Euler de França Belém
Euler de França Belém

… e o Prêmio Nobel de Literatura “não” vai para Cormac McCarthy e Margaret Atwood

Será a vez de um africano ou de um asiático? Será a vez de um latino-americano? Pode celebrar Lobo Antunes ou Joyce Carol Oates? Só a Academia Sueca sabe

Margaret Atwood, escritora canadense: favorita para o Nobel de Literatura | Foto: Reprodução

Durante anos, os leitores, críticos literários e jornalistas “davam” o Nobel de Literatura para Philip Roth e a Academia Sueca retirava. Aí, como a idade chega para todos, o autor de “O Complexo de Portnoy” e “O Teatro de Sabbath” — quem não leu não merece, claro, uma sova física, só uma pisa verbal — morreu e não levou o cobiçado prêmio. Na quinta-feira, 10, os suecos darão o Nobel de Literatura para dois escritores, porque a premiação não saiu no ano passado. Não farei mais nenhuma lista, é claro. Não farei? Bem, não há jeito de não mencionar os meus favoritos, que, em geral, não são os mesmos dos homens de gelo.

Milan Kundera, escritor tcheco, autor de “A Valsa dos Adeuses” | Foto: Reprodução

Os poetas Carlos Willian Leite, Irapuan Costa Junior, Iúri Rincon Godinho e Marcelo Franco (sim, o homem é poeta, mas não divulga, seguindo o exemplo de Emily Dickinson) certamente dariam o Nobel de Literatura a Cormac McCarthy. Carlos Willian chega a dizer que se trata do maior escritor vivo. Há dois drummonds no meio do caminho: o autor do romance “Meridiano de Sangue” é americano e nada midiático. Mas merece mesmo o Nobel, resta saber se o Nobel o merece.

Cormac McCarthy, autor do romance “Onde Os Velhos Não Têm Vez” | Foto: Reprodução

Dos Estados Unidos, vale lembrar ao menos mais dois autores de rara excelência: Joyce Carol Oates (“A Filha do Coveiro”) e Richard Ford. Joyce Carol Oates é tão boa escritora quando Cormac McCarthy.

O Brasil pode apresentar uma lista de escritores excepcionais: Ana Maria Gonçalves (“Um Defeito de Cor” é um romance magnífico), Ronaldo Correia de Brito, Cristóvão Tezza e Milton Hatoum. Os portugueses, como meu apoio ineficaz, certamente bancam o grande António Lobo Antunes e notável Lídia Jorge.

Maryse Condé: uma das escritoras mais valorizadas na bolsa de apostas | Foto: Reprodução

Como são duas premiações, daria uma ao tcheco Milan Kundera. A crítica parece não tê-lo perdoado por ter feito sucesso com o romance “A Insustentável Leveza do Ser”, levado ao cinema com igual sucesso. Trata-se de um belo romance e Kundera escreveu contos e romances de alta qualidade a seguir, além de ensaios literários cada vez mais refinados.

Os ingleses podem bancar Julian Barnes, Martin Amis e Ian McEwan. Dos três, daria a McEwan pelo o insuperável romance “Reparação”.

Anne Carson, poeta canadense apontada como nobelizável | foto: Reprodução

Os franceses indicariam Michel Houellebecq? Não sei. Mas daria polêmica. Até porque, como Sartre, talvez rejeite o prêmio.

Por que não premiar a grande poeta uruguaia Cristina Peri Rossi, até para torná-la mais conhecida? Além de poeta, escreve crítica literária. Minha amiga Fedra Rodríguez, ótima tradutora, aprovaria a indicação de Peri Rossi. Fedra sugere o Nobel para o escritor (e tradutor) argentino César Aira.

Ian McEwan: autor de “Reparação”, um dos mais importantes romances da literatura inglesa

A psicanalista Candice Marques possivelmente bancaria a argentina Samanta Schweblin, autora de contos estranhos, mas, sobretudo, muito bem escritos. Ah, a Academia Sueca não aprecia conceder prêmio a escritores jovens. Pois bem: Samanta Schweblin, que mora na Alemanha, tem 41 anos… Que tal Mariana Enriquez, outra ótima escritora argentina? Ah, só tem 46 anos.

Os sites de apostas, que acertam tanto quanto eu, sugerem que a canadense Margaret Atwood é uma das favoritas. E, se ganhar, será merecido. Escreve prosa refinada e complexa, como “O Conto de Aia”. E, sim, é ótima crítica literária. Por seu intermédio, conheci grandes escritores canadenses, como Carol Shields.

Olga Tokarczuk, escritora polonesa altamente referendada | Foto: Reprodução

O site de apostas britânico Nicer Odds menciona, além de Atwood, a poeta canadense Anne Carson, que não li. Maryse Condé, guadalupense, Olga Tokarczuk, polonesa, e Lyudmila Ulitskaya, russa, estão na lista dos favoritos.

O influente crítico literário Harold Bloom escreveu sobre Anne Carson: “Como sou vinte anos mais velho do que ela, me entristece pensar que deixarei este mundo sem levar comigo toda a obra de uma vida desta poeta singular”.

Há quem acredite que Haruki Murakami, o queridinho da imprensa, vai para o trono. A pedra no caminho pode ser o fato de que um japonês ganhou o Nobel há pouco tempo. Mas esqueceram o notável poeta sírio Adonis? Frise-se que fará 90 anos em janeiro de 2020.

Lyudmila Ulitskaya: consagrada escritora russa | Foto: Reprodução

Pensando bem, leitor: esqueça os que indiquei para o Nobel de Literatura… Pois só ganharão os que não indiquei. O poeta Cezar Santos postula que jornalistas do último mundo não devem palpitar sobre a escolha de escritores para o Nobel de Literatura. Talvez tenha razão. Com sou teimoso, estou na primeira fila, torcendo para McCarthy, Carol Oates e McEwan. O amigo Cezar Santos por certo torce por Michel Houellbecq. Mas sua principal aposta é Paul Auster, prosador e poeta americano.

Cristina Peri Rossi; poeta e crítica literária uruguaia | Foto: Reprodução

A intelligentsia da Academia Sueca dará um dos prêmios para um escritor envolvido em lutas sociais e raciais? Quem sabe. Mas, depois de J. M. Coetzee (sul-africano branco), por certo não dará para os excelentes José Eduardo Agualusa e Mia Couto, que, embora africanos, são brancos…

Michel Houellbecq, escritor francês: maldito demais para o Nobel | Foto: Reprodução

Será a vez de um africano? Será a vez de um asiático? Será a vez e um latino-americano? Só a Academia Sueca sabe.

É praticamente certo que, sendo dois prêmios, ao menos uma mulher será agraciada. Oxalá sejam premiados escritores-escritores e não escritores-militantes.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.