Ventos a favor de Ronaldo Caiado

Sinésio Dioliveira

Vejam como são as circunstâncias nos bastidores políticos! O deputado federal Ronaldo Caiado (DEM, que pleiteia uma vaga no Senado (e tudo indica que a vaga é sua) anda pedindo voto para o governadoriável Iris Rezende (PMDB). Só que as circunstâncias políticas atuais, se observadas dentro do viés lógico, vão apontar que, para ele, que tem pretensão de ser governador de Goiás, o interessante é torcer pela reeleição de Marconi Perillo (PSDB). A vitória de Marconi significará ventos a favor de Caiado. A destreza que não teve antes, quando foi candidato a governador em 1994 e perdeu para Maguito Vilela — prefeito de Aparecida de Goiânia —, certamente não lhe faltará numa possível empreitada a governador em 2018. O que não quer dizer que para ele será inhambu na capanga.

Lógico que Caiado nem pensa na derrota de Iris, pois lealdade e compromisso com a palavra dada são atributos proeminentes que nele predominam. E não apenas esses atributos ele possui, como também não se pode deixar de reconhecer que é uma pessoa meio explosiva; fato que terá de mudar, pois há muitos eleitores que querem um candidato sereno mas de verbo cortante dentro do ringue retórico e dialético. Faz-se necessário reconhecer que a aprovação de Caiado como senador pela maioria dos eleitores goianos se justifica nas suas inúmeras virtudes e essencialmente na sua postura engajada enquanto parlamentar.

O Editorial do Jornal Opção desta semana — “Vitória de Marconi Perillo reabre política de Goiás para a renovação” — traz na primeira linha do primeiro parágrafo a razão pela qual é mais interessante para Caiado a vitória de Marconi: “A única vitória que efetivamente cria espaço para a renovação política é a de Marconi Perillo, que, se eleito em 2014, não poderá disputar o governo em 2018”.

Sobre o aspecto da idade de Caiado, apontada no mesmo Editorial (“O único problema é que, em 2018, terá 69 anos, quase 70 anos, e terá de enfrentar candidatos bem mais jovens.”), a ele deve ser estendido também a mesma observação direcionada a Iris no Editorial passado — “O que Roosevelt e Churchill têm a dizer ao ressentido Iris Rezende”: “Mas isto nada tem a ver com a idade, e sim, como o Jornal Opção tem insistido, com a mentalidade”.

Em síntese, a iminente derrota de Iris Rezende representará, sem dúvida, o oxigênio de renovação do PMDB, o que abrirá espaço para outros nomes representativos do partido, que, caso estivessem à frente do presente pleito eleitoral, talvez até pudessem desenhar um novo cenário político em Goiás para o momento.

O que pesa mais contra Iris nem é mesmo a sua idade, pois fazer política não é ação que demanda vigor físico, algo semelhante a montar em burro bravo. Pesa contra ele o fato de seu discurso estar com as roupas puídas. O viés de suas ideias destoa do que o momento exige. O excesso de pedras do seu discurso ofusca sua imagem enquanto candidato. As pedras podem até surtir efeito, mas não em favor de quem as atira, mas de outro candidato, que toca a sua campanha propositivamente, que pode ser o próprio candidato alvejado ou outro envolvido no pleito.

Metaforicamente pode-se dizer que ninguém procura uma banca de peixe só porque o seu dono está esbravejando que os peixes da banca vizinha estão podres e que apenas os seus estão bons.

O Jornal Opção, em penúltimo Editorial, acertou em cheio na avaliação do discurso de Iris: “Quem examina cuidadosamente suas ideias e acompanha seu programa eleitoral fica com a impressão de que o peemedebista não tem um projeto de construção, ou seja, não tem um projeto para ampliar a modernização do Estado. Ao contrário, sua campanha está dizendo que está tudo errado em Goiás — o que qualquer pessoa em sã consciência avalia que não é bem assim…”.

Iris Rezende já foi um dia o tempo novo. Lá atrás, mais precisamente em 1982, quando a ditadura civil-militar estava em seu estertor, Iris prometeu aos eleitores que levaria o povo para o poder, inclusive dizendo-lhes que até mudaria as sofisticadas receitas culinárias do Palácio das Esmeraldas, introduzindo no cardápio do novo inquilino da Casa Verde o quiabo, o jiló e outros legumes mais. Ele naquela época foi, sem dúvida, um administrador ideal para o momento. Realizou importantes obras de infraestrutura no Estado.

Eclesiasticamente falando, tudo tem seu tempo. Marconi mais tarde enfrentará o tempo, que é o grande monstro de todos. E essa moçada nova à sua volta, um deles certamente será o Davi, personagem que ele foi um dia lá trás, derrotando Iris Rezende em 1998. Só que Marconi, em relação à questão de mentalidade, não enfrentará os problemas que Iris enfrenta: de não se lapidar politicamente com o passar do tempo. Marconi, certamente, envelhecerá de modo mais sensato e certamente não se valerá de roupas puídas para vestir seus discursos quando o seu tempo de vida política estiver bem adiantado.

Não fosse essa sua mentalidade em constante processo evolutivo, Marconi não estaria na preferência do eleitorado, inclusive na iminência de sair vitorioso já no primeiro round eleitoral, que acontece no domingo, 5.

Sinésio Dioliveira é poeta e jornalista.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.