Vilmar Rocha diz que o prefeito de Anápolis, João Gomes, será bem recebido no PSD

Vilmar Rocha e João Gomes: no PSD, avalia o secretário, o prefeito de Anápolis não será julgado pelos graves equívocos nacionais do PT

Vilmar Rocha e João Gomes: no PSD, avalia o secretário, o prefeito de Anápolis não será julgado pelos graves equívocos nacionais do PT

O secretário das Cidades e Meio Ambiente do governo de Goiás, ex-deputado federal Vilmar Rocha, disse ao Jornal Opção na sexta-feira, 16, que o prefeito de Anápolis, João Gomes, do PT, será bem recebido no PSD.

Vilmar Rocha frisa que, em Anápolis, o PSD pode coligar-se, na eleição de 2016, tanto com o PT de João Gomes quanto com o PSDB de Alexandre Baldy. “O PSD está na base da presidente Dilma Rousseff em Brasília e na base do PSDB do governador Marconi Perillo em Goiás. Por isso as duas alianças são justificáveis.”

“Fica-se com a impressão de que o empresário João Gomes não é um quadro orgânico tradicional do PT. Não sei se procede, mas comenta-se no meio político que suas relações com o ex-prefeito Antônio Gomide estariam desgastadas. Por isso a hipótese de troca de partido — do PT para o PSD. A mudança partidária pode ser feita em março e insisto que o PSD está ‘aberto’ para conversar com o gestor anapolino. Esclareço, porém, que não conversei a respeito com ele. O que estou dizendo é que será bem acolhido por nosso partido”, afirma Vilmar Rocha. “Sem o desgaste do PT, que tende a contaminar todos os candidatos do partido no país, João Gomes evidentemente teria mais chances de ser reeleito.”

O quadro de Anápolis, na avaliação de Vilmar Rocha, é o mais “aberto” possível. “Fala-se que o favorito é o deputado estadual Carlos Antônio, do Solidariedade. Mas ainda é cedo para se mencionar ‘favoritos’. Há políticos que são muito bons de ‘largada’, como Iris Rezende, mas não são bons de ‘chegada’. Não estou comentando especificamente o caso de Carlos Antônio, e sim de um aspecto da política: os que saem em primeiro às vezes não são aqueles que são eleitos.”

João Gomes nunca disse, ao menos publicamente, que vai deixar o PT. Mas, de fato, mantém relação estreita, em termos administrativos e laços de amizade, com o governador de Goiás, Marconi Perillo, do PSDB. Os dois estão juntos na Alemanha, terra de Goethe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.