Afonso Lopes
Afonso Lopes

O Triângulo das Bermudas da base aliada

Campeoníssima em eleições para o governo do Estado desde 1998, base aliada não consegue ganhar em Goiânia, Aparecida e Anápolis

Há um grande mistério numa região no mar das Bahamas, na divisa entre as Américas do Norte e Central: o Triângulo das Bermudas. A região foi palco de inúmeros desaparecimentos de embarcações e aviões ao longo do último século, e até hoje ninguém consegue provar cientificamente todas as ocorrências. Os barcos simplesmente afundam, desaparecem misteriosamente.

Pois a base aliada estadual também tem um Triângulo das Bermudas eleitoral para chamar de seu. Imbatível nas disputas eleitorais desde 1998 para o governo do Estado, os candidatos da base afundam nas disputas em Goiânia, Aparecida de Goiânia e Anápolis. Não que haja um mistério nessas sucessivas derrotas, mas não deixa de ser curioso o fato de que a mais formidável máquina eleitoral do Estado simplesmente não consiga sucesso nas três maiores cidades goianas.

É óbvio que não existem derrotas eleitorais inexplicáveis ou vitórias por mero acaso. Perde-se porque se escolhe um candidato de forma equivocada, desfocada em relação ao adversário, ou por falta de estrutura de campanha, que inclui capacidade de financiamento da campanha e montagem de boa chapa tanto de candidatos a prefeito e vice como também de vereadores.

A base aliada já seguiu vários roteiros para tentar a vitória em Goiânia. No ano 2000, primeira eleição após o marco histórico de 1998, com a eleição de Marconi Perillo para o governo do Estado, a base lançou provavelmente o nome mais imponente que tinha à mão: o da ex-deputada federal e atual senadora Lúcia Vânia. O ideal naquele momento seria a candidatura do ex-prefeito Nion Albernaz, que estava concluindo o seu terceiro mandato à frente da Prefeitura de Goiânia e surfava numa ótima onda de popularidade. Mas foi exatamente naquela eleição que o professor resolveu se aposentar das disputas, e não se candidatou a nenhum outro cargo depois disso.

Observando os perfis de Nion e Lúcia sob o ponto de vista do eleitor, naquela época, havia convergência nas imagens, embora Nion fosse um dos habitantes do Olimpo e Lúcia frequentava o local como visitante ainda – bem diferente de hoje, após sucesso em duas disputas para o Senado. Olhando-se para os adversários, percebe-se que a escolha de Lúcia Vânia foi correta – Pedro Wilson, PT, e Darci Accorsi (já falecido), ex-PT e que disputou aquela eleição pelo PTB.

O que era pra ser bom, ficou ruim. A campanha de Lúcia Vânia foi levada a um caminho errático ao não se aproximar da administração de Nion Albernaz, que era exatamente o modelo que o eleitor mais queria naquele momento. A boa imagem e bom discurso de Lúcia não conseguiram fazer frente aos perfis dos professores Pedro Wilson e Darci Accorsi, que já tinha governado a capital entre 1993 e 1996, exatamente numa sucessão ao prefeito Nion Albernaz. Ela terminou em terceiro lugar, e Pedro venceu os dois turnos contra Accorsi.

Em 2004, a base optou por uma candidatura com característica popular acentuada, com o deputado federal e radialista Sandes Júnior. Foi um fiasco total. Acostumada com um discurso mais apurado e refinado, a base aliada simplesmente virou as costas para Sandes, que havia passado por um corredor polonês no processo de afunilamento, que acabou preterindo a candidatura do então deputado federal Barbosa Neto, pelo PSB, preferido dos nionistas. Populista por populista, a maioria do eleitorado ficou com Iris Rezende, com Pedro Wilson, que disputou a reeleição, em segundo lugar.

Em 2008, numa eleição que todo mundo se anunciava candidato pela base aliada, mas que na verdade ninguém queria, a bola acabou sobrando novamente para Sandes Júnior. Iris, candidato à reeleição e reforçado com uma inédita coligação com o PT, passou como um trator sobre todos, colhendo o que ainda hoje é recorde de votos na capital do Estado, praticamente 75% dos votos válidos.

Em 2012, a base aliada passou muito tempo em intermináveis tititis internos até se definir pelo deputado federal campeão de mandatos Jovair Arantes, do PTB. Sob as bençãos de Iris Rezende, que deixou a Prefeitura para disputar o governo estadual em 2010, o ex-vice e então prefeito Paulo Garcia foi candidato à reeleição. E ganhou já no 1º turno. Jovair teve menos de 15 por cento dos votos válidos.

A eleição foi decida nas campanhas, e não nas estruturas, que eram bastante semelhantes. Paulo Garcia fez uma campanha impecável, e conseguiu vencer seu principal obstáculo naquela época, que era o fato de ser pouco conhecido. Já a campanha de Jovair foi exatamente inversa. O petebista, que levou anos para construir uma aura eleitoral forte, terminou a campanha com uma imagem menor do que quando começou. Além disso, a intensa disputa interna durante o processo de definição de candidatura na base aliada, havia deixado ferimentos que não cicatrizaram durante a campanha.

Em Anápolis e Aparecida, a situação da base é curiosa. Em tese, o grupo de Aparecida, que era comandado pelo ex-prefeito e ex-deputado estadual Ademir Menezes, só foi vencido recentemente, pelo hoje prefeito Maguito Vilela. O problema é que depois, na reeleição, em 2012, serviu como desmanche do grupo, que se encontra sem articulação suficiente para 2016.

Já em Anápolis, a segunda mais efervescente cidade política do Estado, a base aliada da um banho nas urnas com Marconi Perillo desde 1998, mas afunda rapidamente nas disputas locais. A rigor, a exemplo de Goiânia, a base nunca venceu em Anápolis. E o atual prefeito João Gomes, do PT, que era vice de Antonio Gomide, que deixou a Prefeitura para disputar o governo no ano passado, é apontado desde já como grande favorito na reeleição.

Para a base aliada, portanto, antes de vencer, é necessário encontrar uma fórmula mágica para sobreviver nesse verdadeiro Triângulo das Bermudas eleitoral em 2016. Fácil não vai ser.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.