Um levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) da nova Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua mostrou que o número de brasileiros vivendo sozinho foi o maior em 2022 desde a série histórica, iniciada em 2012. Dos 74,1 milhões de domicílios no país, 11,8 milhões, ou 15,9%, tinham apenas um morador.

Em Goiás, 403 mil pessoas moravam sozinhas no estado. Em relação a 2021, esse número era de 368 mil, o que representa um crescimento de 9,5% na parcela de residências com apenas um morador. A taxa é semelhante à média nacional, 9,46%, que saltou de cerca de 10,8 milhões para aproximadamente 11,8 milhões.

Tanto no Brasil como em Goiás, esta é a maior quantidade de pessoas vivendo em unidades domésticas unipessoais registrada na série histórica iniciada em 2012. Os lares compostos por apenas uma pessoa em Goiás representam aproximadamente 15,7% do total de domicílios no estado.

Ainda conforme o IBGE, a quantidade de homens que moram sozinhos em Goiás é de 232 mil, o que corresponde a aproximadamente 57,6% do total de pessoas que vivem em domicílios individuais. Já as mulheres representam 171 mil domicílios, o que equivale a cerca de 42,4% do total.