Em “Persona”, num duelo produtivo, ela brilha ao lado de Liv Ullmann, outra musa do diretor sueco

Bibi Andersson: um grandes talentos do cinema sueco | Reprodução

A atriz sueca Bibi Andersson morreu no domingo, 14, aos 83 anos. Uma das musas do diretor Ingmar Bergman, atuou nos filmes “Persona”, “O Sétimo Selo” e “Morangos Silvestres”. Consagrou-se, em 1966, com o filme “Persona”, no qual faz a enfermeira Alma (o nome é sugestivo e não aleatório, como quase tudo nos filmes de Bergman) e contracena com Liv Ullmann, outra das atrizes preferidas de Bergman.

Bibi Andersson e Liv Ullmann no filme “Persona” | Foto: Reprodução

O filme tem um ar de tragédia grega e as duas atrizes estão brilhantes, num “duelo” em que, longe de uma sufocar a outra, se complementam, criando uma espécie de unidade na diversidade. O filme foi feito na ilha de Farö, onde, depois, Bergman passou a residir. “Passávamos os dias sentadas, estudando os nossos scripts, e exibíamos uma felicidade particular jamais vista no filme”, sublinha Liv Ullmann, no livro “Mutações” (memórias). A “felicidade” no filme é a qualidade da interpretação de ambas e a direção segura de Bergman.

Bibi Andersson, Liv Ullmann com Ingmar Bergman quando estavam filmando “Persona” | Foto: Reprodução

Bibi Andersson, com seu belo e expressivo rosto, brilhava na televisão, mas, seguindo a direção segura de Bergman, migrou para o teatro e, daí, para o cinema, quando se tornou conhecida globalmente. A atriz era formada pela Academia de Teatro de Estocolmo.

O sucesso nos filmes de Bergman levou-a a Hollywood. Lá atuou em “A Carta do Kremlin”, de John Huston, e em “Quinteto”, de Robert Altmann. Sempre com desempenho elogiável.

O sucesso no cinema não a afastou do teatro, ao qual sempre voltou. No cinema quem melhor compreendeu seu multifacetado talento — realçado por sua beleza fulgurante — foi mesmo Bergman, um diretor que sabia “construir” ou “reconstruir” atores.

A atriz nasceu em Estocolmo, em 11 de novembro de 1935. Depois de um AVC, Bibi Andersson se tornou reclusa, morando em Estocolmo. E se distanciou da vida pública.