Elder Dias
Elder Dias
Editor-executivo

Ciro Gomes está virando o Dom Quixote das urnas

O ex-aliado do PT hoje combate o partido e seu pré-candidato, Lula, com quase todo o vigor que emprega contra Bolsonaro. Vem valendo a pena?

lustração de Candido Portinari para o livro “Dom Quixote Visto Pelos Artistas Brasileiros Portinari e Drummond”

Ter à frente um político como Ciro Gomes era tudo que o Brasil precisaria em um momento como o atual. Alguém que tem um projeto de desenvolvimento de um País, enquanto tudo parece tão sem rumo, ao sabor de guerras culturais e pregações meramente moralistas e nada práticas em relação ao bem-estar das pessoas.

Ter Ciro Gomes como ele próprio está se vendendo nesta pré-campanha, entretanto, não é possível. Todo o desatino e toda a verborragia que o pedetista tem protagonizado não faz sentido que não por convicção pessoal: se um marqueteiro tivesse algum poder maior sobre as ações de seu cliente, no caso, não deixaria que tantos erros crassos fossem cometidos.

Para o pedetista, desprezar o politicamente correto na disputa pelos votos não está sendo politicamente correto, para usar um trocadilho infame – embora seja também mais do que verdadeiro para avaliar as consequências de suas opções desde 2018. Voltemos então àquele período especialmente turbulento para tentar avançar no caso Ciro.

Com o ex-presidente Lula (PT) já preso e depois impossibilitado de concorrer ao Planalto por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), a eleição do fenômeno Jair Bolsonaro, então no PSL, se tornava uma possibilidade cada vez mais real. A facada de Adélio Bispo catalisou o avanço do “mito”. Naquele momento, vivendo o pior de seu inferno astral, o PT tinha duas opções: ou colocava seu plano B, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, na disputa, ou desistia de ter candidatura própria, abrindo caminho para que Ciro Gomes conquistasse a vaga no segundo turno.

O Partido dos Trabalhadores, com todas as suas contradições e pecados, ainda era – como continua sendo – o mais amado partido do Brasil. Não por coincidência, também é o mais odiado. Talvez por ser o único partido “de verdade” que exista no País, depois de o PSDB se destroçar. Em todos os casos, isso se deve a uma militância cativa, de base, que não nasceu do nada, mas como fruto de mais de 40 anos de construção e de disputa política. E agrega-se a essa estrutura sólida, por mais contestada que seja, outra figura igualmente sólida, contestada e já quarentona na vida pública: Luiz Inácio Lula da Silva.

Lula e PT nasceram um para o outro, talvez o outro tenha nascido do um, mas não são a mesma coisa. Juntos, são muito fortes. Se se separassem, ambos se manteriam ainda com bastante força, mas com mais dificuldades. O PT, sem Lula, talvez mais do que o inverso. Basta imaginar esta hipótese absurda: o que ocorreria se o ex-presidente, por alguma razão qualquer, saísse do partido e se candidatasse por uma sigla de centro, um MDB ou um PSD? O antipetismo continuaria “grudado” em Lula? Muitos cientistas políticos acreditam que não, e que parte dos que hoje reviram os olhos poderiam, sim, dar o voto ao eventual ex-petista.

Mas o que isso tem a ver com Ciro? É que, naquele momento do auge do antipetismo, tudo que o postulante do PDT gostaria era que Lula e o PT lhe dessem os próprios votos e a própria base, porque seria ele o único com chances reais de bater Bolsonaro no segundo turno – o que, na verdade, era corroborado por um momento específico das pesquisas, embora se pudesse deduzir, de uma forma subjetiva, que talvez ele realmente tivesse mais chance de vencer do que Haddad, dado o alto antipetismo daquela circunstância.

Mas o PT é o partido que é – seja lá o que isso significa para cada um, segundo suas convicções – por firmar suas escolhas. E bancou Haddad. E, em duas semanas, uma grande parte do que era voto em Lula virou voto em seu substituto. O suficiente para que Ciro fosse ultrapassado tranquilamente nas intenções de voto em apenas três semanas de campanha dos petistas para Haddad.

Ao cabo do primeiro turno, derrotado, o ex-ministro viajou para Paris, sem se pronunciar sobre o cenário de disputa entre Bolsonaro e Haddad. Só voltou às vésperas da ida às urnas, claramente ainda furioso com a derrota que o PT havia lhe imposto. Declarou voto contra Bolsonaro de uma forma tão estranha que alguns consideraram que a posição era mais neutra do que outra coisa.

Desde então, Ciro Gomes se a(pro)fundou no próprio antipetismo que foi criando e alimentando dia após dia desde aquele outubro de 2018. A ponto de, como nome alternativo à polarização atual, chegar a sugerir que Lula e Bolsonaro representariam faces da mesma moeda maligna. Para quem preza a democracia e observa o que fizeram cada um dos dois para e contra a estabilidade institucional do País em seus mandatos, num momento como o atual, não deveria haver espaço para dúvidas.

É da política atacar os adversários, faz parte da disputa de corações e mentes de qualquer período eleitoral. Mas faz parte, também, conduzir isso com algum método que demonstre eficácia. Desde quando Lula teve suas sentenças anuladas pelo STF e entrou como nome viável à disputa, Ciro nunca conseguiu chegar a dois dígitos nas pesquisas. Em 2018, da mesma forma, com o nome de Lula no páreo, o ex-governador cearense também não passou da primeira casa decimal.

Isso tem motivo: é que tanto Lula como Ciro correm no mesmo flanco, a centro-esquerda. E, embora seja o petista que tenha a fama de esquerdista radical, não foi o que demonstrou durante os oito anos em que governou, tempo em que fez a alegria de bancos e agropecuaristas e viveu às turras com parte do campo progressista, notadamente o da área ambiental, por conta de obras como a hidrelétrica de Belo Monte.

O Plano Nacional de Desenvolvimento (PND), o programa de governo de Ciro Gomes, considerado por ele próprio seu grande trunfo diante de adversários “sem projeto para o País”, prevê a taxação de grandes fortunas, a retirada da autonomia do Banco Centro e a permanência da Petrobrás como estatal. Muito mais esquerdista do que ousaria o PT. Ao mesmo tempo, o pedetista joga cada vez mais peso na religiosidade e no conservadorismo do brasileiro médio. Posiciona-se contra o aborto, fala em maior rigor penal e se coloca como candidato anticorrupção. É a tentativa de abraçar o eleitorado antipetista que se sentiu órfão de candidato com o desempenho geral de Jair Bolsonaro no cargo de presidente e da desistência forçada de Sergio Moro após ser enquadrado pelo novo partido, o União Brasil.

Ciro Gomes atira para todos os lados, mas os alvos que quer acertar estão muito além de seu alcance. Acaba ficando um quê de personagem quixotesco que incutiu a si próprio uma missão a cumprir. O presidente do PDT, Carlos Lupi, até o momento, faz as vezes de Sancho Pança, mas quem manda não costuma ser escudeiro de quem não avança.

O personagem clássico da literatura de Cervantes é também um arquétipo dos utópicos. O mundo precisa deles, o mundo seria muito melhor com a vitória dos quixotes. Mas a janela para o sucesso eles na realpolitik é rara e muito estreita. E não é este o momento.

Uma reaproximação de Ciro com o PT, depois de tantos e tão fortes ataques à moral do partido do qual já foi aliado, seria ainda possível para esta eleição? Para Lula, que exigiu o ex-desafeto Geraldo Alckmin (PSB) como seu vice, certamente não haveria problemas; já o próprio pedetista assinalou um ponto de não retorno na relação. Mas política é a arte do possível e o Quixote de Sobral terá alguns meses para perceber que pode ser fundamental para evitar uma tempestade, em vez de atirar contra moinhos de vento.

Uma resposta para “Ciro Gomes está virando o Dom Quixote das urnas”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.