Rodrigo Janot pede ao SFT que determine a prisão de Joesley Batista e do ex-procurador Miller

O ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin deve decidir sobre as prisões nas próximas horas

Empresário Joesley Batista, dono da JBS | Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu ao Supremo Tribunal Federal a prisão do empresário Joesley Batista, da JBS, do executivo Ricardo Saud, e do procurador Marcello Miller. O ministro Edson Fachin deve decidir sobre as prisões nas próximas horas. Acredita-se que o STF vai confirmar as prisões.

A Procuradoria-Geral, depois de revisar o acordo de delação premiada de Joesley Batista, de Ricardo Saud e de um advogado, decidiu solicitar a revogação do benefício de imunidade penal que havia sido concedido aos trio de delatores.

O novo depoimento de Joesley Batista e Ricardo Saud à Procuradoria-Geral da República não convenceu os procuradores, que não aceitaram que as gravações de Joesley Batista e Ricardo Saud são apenas “conversas de bêbados”, como eles querem fazer crer. O que os dois estão dizendo agora tem o objetivo unicamente de validar o acordo que havia sido feito recentemente. Ante a gravidade dos fatos, narrados com uma lógica que supera a mera conversa de bêbados, Rodrigo Janot avaliou que é necessária a prisão do empresário e de seu executivo, além de Marcelo Miller (que talvez seja o próximo a fazer delação premiada).

Procuradores frisam que Marcello Miller usou informações privilegiadas, quando ainda era procurador da República, para auxiliar Joesley Batista e Ricardo Saud. O ex-procurador pode ter cometido crime de obstrução de justiça e exploração de prestígio. Na prática, ele teria atuado mais como “advogado”, se os procuradores estiverem certos, do que como procurador.

Segundo o Globo News a Polícia Federal está de sobreaviso para avisar uma fuga de Joesley Batista e de Ricardo Saud.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.