Irapuan Costa Junior
Irapuan Costa Junior

O presidente Bolsonaro é despreparado? Temos a solução… Será?

Ora, se um gestor que não rouba e ajusta a máquina não está bom, que tal convocar Collor, FHC, Lula, Dilma e Temer?

Presidente da República, Jair Bolsonaro: não rouba e está organizando o Estado brasileiro, o que desagrada a alguns e talvez a muitos | Foto: Reprodução

Em meio à crise mundial do coronavírus, quando todos gritam e nem todos têm razão, se eleva o tom das críticas ao presidente Jair Bolsonaro. Se antes eram onipresentes, em nossa imprensa esquerdista, agora são também estridentes. E há duas palavras de ordem na estridência: despreparo! e substituição!

Há um fundo de verdade mesmo nas coisas falsas, dizia o filosofo inglês Herbert Spencer. De fato: ninguém ascende a uma Presidência da República inteiramente preparado para tal. Não há escola ou faculdade onde sejam ministrados os cursos de formação para o exercício da mais alta função executiva do País. Nenhum homem chega preparado à Presidência da República, é forçoso reconhecer.

Ex-presidente Fernando Henrique Cardoso: os eleitores já se esqueceram da compra da reeleição? | Foto: Jornal Opção

Bolsonaro ou qualquer outro ver-se-á de frente com desafios ainda não enfrentados, e terá acertos e erros como toda pessoa. O importante é acertar ao máximo no que é essencial, ainda que errando no acessório. Bolsonaro, insistente e obsessivamente, de maneira doentia até, tem sido cobrado pela imprensa, como nenhum de seus antecessores o foi. Acerta sempre? Não, ou não seria humano. Acerta no que é importante? Sim, pois não rouba, não aceita negociatas com dinheiro público, não desperdiça nossos parcos recursos com Cuba ou outra ditadura, tem ministros sérios e dedicados. Erra primordialmente no que é secundário e de menor importância para o País.

Fernando Collor: como esquecer da turma que o acompanhava, como PC Farias?  A imprensa o tratava como Caçador de Marajás | Foto: Reprodução

Para saber o que é uma Presidência é preciso tê-la exercido. Plenamente. Só por dentro podem-se conhecer seus meandros, os jogos de interesse que se movem em suas sombras, os movimentos do tabuleiro de xadrez que é a relação com os outros poderes que não o Executivo. Ali ver-se-á o que é válido e honesto e o que é interesseiro e torpe. O que se move às claras e o que só cresce nas trevas. E se conhecem a solidariedade, a lealdade, as traições e as tramoias. Presidência se aprende sendo presidente, e só assim. Então, para satisfazer à estridência, temos uma solução. Falta saber a quem vai agradar.

Lula da Silva e Dilma Rousseff:  juntos foram responsáveis pelos dois maiores escândalos da história do Brasil: o mensalão e o petrolão | Foto: Reprodução

Se só se prepara para a Presidência sendo presidente, e a imprensa quer um preparado, a solução seria substituir Bolsonaro por um dos ex-presidentes vivos que aí estão. É só uma questão de escolha, pois amplo é o leque: José Sarney, Fernando Collor, Fernando Henrique Cardoso, Lula da Silva, Dilma Rousseff ou Michel Temer.

Que tal Sarney? Viria ainda mais astuto do que quando substituiu Tancredo, que não teve como assumir. Mais sabido para o que der e vier. Seria de interesse da nação essa sabedoria? Sarney viria com sua prole: Roseana (com o marido Jorge Murad a tiracolo), Zequinha e etc. Edison Lobão e outros dessa mesma classe por certo seriam ministros, pois a Lava-Jato, enfraquecida pelo Congresso e pela Suprema Corte, não teria forças para vetos. E muita coisa mais. Não gostaram?

Michel Temer, na foto com Lula da Silva, está por aí: vão buscá-lo? | Foto: Reprodução

Há Fernando Collor. Sem dúvida, já saberá melhor que da outra vez como se comportar no principal cargo da nação. Não teve em 1990 o apoio do Congresso? Isso agora seria factível. Após os “governos de coalizão” que o sucederam, ele aprendeu o que fazer para “obter” apoios, evidentemente com mais cautela (não necessariamente com mais decoro), para que não exploda nenhum mensalão por aí. O irmão Pedro Collor já não está mais entre nós para nova retumbante denúncia, PC Farias também passou dessa para melhor, mas nunca se sabe… Haveria espaço para novo confisco das poupanças? — pergunta-se.

Se também não é do agrado, há a terceira opção: Fernando Henrique Cardoso. Que vem refinado, já que escapou sem feridas da negociata pelo segundo mandato. Pode querer, como Hugo Chávez, Maduro, Evo Morales, não só dois, mas vários mandatos desta vez. Afinal, dentro de sua imensa vaidade, talvez se ache imortal (ou quem sabe, passível de ressureição ao terceiro dia). Trará consigo, para o ministério, a fina flor do PSDB: gente competente como Aécio Neves, inteligente como José Gregori, puramente democrática como José Serra, ou antiterrorista como Aloysio Nunes. Quem sabe reconduza Renan Calheiros, que foi seu ministro da Justiça. Não está bom?

“O Grito”, de Munch: não é melhor deixar as picuinhas de lado e ficar com o que, na prática, está dando certo? | Foto: Reprodução

Sempre se pode considerar a volta de Lula da Silva à Presidência. Afinal, os filhos de Bolsonaro são muito barulhentos e há quem ache melhor um filho que atue em silêncio, como faz Lulinha. E dessa vez todos os cuidados serão tomados para que não apareçam (embora aconteçam) mensalões ou petrolões, sítios e apartamentos triplex, coisas que são ótimas quando não surgem à luz do sol e ficam só entre os que manejam os cordões.

Pode-se voltar à criação do Conselho Nacional de Jornalismo, o que seria muito bom para organizar uma imprensa desordenada como a nossa. Como sabe Lula da Silva, pode contar com as redações, mas há que desconfiar sempre dos patrões. Afinal, são capitalistas.

A Petrobrás já se recuperou e está pronta para aguentar novos trancos. Mulheres teriam lugar garantido no ministério: Gleisi Hoffmann, Maria do Rosário, Jandira Feghali. Ou, se preferirem, temos ainda a opção Dilma Rousseff. Sua inteligência, que já era brilhante, deve ter-se aprimorado no ócio da ex-Presidência.

Dilma Rousseff deve ter aprendido muita coisa, do impeachment para cá, que poria em funcionamento em um novo período presidencial. Afinal, tem sempre boas ideias, claramente expressas em bom e castiço português e não esqueceu nada, desde seus tempos de terrorista.

O risco que corremos é de o BNDES financiar uma ampliação do programa nuclear da Coreia do Norte, que não teria como nos ressarcir. Mas já estamos acostumados. Será apenas mais um empréstimo a não ser pago, depois de Cuba, Venezuela, Angola, Moçambique, etc., etc. E Dilma Rousseff sempre alegra o povo quando aparece em uma declaração televisiva qualquer. É sempre diversão gratuita.

Se nada agradou até agora, há a escolha Michel Temer. É fato que que algo ainda resta a esclarecer naquelas coisas do Porto de Santos e do relacionamento MDB com as empreiteiras lavajatianas, com vários processos rodando por aí. Bem como o fato de que a escolha pode ser contestada em favor de Dilma Rouseff: por que escolher o vice se temos a titular, ainda reinando absoluta sobre o trecho de história que competiu aos dois? Mas é uma escolha.

Fica a minha contribuição para quem grita pela saída de Bolsonaro e acha um dos citados acima melhor. E cá entre nós: tem gente que veria com sorrisos de profunda felicidade algumas dessas trocas aventadas. Se o leitor dúvida faça uma enquete entre figurões do colunismo político: Elio Gaspari, Eliane Cantanhede, Mario Sergio Conti, Luis Fernando Verissimo, Janio de Freitas, Ruy Castro e muitos outros. Pecados veniais ou mortais? Preferência é questão de gosto.

7 respostas para “O presidente Bolsonaro é despreparado? Temos a solução… Será?”

  1. Paulo Rocha disse:

    Lamentável ver alguém defendendo um presidente que está na contramão do mundo inteiro ao incentivar a população ir pra rua. Esqueça Lula e antecessores e vamos focar no momento atual.

  2. Jonathan basilio disse:

    Excelente texto .

  3. Edson Moreira disse:

    Excelente, Dr Irapuan dá a penada certa:se a questão é falta de experiência, então teremos que trocar o Presidente Bolsonaro por dos ex-presidente. Bingo!

  4. Carlos Augusto Tavares disse:

    Embora tenha surgido durante o regime militar, o engenheiro Irapuan Costa Júnior é um sujeito preparado e muito competente.

  5. ELIZABETE SILVA disse:

    Melhor matéria que já vi ultimamente escrita, sobre a nossa atualidade,com muita clareza,sabedoria,experiência e profundo conhecimento político.Parabéns Irapuan Costa Junior,por seu brilhantismo,também como jornalista.

  6. Maria José disse:

    Cheguei a pensar que o Senhor era inteligente. Lamentável, apoiar o presidente.

  7. Ricardo Ribeiro disse:

    Excelente texto! Nota 10!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.