Se Iris Rezende não for candidato à reeleição, o MDB pode compor um projeto que inclua os partidos de Daniel Vilela, Vanderlan Cardoso e Vilmar Rocha

Francisco Júnior: grupo pode apostar no novo em Goiânia

O PSD está de olho na Prefeitura de Goiânia — na disputa de 2020. Já o PP e o MDB estão de olho no governo do Estado — na disputa de 2022. A tendência é uma união dos três partidos para enfrentar o governador Ronaldo Caiado ou, se cair a reeleição, o candidato que ele apoiar.

A questão é que no caminho de 2022 há 2020. O MDB pode bancar candidato a prefeito — Iris Rezende, Daniel Vilela ou Maguito Vilela —, o que afastará aliados como o PSD e o PP. O PP também pode lançar candidato, mas, fora o senador Vanderlan Cardoso, não tem um nome consistente na capital. Já o PSD tem um candidato jovem e que, embora tenha sido derrotado na disputa para a prefeitura em 2016, saiu-se bem nos debates e programas eleitorais. Deixou cristalizada a imagem de um político moderno e conectado com os goianienses.

Há a possibilidade de uma aliança do PSD com o PP e o MDB para bancar Francisco Júnior para prefeito? Há, embora a aliança seja mais difícil com o MDB, sobretudo se o prefeito Iris Rezende disser que vai disputar a reeleição. Mas uma aliança entre o PSD e o PP é possível e os líderes dos dois partidos, Vilmar Rocha e Vanderlan Cardoso, estão conversando com frequência. Ressalte-se que Vanderlan Cardoso também está conversando com Maguito Vilela e Daniel Vilela (que promete apoiar seu candidato a prefeito em Senador Canedo).

Cogita-se a possibilidade de Francisco Júnior filiar-se ao PP? Há conversas esparsas, mas não oficiais. Aliados de Francisco Júnior sugerem que, por ser o seu único deputado federal do partido em Goiás, não tem do que reclamar. E, se sair do PSD, trocando-o pelo PP, pode perder o apoio do partido do qual saiu (se sair).