Euler de França Belém
Euler de França Belém

Culpa de queda de audiência da Globo não é das afiliadas nem da rede; um mundo novo chegou

Dada a queda de audiência, a Globo pressiona afiliadas. Culpa não é destas e da rede, e sim do fato de que há uma oferta extraordinária de entretenimento

A Rede Globo está mudando — e rapidamente. Por ser gigante, não se tem a dimensão precisa da mudança. A parte mais visível são as demissões e os cortes de salários — quer dizer, a contenção de despesas —, mas isto apenas esconde o principal: a empresa patropi busca sobreviver, no presente (já pensando no futuro), ante um mercado altamente competitivo e complexo.

José Roberto Marinho, Roberto Irineu Marinho e João Roberto Marinho: luta para manter o gigante como gigante | Foto: Reprodução

Antes, quando a competição não era globalizada — e tinha de se enfrentar tão-somente o SBT, a Band e a Record —, era mais fácil. Agora, o enfrentamento se dá com gigantes, e sobretudo gigantes de “outras esferas”, por vezes com custos mais reduzidos e, portanto, mais competitivos. Há a Netflix, a Amazon e está chegando a CNN Brasil. Enquanto o mundo bate à porta, ocupando espaço e conquistando audiência, os telespectadores, ante “n” opções, não são mais figuras cativas. Libertaram-se, ou se escravizaram ante variegadas opções de entretenimento e jornalismo (cada vez será mais entretenimento, sem deixar de ser jornalismo. Modelos no lugar de jornalistas profissionais são um reflexo disso).

A mutação da Globo não depende mais dela. Anteriormente, a nave-mãe mudava e os demais seguiam o comboio. A mudança podia, portanto, ser mais lenta e sob controle. Agora, não é mais assim. A Globo faz uma mudança, mas, se o mercado estiver sendo modificado em direção a outro rumo, tem de se rearticular (com perdas financeiras). Observe-se que, depois da aderir ao sistema de Pessoa Jurídica (PJ), para pagar seus funcionários mais caros, a televisão da família Marinho está voltando ao sistema da CLT. A pejotização, que parecia, não é mais a salvação da lavoura.

No momento, a Globo está se adaptando ao novo mercado e não está conseguindo influenciá-lo da maneira anterior. Está sendo arrastada para a mudança. A queda de audiência não decorre de a rede ter piorado seus programas — a qualidade, no geral, tem sido mantida —, e sim de uma oferta desmedida de programas na televisão (aberta e por assinatura) e na internet (computadores, celulares). Audiências absolutas, de pouco anos antes, não estão mais garantidas para nenhuma rede. A luta já é para manter audiências médias — que garantam um faturamento razoável. Há quem se assuste com uma audiência de, digamos, 8% para o programa do Pedro Bial. Mas não deveria. Será assim daqui pra frente. Uma audiência de 20% a 25% — altíssima — será cada vez mais rara. Tanto que, quando ocorre, tem sido comemorada.

Pedro Bial e Galvão Bueno, amigos, se beijam: nos bastidores, lutam para manter “retiradas” acima de 1 milhão de reais | Foto: Reprodução

Dada a queda de audiência, a Globo pressiona suas afiliadas. Mas a “culpa” da queda não é nem das afiliadas nem da própria rede, e sim do fato de que, insistamos, há uma oferta extraordinária de entretenimento tanto de boa quanto de má qualidade (a escolha é dos telespectadores). As afiliadas são, a rigor, o bode expiatório.

O que a Globo irá fazer com o sistema de afiliadas, que funcionou durante décadas, não se sabe. Mas o sistema (não o Grupo Globo) parece que está falindo. A tendência é a Globo “tomar” ou “retomar” o controle total? Não se sabe. Mas as afiliadas não vão investir — com razão — num sistema que, aparentemente, não tem mais salvação e está morrendo “vivo”. Está “morto em pé”. Investir para “ajudar” a Globo não tem lógica econômica e financeira. Não é, por assim dizer, racional.

Há afiliadas que são sérias e competentes. Mas não se salvarão se tentarem salvar a Globo. Porque o velho modelo, em vigor, não tem salvação. A própria Globo só se salvará, se se salvar, se assumir que o “problemão” é seu, e não das afiliadas. A audiência não caiu e está caindo porque as afiliadas não investem e não têm pessoas competentes — às vezes até investem e mantêm equipes altamente profissionais. Mas, ante a queda brutal de audiência e faturamento, têm de reduzir custos e o passo seguinte é a perda de qualidade.

Fátima Bernardes, Pedro Bial e Galvão Bueno: em 2018 fizeram altas “retiradas” mensais (os sócios nada retiraram) | Foto: Reprodução

O fato é que o mundo mudou — muito — e de modo incontornável. Quem não se adapta “morre”. E quem se adapta também “morre”. Porque as mudanças têm de ser constantes e rápidas — o que dilapidam as finanças das empresas de comunicação e entretenimento.

A bonança sumiu, e não só para o povão. Portanto, cabe aos executivos da Globo — que estão mudando a rede (criando “uma só Globo”) —, não só abrir o olho, mas também fazer o diagnóstico preciso da crise, que não é criada pelas afiliadas. A crise é global, e não será fácil sobreviver. Todos correm risco. Galvão Bueno está preocupado com o fato de que sua retirada mensal caiu de 2,5 milhões para 1 milhão de reais — e fala-se em retirada porque é isto mesmo: não se trata de salário, e sim de retirada de “acionista” —, Pedro Bial está preocupado com o fato de que terá de divulgar anúncios, assim como Fátima Bernardes. Mas a Globo — leia-se os irmãos Roberto Irineu Marinho, José Roberto Marinho e João Roberto Marinho, que não fizeram retiradas em 2018 para a empresa publicar um balanço com lucro — está lutando, isto sim, pela sua sobrevivência como meio de comunicação e empresa. Como se trata de um grupo grande e poderoso, com faturamento gigante, quase não se compreende o que está, de fato, acontecendo (o que se capta de imediato é a queda de audiência — que, a rigor, não é um problema só da Vênus Platinada). Por isso, corre-se o risco de se perceber a crise de Davi, as afiliadas, mas não a de Golias, a rede.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Raul Soares fonseca

Para mim está perdendo pela baixaria que está na sua programação, sem nem um respeito pelos valores familiares.