Euler de França Belém
Euler de França Belém

Alemanha confirma que o opositor russo Alexei Navalny foi envenenado

O governo de Angela Merkel convidou o governo de Vladimir Putin a se explicar sobre o envenenamento com Novichok

Quem duvida do que o governo russo é capaz, em termos de envenenamento de opositores, precisa ler o seriíssimo livro “O Laboratório dos Venenos — A Indústria do Assassinato Político na Rússia de Lênin a Putin”, de Arkadi Vaksberg, doutor em Direito, escritor, jornalista e dramaturgo. (Um breve comentário sobre o livro pode ser lido abaixo.) O governo da Alemanha revelou na quarta-feira, 2, que o opositor russo Alexei Navalny, de 44 anos, foi envenenado “com uma substância do grupo do agente químico tóxico Novichok”. O comunicado foi feito pelo porta-voz do governo da chanceler Angela Merkel, Steffen Seibert.

“É um acontecimento desalentador que Alexei Navalny tenha sido vítima de um atentado com um agente químico nervoso da Rússia. O governo federal condena este ataque nos termos mais enérgicos possíveis. O governo russo está sendo chamado a se pronunciar sobre o caso”, diz o comunicado do governo da Alemanha.

Alexei Navalny: envenenado por fazer oposição à democradura de Vladimir Putin | Foto: Reprodução

Alexei Navalny, envenenado na Rússia, chegou à Alemanha, no hospital Charité, de Berlim, em coma. O hospital pediu ao laboratório do exército alemão (Bundeswerh) ajuda para fazer exames mais detalhados.

O governo da Alemanha vai abordar o problema com os parceiros da União Europeia e da Otan e se colocou em contato com a Organização para a Proibição de Armas Químicas. “O Novichok é utilizado na fabricação de armas químicas”, anota o jornal “La Vanguardia”, da Espanha. Portanto, é praticamente impossível que o governo russo não esteja envolvido na tentativa de assassinato.

Na Rússia, antes e com Putin, é praxe envenenar opositores tanto dentro quanto fora do país.

Lênin não teve tempo de virar Stálin

O russo Arkadi Vaksberg escreveu um livro que mostra outra faceta do socialismo soviético: “O Laboratório dos Venenos — A Indústria do Assassinato Polític

o na Rússia de Lênin a Putin” (Editora Nova Fronteira, 302 páginas, tradução de Márcia Atálla Pietroluongo).

O mais interessante é que foi Lênin, Stálin só o aperfeiçoou, quem criou o laboratório de venenos, em 1921. Lênin não teve tempo de virar Stálin. Mas Stálin teve tempo de virar Lênin. O leninismo talvez seja o stalinismo engatilhado e o stalinismo talvez seja o leninismo atirando.

Entre as revelações do livro está a história de que a mulher de Lênin, Nadejda Krupskaia, pode ter sido envenenada, em 1939, por agentes de Stálin. Mesmo sob o feroz regime stalinista, Krupskaia permanecia crítica e incomodava o ditador implacável.

Vaksberg faz uma revelação: não foi a socialista-revolucionária Fanny Kaplan quem atirou em Lênin, em 1918. A atiradora foi Lidia Konopleva, “também social-revolucionária, que agia de conluio com outro social-revolucionário, Grigori Semionov. Os documentos conservados provam que os dois eram denunciadores e provocadores pagos pela Tcheka”.

O livro mostra que agentes da KGB — o novo nome é FSB — mataram vários opositores tanto dentro quanto fora da União Soviética e da Rússia (a Rússia não é a União Soviética, era uma das repúblicas da URSS). Matar com veneno é mais fácil. Em determinados casos, depois de um determinado período, nem pode ser comprovado que a pessoa que morreu foi envenenada. Por vezes, o atestado de óbito registra “infarto” e “AVC” — as causas comprovadas.

O detalhe é que, em certos casos, o governo russo sabe que os governos estrangeiros, com suas estruturas médicas e laboratoriais adequadas, descobrirão o que aconteceu. Putin e seus aliados não se importam tanto com a opinião pública estrangeira. O que apreciam de fato é matarem opositores e darem, por intermédio do assassinato sistêmico, recado para outras pessoas que divergem ou pensam em divergir do governo. Houve o caso de uma jornalista que foi assassinada — a tiros — na data de aniversário de Putin. Talvez tenha sido um presente.

Os governos europeus e o americano ainda não sabem como conter o regime “putincida” da Rússia. Os países europeus dependem do petróleo e do gás da Rússia. Há, por assim dizer, uma russodependência, ou uma putindependência (porque Putin e a Rússia, país à beira do totalitarismo, são praticamente uma coisa só).

Leia mais sobre assassinatos na Era Putin

Justiça russa condena assassinos da jornalista Anna Politkovskaya. Mas só pegou os bagres

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.