O recém-eleito presidente, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), cedo ou tarde anunciará quem serão os próximos ministros que estarão no seu terceiro mandato governando o Brasil. Entre os rumores e especulações, alguns nomes e tendências parecem certos na nova gestão do petista. Além de anunciar que criará novos ministérios, incluindo alguns extintos anteriormente, Lula deverá ampliar o número de mulheres no comando da Esplanada dos Ministérios.

A pluralidade de gênero e raça ainda faz parte do pedido da senadora e ex-candidata à presidência Simone Tebet (MDB). Inclusive, a nova aliada de Lula é uma das mais cotadas para assumir a pasta da educação ou da agricultura. Provavelmente já pensando no Palácio do Planalto nas eleições de 2026, já que o atual chefe de Estado anunciou que não pretende concorrer à reeleição.

Outra opção para a área que cuida da educação do Brasil seria Izolda Cela, governadora do Ceará que terminará o mandato no final do ano. O nome da cearense ganhou força por conta dos altos números no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). O estado foi classificado com 87 das 100 melhores escolas públicas do país.

Há também forte indicação do nome Marina Silva (Rede), antiga aliada que voltou a ter relação com o petista. A ex-senadora pelo Acre foi eleita como deputada federal por São Paulo, mas ainda é uma das favoritas para ser ministra do Meio Ambiente, cargo que chefiou entre 2003 e 2008. Outra que pode reassumir a pasta é Izabella Teixeira, que esteve no ministério em outras duas oportunidades.

Já a atual presidente do Partido dos Trabalhadores (PT), Gleisi Hoffmann, também poderá ter um pedaço do bolo novamente. Ex-ministra da Casa Civil, ela poderá retomar o cargo que ocupou durante a gestão petista. Fora que ainda é especulada nas áreas do Planejamento ou da Fazenda, que devem voltar a ser divididas.

Outro ministério que será recriado é o da Cultura, que poderá ter um artista como titular, repetindo a ideia do primeiro governo Lula com Gilberto Gil entre 2003 e 2008. Dessa vez, a cantora Daniela Mercury é a especulada para o cargo.

Já a pasta dos Povos Originários será uma das novidades da próxima gestão e já possui um nome favorito para assumir: Sonia Guajajara (Psol). A líder indígena também acabou de ser eleita deputada federal por São Paulo.

Outros nomes que ainda foram ventilados são o de Tereza Campello, ex-ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome no governo Dilma Rousseff, e da recém-eleita deputada federal por Goiás Adriana Accorsi (PT).