Irapuan Costa Junior
Irapuan Costa Junior

Entenda por que Bolsonaro não faz um governo autoritário

O governo do PT tentou controlar a imprensa. Bolsonaro pode até criticá-la mas não procura censurá-la

O presidente Jair Bolsonaro é acusado de machista. Mas não me lembro de outro presidente cuja mulher tenha tido na posse o destaque que teve Michele Bolsonaro. Que também, discursando recentemente no Dia da Mulher, ao ver que o marido mantinha conversa paralela, chamou publicamente sua atenção. Que se penitenciou logo em seguida.

Donald Trump e Jair Bolsonaro: o presidente brasileiro tem buscado parcerias com presidentes de países democráticos | Fotos: Reproduções

O presidente é acusado de autoritário, por suas respostas prontas às provocações. Ninguém viu de sua parte uma ação de autoritarismo ou violência. Mas quase morreu, numa tentativa de homicídio levada a efeito por um elemento ligado a um partido de oposição a ele. Seus maiores adversários políticos é que tentam atropelar policiais em greve, suas mulheres e filhos com uma escavadeira pesada. Sem condenações da imprensa, diga-se.

O presidente é censurado por se aproximar do presidente americano Donald Trump. E, mais, de se alinhar demais aos EUA, a ponto de tornar subalternos os interesses brasileiros aos interesses americanos. Mas conseguiu reabrir o mercado americano para as importações de carne brasileira, fechado há anos, e obteve apoio americano para o Brasil entrar na OCDE. Além disso, assinou importante acordo de cooperação nas áreas de tecnologia e defesa com os EUA. Já os marxistas, de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) até Dilma Rousseff (PT), se aproximaram das ditaduras cubana, angolana e venezuelana, principalmente, engoliram programas destas ditaduras tal como nos foram impostos, por mais esdrúxulos que fossem (Mais Médicos, por exemplo) e fizeram empréstimos que foram verdadeiras doações a estas ditaduras, dissipando bilhões de dólares que fazem falta em nossa Saúde e Educação. Com a complacência da imprensa.

Lula da Silva e Dilma Rousseff: os dois ex-presidentes tinham apreço por negociações com presidentes de ditaduras, como a cubana e a angolana | Foto: Reprodução

O presidente, como tem sempre na ponta da língua uma resposta às acusações falsas das reportagens, é tido de censor da imprensa. Mas jamais cometeu um ato de censura à mídia. Quem tentou censurar toda a imprensa brasileira por meio de naufragado Conselho Nacional de Jornalismo e tentou expulsar jornalista estrangeiro, que publicou notícia verídica e conhecida (alcoolismo de Lula da Silva), foi seu principal adversário.

O presidente é acusado de homofóbico, mas jamais fez uma declaração que sustentasse essa balela. Quem foi homofóbico e deselegante foi seu adversário quando era presidente, em uma visita a Pelotas. E quando se referiu, grosseiramente, à ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal. Mas nisso o presidente Bolsonaro não está só. Hoje basta ser heterossexual para ser tachado de homofóbico pela minoria radical LGTB que fica histérica porque todos não são como eles. É uma minoria ditatorial, apoiada pela imprensa. Exemplo desse apoio foi a recente reportagem da Globo e do médico Drauzio Varella enaltecendo o travesti Rafael e dele se condoendo pelo abandono na prisão. Rafael, que se nomeia Suzy, é pedófilo e assassino de uma criança de 9 anos, que violou e torturou, antes de matar.

O presidente é tachado de despreparado, mas vem do Exército Brasileiro, uma instituição modelo em estudo do Brasil, sua história, sua economia e suas potencialidades. Além disso uma instituição de reconhecida seriedade. Vem de sete mandatos de deputado federal, o que, sem dúvida, lhe confere um excepcional conhecimento do interior do Congresso Nacional. Nesses mandatos, sempre honrou os votos recebidos pela combatividade e pela honestidade. Estranha que aqueles que o carimbam de despreparado, nunca o tenham feito com relação a Dilma Rousseff, que sabidamente tem, quando muito, meio cérebro, e que alardeou um falso mestrado. Nem com relação a Lula da Silva, um semialfabetizado, astuto, porém tosco.

O presidente é tachado de fascista e ditatorial. Mas se aproximou da única democracia no Oriente Médio — Israel — enquanto seus antecessores, de Fernando Henrique Cardoso a Dilma Rousseff, cortejaram as piores ditaduras levantinas no exercício de seus mandatos, como a do líbio Khadafi e do iraniano antissemita Ahmadnejad. E se Bolsonaro também aproxima da maior democracia do planeta, os EUA.

Há críticas ao presidente quanto ao apoio aos imigrantes ilegais que estão sendo deportados dos EUA. Racionalmente, não vejo o que possa ser feito nesses casos, a não ser auxiliar na repatriação. São ilegais e cabe aos EUA o tratamento de acordo com suas leis. É claro que nos comovemos com sua sorte. Buscam trabalho e prosperidade onde são mais abundantes. Se fossem brasileiros tentando imigrar para Cuba, coisa que nunca existiu (os comunistas brasileiros são obtusos, mas não são loucos), aí, sim, o governo teria o que fazer: interná-los no manicômio mais próximo, e com uso de camisas de força

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.