dou ao luxo, pois me encontro firmemente alicerçado no meu mundo mental, nas minhas experiências, que me dão o rumo de para onde seguir. Assim, curto o amigo do local onde estou, e agora.

O carioca Luiz Alfredo Garcia-Roza desencarnou, aos 84 anos. Psicanalista, ensaísta e professor universitário, aos 60 anos largou tudo o que vinha fazendo para dedicar-se à ficção, estreando com “O Silêncio da Chuva”, laureado com o Jabuti e o Nestlé, em 1997. Desde então, escreveu mais 11 romances policiais, todos ambientados no Rio de Janeiro, especialmente em Copacabana e no Peixoto, um bairro dentro de Copacabana, onde mora o delegado Espinosa, personagem recorrente de seus livros, e que trabalha na 12ª DP, na Rua Hilário de Gouveia.

… e o detetive Espinosa sobreviveu a Garcia-Roza…

Nos 12 romances que escreveu ao longo de 24 anos, Garcia-Roza se revelou um mestre do gênero policial, traduzido para vários idiomas. Suas personagens são tão de carne e osso que lhes sentimos o cheiro, e suas tramas são tão intricadas como as da vida real. E o Rio é descortinado sob a ótica de um policial singular, o delegado Espinoza, de caráter irrepreensível, leitor inveterado, viajor de fantasias, mas que, ao investigar um caso, vai até o fim, por uma razão: é imperioso que o caso seja deslindado, o que significa dizer desnudar a alma das pessoas envolvidas nele, pois para tudo há uma razão, e é atrás dessa razão que Espinosa anda.

Assim, o que o move é o mistério. “Quem gosta de whodunit é cão farejador. O crime, qualquer um pode desvendar. O enigma, não. O que importa é o que está por trás do crime, suas motivações, o silêncio” — disse Roza, lembrando “Crime e Castigo”, de Fiódor Dostoiévski. “Não é um desvendamento de um assassinato. O Dostoiévski mostra o crime logo no início, assim como fiz em ‘O Silêncio da Chuva’. E ninguém deixou de ler por causa disso.”

A Copacabana de Espinosa é noir, um enxame de personagens excessivamente humanos. Já dizia Rubem Fonseca: “O Rio não é aquilo que se vê do Pão de Açúcar”. As tramas de Garcia-Roza geralmente se passam entre o Bairro Peixoto, a Rua Hilário de Gouveia e a praia. Nessa região, ele frequenta La Trattoria, sebos, a Galeria Menescal, onde compra quibes no Baalbek, e gosta de caminhar, simplesmente caminhar, assim como eu. O simples ato de caminhar é repleto de nuanças, de visões, de perspectivas.

É nesse cenário que as tramas de Garcia-Roza vão dando vida ao tecido. “Quase sempre parto de um fato bobo e sem expressão. Certa vez vi um menino saindo debaixo de uma caixa de papelão. Esse foi o ponto de partida para ‘Achados e Perdidos’, por exemplo. Eu não costumo fazer um plot. A trama surge enquanto escrevo, no meio do livro” — disse Garcia-Roza.

Perguntado se ele mataria Espinosa, como Conan Doyle fez com Sherlock Holmes, Garcia-Roza respondeu: “Não tenho plano de matá-lo, mas não está fora de cogitação. No dia em que ele começar a ser repetitivo, terei que tomar uma decisão”. Espinosa sobreviveu a Garcia-Roza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.