Henrique Meirelles disse a Kassab e Vilmar Rocha que pretende disputar mandato de senador em Goiás. Mas PT de Lula da Silva começa a assediá-lo

Gilberto Kassab, Ronaldo Caiado, Henrique Meirelles e Vanderlan Cardoso | Foto: Leo Iran

O secretário da Fazenda do governo de São Paulo, Henrique Meirelles (PSD), disse tanto ao presidente nacional do PSD, ex-ministro Gilberto Kassab, quanto ao presidente do PSD em Goiás, Vilmar Rocha, que seu projeto número um é disputar mandato de senador por Goiás — seu Estado natal (é natural de Anápolis, e é primo de Aldo Arantes e de Marcelo Melo, ex-deputados federais).

Lula da Silva e Henrique Meirelles: interlocutores frequentes | Foto: Reprodução

Mas às vezes o projeto número um acaba por se subordinar ao projeto número dois. Depois de tentar um vice militar — o general Santos Cruz disse “não”, de cara, alegando que não apoia nem o presidente Jair Bolsonaro nem um postulante do PT —, Lula da Silva agora procura um vice palatável para o mercado brasileiro e internacional. O nome de seus sonhos é o de Josué Gomes da Silva, recém-eleito presidente da poderosa Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp). Josué Gomes é filho de José Alencar, que foi vice do petista na disputa de 2002. Na época, ao aceitar a vice, José Alencar, da Coteminas, contribuiu para a aceitação de Lula da Silva pelo mercado. Os reds querem “repetir” a chapa com o ex-sindicalista e um empresário.

João Campos: a aposta do partido Republicanos para senador em 2022 | Foto: Divulgação

Comenta-se, porém, que, por ter sido eleito presidente da Fiesp, Josué Gomes estaria relutante. Por isso, o nome de Henrique Meirelles voltou a ser cotado para vice de Lula da Silva. O ex-presidente aprecia o engenheiro especializado em economia — que dirigiu o Banco Central durante os oito anos de suas duas gestões (chegou a indicá-lo para o Ministério da Fazenda do governo de Dilma Rousseff, mas a então presidente não quis, alegando que era “monetarista” e não, como Guido Mantega, “desenvolvimentista”).

Henrique Meirelles é uma figura de expressão internacional, com ampla influência. Na vice de Lula da Silva, seria a garantia de que o presidente, uma vez eleito, não cometeria loucuras. Por ter uma figura centrada ao seu lado.

Zacharias Calil: deputado federal pelo DEM | Foto: Fernando Leite/Jornal Opção

Se optar pela vice de Lula da Silva, Henrique Meirelles não será candidato a senador em Goiás — o que fortalece o nome dos deputados federais João Campos, do Republicanos, e Zacharias Calil, do Democratas.

O problema de Zacharias Calil é que, apesar do apreço do governador, a chapa majoritária não terá dois nomes do Democratas — Ronaldo Caiado e o deputado. Por isso, sem Henrique Meirelles — frise-se: planeja disputar mandato em Goiás e já contratou uma equipe em Goiânia — e sem Iris Rezende, que está doente, o nome mais forte passa a ser o de João Campos, que tem o apoio da Igreja Universal, de parte da Igreja Assembleia de Deus, do partido Republicanos e do prefeito de Goiânia, Rogério Cruz. Não é pouca coisa.

Há também a hipótese de Daniel Vilela disputar mandato de senador. Sua preferência, no momento, é pela vice de Ronaldo Caiado. Se for para o Senado, o deputado estadual Lissaeur Vieira, de pronto, se credencia para a vice.