Na semana passada, o Jornal Opção conversou com cerca de cinco políticos de Goianésia. Todos disseram que o favorito absoluto para prefeito é o deputado estadual Renato de Castro (União Brasil) — que, além de amplo apoio popular, conta com um articulador considerado de primeira linha, seu pai, Fião de Castro.

Um dos entrevistados disse o seguinte: “Renato é o favorito, não há a menor dúvida. Mas pode pintar alguma surpresa. Porque o apoio de Otavinho Lage e Jalles Fontoura para Léo Menezes pode reconfigurar o quatro político-eleitoral. Mas tenho certeza de uma coisa: o próximo prefeito será bisneto de Laurentino Martins Rodrigues, fundador da cidade e o primeiro prefeito de Goianésia”.

O que isto quer dizer realmente? A fonte acrescenta, rindo: “O prefeito Léo Menezes e o ex-prefeito Renato de Castro, primos, são bisnetos de Laurentino Martins Rodrigues. Um deles será o próximo de Goianésia. Laurentino é avô da mãe de Renato e de Zeca Salvino, pai de Léo”. O pai de Leozão Menezes foi prefeito, por um ano e alguns meses. Ele era vice de Jalles Fontoura.

Com os nomes definidos: a disputa se dará entre Renato de Castro e Leozão Menezes (a caminho do PSDB). O MDB não terá candidato, pois um acordo já teria sido firmado entre o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (União Brasil), e o vice-governador Daniel Vilela (MDB).

A tendência é que o vice de Renato de Castro seja indicado pelo MDB. Há dois nomes cotados. Primeiro, Pedro Gonçalves, um advogado altamente preparado e um hábil articulador — ligadíssimo a Daniel Vilela. Segundo, o presidente da Câmara, Múcio Santana Martins, do MDB. Comenta-se que Múcio Santana também figura como possível vice de Leozão Menezes, mas aí teria de desfiliar-se do MDB. Fala-se também em Emerson Autovip.

Há três nomes cotados para a vice de Leozão Menezes: a médica Annalice Centurion (mulher do deputado estadual e médico José Machado), o empresário Henrique Pena (sobrinho de Otavinho Lage) e o ex-deputado estadual Helio de Sousa. O nome do delegado da Polícia Civil Marco Antônio Jr. também tem sido lembrado. Na eleição passada, ele foi vice de Pedro Gonçalves, o candidato do MDB.

O prefeito mantém o controle de 11 dos 15 vereadores — sobretudo por causa de cargos. Mas corre a informações de que três deles estão prestes a debandar para o lado de Renato de Castro. Na campanha, se Otavinho Lage e Jalles Fontoura não derem apoio efetivo a Leozão Menezes, a debandada será gigante. Os vereadores reclamam que o prefeito não articula. “Ele nem parece candidato. Léo vai enfrentar uma pedreira, a maior de sua vida, mas parece aéreo. É meio nefelibata”, diz um político local. (E.F.B.)