Quadro para 2018 pode ter José Eliton e Thiago Peixoto duelando com Ronaldo Caiado e Daniel Vilela

Daniel Vilela e Ronaldo Caiado versus José Eliton e Thiago Peixoto: chapas possíveis para 2018. Tempo Novo estaria se renovando | Fotos: Fernando Leite

Daniel Vilela e Ronaldo Caiado versus José Eliton e Thiago Peixoto: chapas possíveis para 2018. Tempo Novo estaria se renovando | Fotos: Fernando Leite

Tancredo Neves assinalava que, em política, não existe cedo — só tarde. Por isso há quem avalie que sondar o futuro, com o uso de um “especulômetro”, é uma forma de entender de maneira adequada o presente. Políticos sabem que o futuro vai sendo articulado — e tramado — aos poucos. Os que esperam pelo futuro tão-somente reagindo, e não agindo, raramente conquistam o poder — tornando-se meras “vítimas”, e não agentes, da história. Quando se discute a sucessão para prefeito, a de 2016, começa-se a armar o jogo da disputa para o governo de Goiás em 2018.

Situação e oposições começam a montar seus jogos de xadrez. Tratemos dos indícios — a gênese de tudo. Pode-se falar em dois esboços orgânicos. A situação tende a emplacar a candidatura do vice-governador José Eliton (PSDB) para governador, com o deputado federal Thiago Peixoto (PSD) na vice — e o governador Marconi Perillo (PSDB) e o senador Wilder Morais (PP) para o Senado.

Há lógica nesta articulação da realpolitik. Primeiro, ao assumir o governo em abril de 2018, com a saída de Marconi para disputar o Senado, Eliton se torna o candidato natural a governador. A filiação ao PSDB sugere que sua candidatura está cristalizada. Segundo, Thiago é uma revelação política da base aliada, além de um seus mentores intelectuais. Tem sido apontado como um dos estrategistas técnicos e políticos do governismo. Terceiro, uma chapa com dois jovens, Eliton e Thiago, sinalizará, aos eleitores, que o Tempo Novo está se renovando. Quarto, a chapa estará contemplando três dos partidos mais sólidos da base: o PSDB de Marconi, o PSD de Vilmar Rocha e o PP de Wilder. Quinto, a indicação de Thiago convenceria Vilmar a desistir da disputa para senador, abrindo espaço para Wilder, ou quem sabe Lúcia Vânia (PSB), na chapa majoritária.

Há outra possibilidade. Há quem avalie que Thiago, por sua capacidade de articulação, deveria ser candidato a governador. O próprio secretário de Gestão e Planejamento costuma repetir que, em política, há fila. Na fila estaria logo atrás de Eliton.

Nas oposições, há pelo menos dois nomes consolidados: Ronaldo Caiado (DEM), que terá quase 70 anos em 2018, e Daniel Vilela (PMDB), que terá menos de 40 anos. Os dois podem compor? Não querem. Porém, por uma questão de sobrevivência, tendem a formatar uma chapa única.

Como Caiado não abre mão de disputar o governo, a tendência é que Daniel seja indicado para ser o seu vice. Há quem, tanto no DEM quanto no PMDB, sonhe com Jorge Kajuru (PRP) — se bem votado para vereador em Goiânia — e Lúcia Vânia, do PSB, para o Senado. Lúcia prefere compor com Marconi, mas, se não houver espaço, pode compor com Caiado ou Daniel. Questão de sobrevivência.

3 respostas para “Quadro para 2018 pode ter José Eliton e Thiago Peixoto duelando com Ronaldo Caiado e Daniel Vilela”

  1. Avatar Alfredo Paes Landim Filho disse:

    Só estão esquecendo de Antonio Gomide . João Gomes vai ser eleito prefeito de Anápolis, E Gomide fica muito forte e com a vitória do Partidos dos trabalhadores em Goiânia esses políticos mencionados não podem contar com o ianbú na capanga não, a briga vai ser boa.

  2. Avatar Denis Robson disse:

    Sou nascido e criado aqui em Anápolis,e digo com todas as letras,João Gomes vai levar uma taca aqui no ano que vem e o tal de gomide realmente não pode nem ser citado na matéria acima,pois o mesmo perante esses citados é fraco igual coice de calango!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.