PT pode compor frente política com Marconi ou Zé Eliton para 2022

O presidente do PSDB abriu conversações com líderes do PT. A exigência é: o tucanato tem de apoiar a eleição de Lula da Silva para presidente

José Eliton e Marconi Perillo: um deles deve ser candidato a governador | Foto: Divulgação

José Eliton foi advogado de um ícone do PT em Goiás — o ex-prefeito de Goiânia Pedro Wilson Guimarães, de 79 anos. O petista só conseguiu ser candidato em 2004 graças à eficiência da advocacia do ex-governador. Na instância superior, em Brasília, conseguiu derrubar uma sentença da Justiça em Goiás.

Desde então, embora seja um político liberal, José Eliton mantém um relacionamento cordial com a esquerda goiana. Na sexta-feira, 9, um tucano disse ao Jornal Opção que o presidente regional do PSDB abriu conversações com o PT tendo em vista as eleições de 2022.

A orientação de Lula da Silva é clara: nos Estados onde não tiver governador ou não tiver chance de eleger o governador, o PT deve compor com aquele político que tomar a decisão de apoiar o candidato do partido a presidente da República.

Marconi Perillo, Alexandre Baldy (ao fundo) e Rubens Otoni: uma possível aliança de centro-esquerda | Foto: Divulgação

O PSDB de Goiás terá como apoiar Lula da Silva? Pelas conversações, a possibilidade é real, sobretudo se João Doria, governador de São Paulo, não for candidato a presidente. Há quem aposte que vai disputar a reeleição.

José Eliton, segundo o tucano, planeja compor uma frente de centro-esquerda para enfrentar o governador Ronaldo Caiado, do partido Democratas.

Um petista decidiu falar com um repórter do Jornal Opção, mas em “off”. “Lula disse: ‘É preciso ter juízo’. Ele tem razão: o PT precisa trabalhar, sacrificando projetos estaduais só para marcar posição e fortalecer nomes individuais, por uma composição ampla, de centro-esquerda.”

Mas o PT pode compor com Marconi Perillo? O petista diz que “sim”. “Lula tem desgaste e Marconi Perillo tem desgaste. Enfim, todos os políticos que estão ou passaram pelo poder têm desgastes. O que não podemos é lançar Kátia Maria, mais uma vez, para amargar a lanterninha. Se lançar candidato a governador em 2022, a cúpula do PT em Goiás estará indo contra os interesses do projeto presidencial do partido.”

Como deve ser a possível negociação com o PSDB de Marconi Perillo e José Eliton? “O PT não pode se sentar à mesa para negociar já apresentando Kátia Maria para governadora. Ela pode ser vice do candidato do PSDB e Rubens Otoni pode disputar mandato de senador, o que abrirá espaço para Adriana Accorsi disputar mandato de deputada federal. Nós não queremos posar de ‘santos’. O que nós queremos é eleger Lula e recuperar o Brasil”, afirma o petista. “Pessoalmente, avalio que Marconi Perillo é mais forte politicamente, apesar de todo o seu imenso desgaste. Mas me sentiria mais confortável disputando uma eleição ao lado de José Eliton.” Ou seja, o petista prefere José Eliton para governador.

José Eliton conversou com a deputada estadual Adriana Accorsi e o vereador Mauro Rubem, segundo o tucano. São importantes, têm voz ativa no PT, mas toda conversação sobre alianças tem de passar pelo deputado federal Rubens Otoni e pela presidente regional do PT, Kátia Maria.

O fato é que, com ou sem aliança, a cúpula do PSDB abriu conversações com setores do PT de Goiás.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.